Práticas decoloniais em educação a partir de uma educação centrada em estudantes

Juliana Crespo Lopes, Fernanda Fochi Nogueira Insfran, Lúcia Helena Cavasin Zabotto Pulino

Resumo


Este artigo traça possibilidades de uma releitura latino-americana decolonial das teorias e posturas educacionais fundamentadas na Abordagem Centrada na Pessoa (ACP) – pensada aqui enquanto modelo epistemológico da psicologia para práticas educativas. Por ser uma abordagem que valoriza as interações de pessoa para pessoa, a ACP trouxe a possibilidade de pensarmos uma aprendizagem verdadeiramente significativa porque é focada nos interesses genuínos dos alunos, portanto, pressupõe relações não opressivas, mais democráticas e que valorizam os saberes tradicionais oriundos da nossa história oral, que transcendem a hegemonia eurocentrada e do Norte. Assim, apresentamos os principais pressupostos da ACP e suas aplicações ao que chamamos de Educação Centrada em Estudantes, a partir do que vem sendo discutido e desenvolvido por autores latino americanos da psicologia e da educação, por entendermos que esta abordagem pode colaborar para a construção de uma dinâmica pedagógica decolonial. A leitura e reflexão sobre as contribuições destes autores nos suscitou uma profícua articulação entre as duas epistemologias presentes neste trabalho: a ACP latino-americana e a perspectiva do Sul global sobre educação. Juntas, acreditamos que elas podem ajudar na consolidação de práticas educacionais libertárias, democráticas e decolonizadas.

Palavras-chave


Abordagem Centrada na Pessoa; Práticas Educativas; Decolonialidade

Texto completo:

PDF

Referências


BEAULIEU, M., BRETON M., BROUSSELLE, A. Conceptualizing 20 years of engaged scholarship: A scoping review. PLoS ONE, v. 13, n. 2, p. 193-201, 2018. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0193201. Acesso em: 20 de abril de 2020.

BECKER, F. Educação e construção do conhecimento revista e ampliada. Porto Alegre: Penso, 2016.

BERNARDINO-COSTA, J. & GROSFOGUEL, R. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00015.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.

BOAINAIN, E. JR. Tornar-se transpessoal: transcendência e espiritualidade na obra de Carl Rogers. São Paulo: Summus, 1998.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FEITOSA, E. A. L., BRANCO, P. C. C., & VIEIRA, E. M. Notas sobre a visita de Carl Rogers ao Brasil: uma revolução silenciosa. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 17, n. 2, p. 777-795, 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v17n2/v17n2a20.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.

FONSECA, A. L. De Oaxtapec ao Nordeste da América do Sul: O Encontro Latino Americano da Abordagem Centrada na Pessoa, 1994.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00025.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 2005.

Histórias locais / projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

MIGNOLO, W. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. In. CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2008, p. 25-46.

MIRANDA, C. Presentación. In: WALSH, C. (Org). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

MOREIRA, V. Revisitando as fases da abordagem centrada na pessoa. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 27 n.4, p. 537-544, 2010. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v27n4/11.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.

OLIVEIRA, L. F. O que é uma educação decolonial. Nuevamérica (Buenos Aires), n. 149, p. 35-39, 2016.

ROGERS, C. R. & KINGET, G. M. Psicoterapia e Relações Humanas, v. 1, Belo Horizonte: Interlivros, 1977.

ROGERS, C.R. Liberdade e aprender em nossa década. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

ROGERS, C. R. & ROSENBERG, R. L. A Pessoa como centro. São Paulo, SP: Editora Pedagógica e Universitária, 1997.

ROGERS, C.R. E WOOD, J.K. Teoria Centrada no Cliente: Carl Rogers. In: BURTON, A. (Org.). Teorias Operacionais da Personalidade. Rio de Janeiro: Imago, 1974, p. 192 – 233.

SANTIAGO, A. R. Memórias poéticas de autoras negras: reinvenções de (re)existências. Itinerários, n. 46, p. 35-50, 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/10859/7991. Acesso em 16 de abril de 2020.

SHULTZ, L. Engaged Scholarship in a Time of the Corporatization of the University and Distrust of the Public Sphere: A Decolonizing Response. In: SHULTZ, L. & KAJNER, T. (Orgs). Engaged Scholarship: The Politics of Engagement and Disengagement. Rotterdam: Sense Publishers, 2013, p. 43 – 54.

SPIEGELBERG, H. Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evanston, IL: Northwestern University Press, 1972.

TASSINARI, M. & PORTELA, Y. História da Abordagem Centrada na Pessoa no Brasil. In: GOBBI, S.; MISSEL, S. (Org.). Abordagem Centrada na Pessoa: vocabulário e noções básicas. Tubarão: Ed. Universitária UNISUL, 1998, p. 227 – 260.

VIEIRA, E. M., BEZERRA, E. DO N., PINHEIRO, F. P. H. A. & BRANCO, P. C. C. Versão de sentido na supervisão clínica centrada na pessoa: alteridade, presença e relação terapêutica. Revista Psicologia e Saúde, v. 10, n. 1, p. 63-76, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpsaude/v10n1/v10n1a05.pdf. Acesso em: 16 de abril de 2020.

WALSH, C. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.17029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.