A democratização do acesso ao ensino superior no Brasil é um instrumento de justiça social? Possibilidades e desafios na formação de professores

Renata Meira Veras, Daiane da Luz Silva

Resumo


As ações afirmativas desempenham papel fundamental no processo de democratização do acesso ao ensino superior no Brasil, principalmente nos cursos de formação inicial de professores que possui grande representatividade das classes menos favorecidas. Com base nisso, esse estudo teve como questão: De que maneira os estudantes de licenciatura da Universidade Federal da Bahia percebem sua presença no ensino superior e utilizam os conhecimentos adquiridos nesse espaço como educadores? A partir de uma perspectiva epistêmica decolonial, o objetivo dessa pesquisa foi explorar os significados atribuídos pelos estudantes à experiência de estar no ensino superior evidenciando os desafios da justiça social nesse processo inclusivo. O estudo de caso foi o método utilizado, tendo como instrumentos entrevistas realizadas com 74 estudantes. A partir da análise de conteúdo pudemos agrupar seus relatos em três categorias: O perfil socioeconômico e a escolha pelo curso; os atores sociais no engajamento pela educação de qualidade; e a hierarquização dos saberes popular e científico na Universidade. Mais da metade dos estudantes participantes possuem baixa renda familiar, a maioria é negra e estudou em escola pública; destacaram o reconhecimento da justiça social ao ter acesso ao curso em uma instituição federal de ensino superior; a importância da educação para formação do cidadão; a ênfase do autoconhecimento como processo de educação emancipatória; a necessidade de políticas públicas e institucionais que viabilizem a permanência e a conclusão da formação; e, por fim, a falta de reconhecimento dos conhecimentos prévios que poderiam fazer parte da troca profícua de saberes necessários ao processo educativo.

Palavras-chave


Democratização do acesso; Formação inicial de professores; Justiça social; Universidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, N. et al. Ações afirmativas na universidade pública: o caso da UFBA. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais, 2005.

APPLE, M. W. A luta pela democracia na educação crítica. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 894-926, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2017v15i4p894-926. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/35530. Acesso em: 12 abr. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Ed. rev. e ampl. São Paulo: Edições 70, 2016.

BARROS, M. M. L. de. Trajetórias de jovens adultos: ciclo de vida e mobilidade social. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 71-92, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832010000200004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ha/v16n34/04.pdf. Acesso em: 12 abr. 2019.

BOBBIO, N. A era dos direitos. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; SOARES, L. J. G. Formação de Educadoras/es, diversidade e compromisso social. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 35, e217314, 2019. ISSN 1982-6621. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698217314. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edur/v35/1982-6621-edur-35-e217314.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019.

FONTOURA, H. A. da. Formação de professores para a justiça social: uma reflexão sobre a docência na residência pedagógica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12 n. 1, p.120-133, 2017. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n1.7932. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7932/6255. Acesso em: 29 jul. 2019.

FREIRE, P. El grito manso. Buenos Aires: Siglo XIX Editores Argentina, 2003.

GATTI, B. A. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, p. 51-67, out./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n50/n50a05.pdf. Acesso em: 13 abr. 2019.

GATTI, B. A. et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais. Rumo à uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

INEP. Enade 2017: resultados e indicadores. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2018-pdf-1/98271-2018-10-09-apresentacao-resultados-enade-2017-2018-10-09/file. Acesso em: 10 set. 2019.

KRISHA, K.; TARASOV, A. Affirmative action: one size does not fit all. Cambridge: National Bureau of Economic Research, 2013.

LAPO, F. R.; BUENO, B. O. Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cad. Pesqui. [online], São Paulo, n. 118, p. 65-88, 2003. ISSN 1980-5314. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742003000100004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16830.pdf. Acesso em: 26 jul. 2019.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção Questões da Nossa Época).

LOPES, A. D. Affirmative action in Brazil: how students’ field of study choice reproduces social inequalities. Journal Studies in Higher Education, v. 42, n. 12, p. 2343-2359, 2017. DOI: https://doi.org/10.1080/03075079.2016.1144180. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/03075079.2016.1144180?scroll=top&neeneedAcc=true. Acesso em: 25 jul. 2019.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. DOI: 10.1590/S0101-73302009000100015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a15.pdf. Acesso em: 24 set. 2019.

MARCONDES, M. I. Justiça social e formação de professores. Educ. Soc. Campinas, v. 29, n. 105, p. 1250-1254, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302008000400016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 jul. 2019.

MARTINS, J. B. A formação de professores no âmbito da abordagem multirreferencial. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 18 n. 3, 2014. v. 18, n. 3, p. 467-476, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2014/0183768. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v18n3/1413-8557-pee-18-03-0467.pdf. Acesso em: 18 fev. 2020.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, A.; ROMERA JR. E. Geopolítica do conhecimento e descolonização epistemológica em Darcy Ribeiro. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, v. 3 n. 2, p. 5-21, jul./out., 2017. e-ISSN: 2359-6856. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/31705/22436. Acesso em: 12 mai. 2020.

MIGNOLO, W. D. The ideia of Latin America. Victoria: Blackwell Publishing, 2005.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, p. 287-324, 2008. ISSN (online) 2447-4207. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/34/traducao.pdf. Acesso em: 12 mai. 2020.

MIGNOLO, W. D. The decolonial option. In: MIGNOLO, W. D.; WALSH, C. E. On decoloniality: concepts, analytics, praxis. Durham and London: Duke University Press, 2018.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa no ensino superior: entre a excelência e a justiça social. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 88, p. 757-776, Especial - Out. 2004. ISSN 1678-4626. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000300006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v25n88/a06v2588.pdf. Acesso em: 05 mai. 2020.

MONFREDINI, I.; MORA, R. P. Poder, geopolítica e mobilização do conhecimento: a universidade em questão. Revista Triângulo, Uberaba, v. 11, n. 4-esp., p.150-167, 2018. ISSN 2175-1609. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/download/3453/33. Acesso em: 12 mai. 2020.

MORGADO, J. C. O estudo de caso na investigação em educação. Santo Tirso: De facto editores, 2018.

MURILLO, F. J. Construyendo escuelas socialmente justas para transformar el mundo. Ruta Maestra, v. 27, p. 77-80. 2019. Disponível em: https://rutamaestra.santillana.com.co/wp-content/uploads/2019/10/Construyendo-escuelas-socialmente-justas-para-transformar-el-mundo.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

PAULA, M. de F. de. As propostas de democratização do acesso ao ensino superior do governo Lula: reflexões para o debate. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 11, n. 1, p. 133-147, 2006. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/925. Acesso em: 27 ago. 2019.

RAWLS, J. A theory of justice. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1999.

SANTOS, B. S. A universidade no século XXI: por uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina S.A., 2009.

SEN, A. The idea of justice. London: Allen Lane, 2009.

ZEICHNER, K. M. Uma análise crítica sobre uma "reflexão" como conceito estruturante na formação docente. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/es/v29n103/12.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302008000200012.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.17325

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.