Materialismo histórico-dialético e a transformação da realidade

Édio Luís Bressan, Iria Brzezinski

Resumo


O objeto deste artigo é o Materialismo Histórico-Dialético. O problema de pesquisa é analisar a possibilidade de esse método transformar a realidade. O objetivo é discutir a dialética como método, que busca a transformação da realidade. A pesquisa é bibliográfica e realizada com base nas ideias de teóricos que refletiram sobre os aspectos históricos do Materialismo Dialético. Os conceitos básicos desse método fundamentaram a pesquisa. Investigaram-se os contextos históricos, a arte do diálogo, as contradições e as ideias no interior da mente humana. No platonismo, a teologia condenou a dialética. Na Idade Moderna, a dialética foi considerada inútil. No Renascimento a organização democrática, desenvolveu a plenitude do homem. Foram analisadas, também, a dialética, a concepção de homem, de sociedade e de relações de produção.  A práxis definida como a verdade sobre a realidade expressa nas ações dos homens, que transformam e produzem a própria história. A teoria e a prática tornam-se indissociáveis. A totalidade, o movimento, a qualidade e a luta dos contrários são conceitos dialéticos construídos nas relações sociais. As categorias da dialética são inacabadas e foram desenvolvidas na ciência moderna. A fidelidade do pesquisador conduz a pesquisa para atingir a estrutura do objeto. O método dialético suscita a realização de pesquisas que vislumbrem a transformação da realidade, por meio de mudanças reais e conscientes.


Palavras-chave


contradições; dialética; método.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Guenther Carlos Feitosa de. A formação do trabalhador em cursos a distância: um estudo sobre a rede E-TEC. 247 f. –Tese de Doutorado – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2018.

ALVES, Álvaro Marcel. O método materialista histórico dialético: alguns apontamentos sobre a subjetividade. São Paulo: Revista de Psicologia da UNESP, v. 9, n. 1, 2010, p. 1-13.

BORBA, Siomara. A pesquisa em educação: do abstrato para o concreto de pensamento. Florianópolis: V Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo: Marxismo, educação e emancipação humana, 2011, p. 1-18.

BORBA, Siomara; PORTUGAL, Adriana Doyle; SILVA, Sérgio Rafael Barbosa da. Pesquisa em educação: a construção teórica do objeto. Rio de Janeiro: Ciências & Cognição, v. 13, n. 1, 2008, p. 12-20.

CARNEIRO, Maria Esperança Fernandes; MESQUITA, Maria Cristina das Graças Dutra; AFONSO, Lúcia Helena Rincon. Os pressupostos da teoria social de Marx na perspectiva da pesquisa acadêmica. In: PAIVA, Wilson Alves de (Org.). Reflexões sobre o método. Curitiba: CVR, 2017, p. 55-76.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1995.

CHEPTULIN, Alexandre. A dialética materialista: categorias e leis da dialética. São Paulo: Alfa-Omega, 1982.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação e contradição. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1986.

EDUCALINGO Dicionário. Disponível em: https://educalingo.com/pt/dic-pt/platonismo. Acesso em: 24 mar. 2020.

FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, Ivani (Org). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2000, p. 69-90.

GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez: Autores associados, 1983.

GALLI, Glória Edini. Diferença entre sincronia e diacronia. Disponível em: http://www.lpeu.com.br/q/929da. Acesso em: 25 dez. 2019.

GAMBOA, Silvio Ancízar Sanchez. A dialética na pesquisa em educação: elementos de contexto. In: FAZENDA, Ivani (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2000, p.91-115.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. A pesquisa na produção do conhecimento: questões metodológicas. São Paulo: ECCOS revista científica, v. 7, n. 2, 2005, p. 253-274.

IBER, Christian. Logos, physis e dialética em Heráclito de Éfeso. Porto Alegre: Philia & Filia, v. 4, n. 1, 2013, p. 72-89.

KONDER, Leandro. O que é dialética. São Paulo: Coleção Primeiros Passos, 2008.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

MARTINS, Joel. A pesquisa qualitativa. In: FAZENDA, Ivani (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2000, p. 47-58.

MARX, Karl. O capital: Resumo literal condensação dos livros 1, 2, 3. (Org.) BICALHO, Luiz Carvalho. Marília: Novos Rumos, 1983.

NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Pós-graduação e pesquisa: o processo de produção e de sistematização do conhecimento. Curitiba: Diálogo Educacional, v. 9, n. 26, 2009, p. 13-27.

SILVA, José Geraldo da; CARNEIRO, Maria Esperança Fernandes. O objeto de pesquisa e a sua fundamentação teórico-metodológica. In: ZANATTA, Beatriz Aparecida; BALDINO, José Maria; CARNEIRO, Maria Esperança Fernandes (Org.). Temas de educação V: olhares de resistência e esperança. Goiânia: Espaço acadêmico, 2019, p. 131-152.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánches. Filosofia da práxis. Tradução? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n61.20986

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional