Educação libertadora contra a ignorância e a barbárie: notas do pensamento crítico de Paulo Freire

Alex Sander da Slva, Karoline Cipriano dos Santos

Resumo


A educação brasileira, ironicamente, segue como alvo de uma política de desregulamentação do Estado e de interesses mercadológicos do capital financeiro. Nessa perspectiva, o cenário brasileiro no âmbito educacional se configura de modo obscurantista, sobretudo, pelos cortes de verbas, se transforma numa arena de conflitos ideológicos em que professores são caracterizados como “doutrinadores ideológicos” e com o interesse de redução drástica da formação humanista e que entende o conhecimento hierarquizado por sua utilidade e identificado pelo vocabulário da prática. Este ensaio pretende refletir sobre os sentidos do “educar” (formar), na perspectiva das contribuições da educação como prática de liberdade e autonomia de Paulo Freire. Primeiramente, buscamos uma exposição do pensamento de Freire, sobretudo, de sua análise da educação bancária e o seu contraponto na educação libertadora. Num segundo momento, tratamos sobre a educação como resistência critica a ignorância e a barbárie na atual condição do campo educacional brasileiro em tempos de neoconservadorismo, de modo particular, num exercício do pensamento crítico sobre esse nosso tempo social, que tenta uma negação do pensamento freireano. 


Palavras-chave


educação; Paulo Freire; emancipação; ignorância; barbárie

Texto completo:

PDF

Referências


FREIRE, Paulo. Educação e mudança. São Paul: Paz e Terra, 1979. 80 p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 59 ed.rev.e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

ENGUITA, Mariano Fernández. Educar em tempos incertos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MAAR, Wolfang Leo. À guisa de introdução: Adorno e a experiência formativa. In: ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. Trad. Wolfang Leo Maar. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. p. 11-28.

NETO, Edgard Fernandes. O fracasso dos planos neoliberais na educação brasileira. In: COSTA, Áurea; NETO, Edgard; SOUZA, Gilberto. A proletarização do professor: neoliberalismo na educação. São Paulo: Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2009.

SILVA, Alex Sander da. FETICHISMO, ALIENAÇÃO E EDUCAÇÃO COMO MERCADORIA. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 1, p. 123-139, jan. 2011. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/1900. Acesso em: 21 jun. 2022.

SHIROMA, Eneida O.; MORAES, Maria C. M.; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. Rio de Janeiro, 2ªed. DP&A, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n61.15794

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional