Tecnologia assistiva em dispositivos móveis: aplicativos baseados no TEACCH como auxílio no processo de alfabetização com crianças autistas

Marlene Barbosa de Freitas Reis, Carla Salomé Margarida de Souza, Lilian Cristina dos Santos

Resumo


Progressivamente emerge a necessidade de redimensionar práticas pedagógicas que, para além do respeito às diferenças, ofereça acessibilidade de aprendizagem a todos os discentes. Uma escola com metodologias conservadoras, dificilmente conseguirá bons resultados diante da educação inclusiva, colocando os discentes com deficiências em condições de exclusão, dentro da própria escola. Percebe-se que no redimensionamento dessas práticas, a Tecnologia Assistiva (TA) assume papel primordial, pois visa a superação de barreiras para a aprendizagem e independência na vida social de indivíduos com deficiências ou outras condições que geram necessidades especiais. Isso fomentou a inquietação que deu origem a este estudo: de que forma a Tecnologia Assistiva associada à Tecnologia Móvel em smartphones e tablets pode contribuir com a aprendizagem, mais especificamente com a alfabetização de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na escola regular? Para responder a essa inquietação, desenvolveu-se uma pesquisa de cunho bibliográfico em autores como: bell hooks  (2013), Reis et. al. (2017), Ferreira (2016), Cunha (2017), Furtado (2012), Fonseca e Ciola (2016), Mello (2007), Berch (2007), entre outros. Este artigo apresenta um dos principais métodos educacionais utilizado na educação de crianças autistas, o TEACCH, e faz um levantamento dos usos desse método em dispositivos móveis. Os resultados apontam para a contribuição de dois aplicativos (Lina Educa e ABC Autismo) que podem ser utilizados como ferramentas pedagógicas no processo de aprendizagem de crianças com TEA, auxiliando a inclusão dessas crianças, principalmente no tocante ao processo de alfabetização.

 

 


Palavras-chave


Aplicativos; Aprendizagem; TEA; TEACCH; Tecnologia Assistiva

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRY ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais-DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014. 992p.

BERSCH, Rita. Tecnologia Assistiva (TA). In: SCHIRMER, Carolina R; BROWNING, Nádia; BERSCH, Rita; MACHADO, Rosângela. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência física. Brasília DF: SEESP / SEED / MEC, 2007.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas: Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009.138 p.

BRASIL, LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 04 ago. 2015.

BRASIL. LEI Nº 12.764/2012, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF: 28 dez. 2012.

CAMINHA, Vera Lúcia; HUGUENIN, Julliane Yoneda; ASSIS, Lúcia Maria de; ALVES, Priscila Pires. (Org.). Autismo: vivências e caminhos. 1ª ed. São Paulo: Blucher, 2016.

CUNHA, Eugênio. Autismo e Inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 7ª ed. Rio de Janeiro: Wak, 2017.

FARIAS, E. B.; SILVA, L. W. C.; CUNHA, M. X. C. ABC Autismo: Um aplicativo móvel para auxiliar na alfabetização de crianças com autismo baseado no Programa TEACCH. In: X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, 2014, Londrina - PR. Anais do 10º Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, 2014. Disponível em: http://goo.gl/5swXXf. Acesso em 04 Mar. 2018.

FERREIRA, Patrícia Palmerino Terra. A Inclusão da Estrutura TEACCH na Educação Básica. Frutal-MG: Prospectiva, 2016.

FERREIRA, Windyz B. Inclusão x exclusão no Brasil: reflexões sobre a formação docente dez anos após Salamanca. In: RODRIGUES, David. Inclusão e Educação: Doze olhares sobre a educação inclusiva. Summus Editorial, 2006. p. 211- 238.

FONSECA, Maria Elisa; CIOLA, Juliana de Cássia. Vejo e Aprendo: Fundamentos do Programa TEACCH. O Ensino Estruturado para Pessoas com Autismo. 1° edição. Book Toy, 2014.

FURTADO, Júlio. Docência e alteridade. Congresso de Educação Básica: aprendizagem e currículo: COEB, 2012.

GOMES, Alice Neves, SILVA, Claudete Barbosa da. Software educativo para crianças autistas de nível severo. 2009. Publicado nos Anais do 4º Congresso Internacional de Pesquisa em Design – Brasil. 2013. Disponível em: http://www.designemartigos.com.br/software-educativo-para-criancas-autistas/#ixzz5ShuywHwU. Acesso em 20 de jul. de 2018.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013. p. 9-50; 223-251. Disponível em: https://pedropeixotoferreira.files.wordpress.com/2017/10/hooks_2013_ensinando-a-transgredir_book.pdf Acesso em: 10 mar. 2018.

INSTITUTO AUTISMO NO AMAZONAS. Lina Educa. Disponível em: http://www.autismonoamazonas.com/2014/04/lina-educa-para-download-gratis.html. Acesso em 20 de jul. de 2018.

JUVENAL, Amorim.2011. Perturbações do espectro do autismo. Disponível em: https://pt.slideshare.net/amorimjuvenal/perturbacoes-do-espectro-do-autismo. Acesso em: 05 de ago. de 2018.

KRAUSE, Maico. 2017. Aplicativos voltados para pessoas com TEA. Disponível em: https://maicokrause.com/transtorno-do-espectro-autista/aplicativos-voltados-para-pessoas-com-tea. Acesso em: 20 de jul. de 2018.

MELLO, Ana Maria S. Ros de. Autismo: guia prático. 7 ed. São Paulo: AMA; Brasília: CORDE, 2007. 104 p.: il.

PIRES, José. Por uma ética da inclusão. In: MARTINS, Lúcia de Araújo Ramos, et al. (orgs). Inclusão: compartilhando saberes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

REIS, Marlene Barbosa de Freitas; SANTOS, Thiffanne Pereira dos; OLIVEIRA, Brenda Fonseca de. Educação na e para a Diversidade: a busca pelo exercício da alteridade. In: REIS, Marlene Barbosa de Freitas; LUTERMAN, Luana Alves. (Org). Interdisciplinaridade na Educação: redimensionando práticas pedagógicas. Anápolis/Goiás: UEG, 2017.

SACCOL, Amarolinda Zanela; REINHARD, Nicolau. Tecnologias de Informaçăo Móveis, Sem Fio e Ubíquas: Definiçőes, Estado-da-Arte e Oportunidades de Pesquisa. RAC, v. 11, n. 4, Out/2007. 24f. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v11n4/a09v11n4.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa; GAIATO, Mayra Bonifácio; REVELES, Leandro Thadeu. Mundo singular: entenda o autismo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2004.

UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE. Programa de Autismo TEACCH. Site institucional. Carolina do Norte, EUA: 2013. Disponível em: http://teacch.com/about-us-1/what-is-teacch. Acesso em 10 abr. 2018.

WING, L; GOULD, J. (1979), Severe Impairments of Social Interaction and Associated Abnormalities in Children: Epidemiology and Classification. Journal of Autism and Developmental Disorders, 9, pp. 11–29.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n55.10652

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.