Metodologias ativas: efeitos de verdade acerca da inovação no ensino dentro da racionalidade neoliberal

Rafaela Esteves Godinho Leal, Shirlei Rezende Sales

Resumo


A inovação tornou-se um imperativo na sociedade contemporânea. Nela, à docência universitária é convocada a utilizar metodologias ativas como forma de inovar no ensino. Divulga-se que essas metodologias produzem sujeitos ativos e autônomos. Nesse sentido, neste artigo busca-se compreender os efeitos de verdade acerca das metodologias ativas na produção de estudantes ativas/os. Ele traz parte dos resultados de uma pesquisa, cujo corpus é constituído pelos ditos em circulação no curso de formação de professoras/es universitárias/os, bem como de entrevistas realizadas com participantes dessa formação. Utilizou-se como referencial as ferramentas teóricas e analíticas do filósofo Michel Foucault, a saber: dispositivo, discurso, poder e verdade. Por meio da rede metodológica que articulou elementos da netnografia educacional, de entrevistas narrativas e da análise do discurso de inspiração foucaultiana, desenvolveu-se o argumento de que a docência inovadora está em continuidade com a produção da posição de sujeito discipulus iacto. Conclui-se que as demandas postas à docência universitária inovadora, para utilizar metodologias ativas, atendem à urgência de forjar a posição de sujeito discipulus iacto na racionalidade neoliberal. As demandas pelo uso de metodologias ativas, portanto, governam as condutas discentes e docentes no ensino universitário inovador.

 

 



Palavras-chave


docência do ensino superior; inovação; metodologias ativas; racionalidade neoliberal.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia, VIANA, Luciana. Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. Farmecos/PUC-RS. Porto Alegre, dezembro, nº 20, p.34-40, 2008.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Jogos digitais e aprendizagens: o jogo Age of Empires III desenvolve ideias e raciocínios históricos de jovens jogadores? 2009. 238f. Tese (Doutorado em educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v.32, n.1, p.25-40, jan./jun, 2011.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999.

CONTERNO, Solange de Fátima Reis; LOPES, Roseli Esquerdo. Inovações do século passado: origens dos referenciais pedagógicos na formação profissional em saúde. Trab. Educ. Saúde. Rio de Janeiro, v.11, n.3, p.503-523, set/dez. 2013.

CUNHA, Marlécio Maknamara da Silva. Currículo, gênero e nordestinidade. O que ensina o forró eletrônico? 2011.151f. Tese (Doutorado em educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

FERRETTI, Celso João; ZIBAS, Dagmar Maria Leopoldi; TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. Protagonismo juvenil na literatura especializada e na reforma do ensino médio. Cadernos de pesquisa. v.34, n.122, p.411-423, maio/ago. 2004.

FERRY, Luc. A inovação destruidora: Ensaio sobre a lógica das sociedades modernas. Trad. Véra Reis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

FILHO, Edmundo Escrivão; RIBEIRO. Luis Roberto de Camargo. Inovando no ensino de administração: uma experiência com a aprendizagem baseada em problemas (PBL). Cadernos EBAPE.BR. Número Especial, ago. 2008.

FONSECA, Marcos Alves. A preocupação com o sujeito e o poder. In: FONSECA,. Marcos Alves. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: Educ, 1995. p. 21 -37.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. a vontade de saber. 16. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel . Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collége de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense–Universitária, 2008b.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2010. (Coleção ditos & escritos; 4).

FOUCAULT, Michel . A ordem do discurso. 23. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

FOUCAULT, Michel . Microfísica do poder. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense – Universitária, 2015a.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015b.

GARBIN, Ramon Figueira. Gamificação na docência do ensino superior. 2014. 39f. Trabalho de Conclusão de Curso. Instituto a vez do mestre. Universidade Cândido Mendes, 2014.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. T. (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

KUENZER, Acacia Zeneida. O que muda no cotidiano da sala de aula universitária com as mudanças no mundo do trabalho. In: CASTANHO, Sérgio; CASTANHO, Maria Eugênia. Temas e textos em metodologias do ensino superior. 7. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LEAL, Rafaela Esteves Godinho. Dispositivo de inovação no ensino superior: a produção do docentis innovatus e discipulus iacto. 2017.170f. Dissertação (Mestrado em educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

LEAL, Rafaela Esteves Godinho; SALES, Shirlei Rezende. Dispositivo de inovação: produção do estudante ativa/o no ensino superior. Revista Diálogo Educacional, v. 19, p. 173-194, 2019.

MASETTO, Marcos Tarciso (org). O professor na hora da verdade: a prática docente no ensino superior. São Paulo: Avercamp, 2010.

OLIVEIRA, João Ferreira; FERREIRA, Adriano de Melo; MORAES, Karine Nunes. A política e a cultura de inovação na educação superior. In: Educação Superior e produção do conhecimento. Campinas: Mercado das Letras, 2015.

OLIVEIRA, Wenderson Alves de. Práticas instrucionais de aprendizagem ativa e Física para o ensino médio. 2014.62f. Dissertação (Mestrado em Física). Instituto de Física, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis. Vozes, 2011.

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. A entrevista na pesquisa em educação – uma arena de significados. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 2.ed. Rio de Janeiro: Lamparina editora, 2007.

TEIXEIRA, Inês A. de Castro e PÁDUA, Karla Cunha. Virtualidades e alcance das entrevistas narrativas. In: Congresso Internacional sobre pesquisa (auto) biográfica, II, Anais. Salvador: [s.n], 2006. CD-ROM.

TRAVERSINI, Clarice Salete. BALEM, Nair; COSTA, Zuleika Que discursos pedagógicos escolares são validados por professores ao tratar de metodologias de ensino? In: Congresso internacional de educação: pedagogias (entre) lugares e saberes, 5, 20 a 22 de agosto de 2007. Anais. São Leopoldo: Unisinos, 2007.

VALENTE, José Armando. Aprendizagem ativa no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Disponível em: https://www.pucsp.br/sites/default/files/img/aci/27-8_agurdar_proec_textopara280814.pdf. Acesso em 19 de junho de 2019.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (Org). Docentes para educação superior: processos formativos. Campinas: Papirus, 2010.

VEIGA-NETO, Alfredo; TRAVERSINI, Clarice Salete. Por que Governamentalidade e Educação?. Educação e Realidade, v. 34, p. 13-19, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n57.10725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional