Identidade e predileção por times de futebol entre alunos de uma escola fronteiriça (Brasil-Bolívia)

Carlo Henrique Golin, Deyvid Tenner Souza Rizzo, Alcides José Scaglia

Resumo


Assim como a escola, o fenômeno esportivo agrega elementos culturais e de identidade, considerando os diferentes contextos geográficos, ou seja, os esportes também são manifestações sociais do enredo escolar. O presente estudo investigou como alunos de diferentes culturas (brasileiros-bolivianos) retratam sua identidade nacional e assumem uma predileção por determinados times de futebol. A pesquisa é de natureza qualitativa, na qual entrevistou-se um grupo de sujeitos composto por 14 alunos de uma escola municipal de Corumbá-MS, situada próxima ao limite fronteiriço Brasil-Bolívia. Os resultados indicam que os alunos assumem, em sua maioria, uma preferência pelas equipes de futebol brasileiras, bem como revelam algum distanciamento em relação a equipes bolivianas. O processo de transformação dos costumes e das tradições se mostra complexo no âmbito dessa investigação. Assim, o processo de transformação dos costumes e das tradições é complexo no âmbito da modernidade, deste modo, considerou-se que a manifestação futebolística se expressa como um conjunto de significados que transcendem as identidades mutáveis dos alunos. Portanto, foi possível inferir que a identidade desses atores sociais é influenciada pela afiliação grupal favorável que o futebol brasileiro proporciona, especialmente quando comparado aos times de futebol boliviano.


Palavras-chave


cultura; esporte; fronteira; identidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, B. O. DE L.; SOARES, A. J. G. O futebol na construção da identidade nacional: uma análise sobre os jogos “pretos x brancos”. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 26, n. 1, p. 47–61, mar. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1807-55092012000100006.

AMARAL, C. M. DOS S.; BASTOS, F. C. Transcultural adaptation of the Sports Facilities Management Questionnaire of Peiro, Martinez-Tur and Tordera. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 31, n. 2, p. 457–477, 20 dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/1807-5509201700020457

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Schwarcz-Companhia das Letras, p. 112. 2005.

BOARETTO, J. D.; PIMENTEL, G. G. A. O esporte em terras indígenas no Paraná: elementos para uma política pública. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 31, n. 1, p. 247–257, 19 dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/1807-5509201700010247.

BOURDIEU, P. Como é possível ser esportivo? In: BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1987, p. 136–163.

BENDRATH, E. A.; BASEI, A. P. O esporte como atividade complementar curricular: uma análise a partir da teoria do capital social. EccoS – Revista Científica, n. 48, p. 219–237, 29 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n48.7509.

CAMPOS, R. H. DE F. A pesquisa em ciências humanas, ciências sociais e educação: questões éticas suscitadas pela regulamentação brasileira. Educação e Pesquisa, v. 46. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-4634202046217224.

CARRANO, P. Identidades culturais juvenis e escolas: arenas de conflitos e possibilidades. In: MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. (Org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008.

CASTELLS, M. O poder da identidade. 5.ed. tradução Klauss Brandini Gerhardt, São Paulo: Paz e Terra, 2006, p. 602.

COSTA, E. A. Mobilidade e fronteira: as territorialidades dos jovens de Corumbá, Brasil. Revista Transporte y Territorio [on-line], p. 65-86, 2013. DOI: http://revistascientificas.filo.uba.ar/index.php/rtt/article/view/304.

COUTO, H. R. F. DE. A conciliação entre a formação esportiva e a escolar: uma jogada perfeita. EccoS – Revista Científica, n. 59, p. 20667, 20 dez. 2021. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.20667.

CUNHA, M. C. Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense; EDUSP, 1986, p 174.

DAMO, A. S. Futebol e identidade social: uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

DAOLIO, J.; VELOZO, E. L. A técnica esportiva como construção cultural: implicações para a pedagogia do esporte. Pensar a Prática, v. 11, n. 1, p. 9–16, 20 mar. 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/rpp.v11i1.1794.

DÁVILA, C. et al. Interacción social al sur del collasuyu. alfarería funeraria del periodo tardío (1400-1536 dc) en la Cuenca Maipo-Mapocho. Chungará (Arica), v. 50, n. 4, p. 577–590, dez. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-73562018005002101.

DELGADO, P. et al. Caracterização dos movimentos pendulares nas regiões metropolitanas do Paraná. Caderno IPARDES - Estudos e Pesquisas, v. 3, n. 1, p. 1-24–24, 15 jul. 2013. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/ojs/index.php/cadernoipardes/article/view/616. Acesso em: 02/03/2022.

FERREIRA, A. L. P. et al. Notas sobre o campo da sociologia do esporte: o dilema da produção científica brasileira entre as ciências humanas e da saúde. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 19, n. 2, p. 251–275, 15 mar. 2013. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.33873.

FOUCHER, M. Obsessão por fronteiras. São Paulo: Radical Livros, 2009, p. 213.

GÁNDARA, N. Representations of a Territory: The Mapuche Frontier in the Enlightened Projects of the Kingdom of Chile in the Second Half of the 18th Century. Historia Crítica, n. 59, p. 61–80, mar. 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.7440/histcrit59.2016.04.

GIDDENS, A. Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008, p. 743.

GUTIERREZ, G. L. et al. Apropriação das ciências humanas pela Educação Física: análise dos processos de classificação no Brasil entre os anos de 2007 e 2012. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 30, n. 4, p. 937–949, dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-55092016000400937.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed., Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 102.

HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. T. D. et al. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009, p. 136.

HILL, M. M. Investigação por questionário. 2 ed. Lisboa: edições silabo, 2005, p 120.

JACKSON, S. J.; ANDREWS, D. L. Sport, culture and advertising: identities, commodities and the politics of representation. New York: Routledge, 2005, s/p.

LOPES, A. C. B.; BERCLAZ, M. S. A invisibilidade do Esporte e da Cultura como Direitos da Criança e do Adolescente. Revista Direito e Práxis, v. 10, n. 2, p. 1430–1460, jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8966/2019/40696.

MACHADO, L. O. Limites, fronteiras, redes. In: STROHAECKER, Tânia Marques et al. (Org.). Fronteiras e espaço global. -Porto Alegre: 1998, p. 41-49.

MORATO, S. S. et al. A construção do ídolo no fenômeno social futebol. Motriz, 17, p. 01-10. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2011v17n1p1.

NASCIMENTO, V. A. O processo de assimilação dos terenas: as múltiplas configurações da fricção interétnica. Revista TRIAS – Revista eletrônica online de Filosofia, História, Literatura e Ciências Sociais, v. 4, p. 1-11. 2012. Disponível em: https://silo.tips/download/o-processo-de-assimilaao-dos-terena-as-multiplas-configuraoes-da-fricao-interetn. Acesso em: 02/03/2022.

NASCIMENTO, M. J. Futebol, sociabilidade e psicologia de massas: ritos e símbolos e violência nas ruas de Goiânia. Pensar a Prática, v. 10, n. 1, p. 99–116, 27 mar. 2007.

NUNES, F. G. Migração e integração nas escolas da fronteira Brasil/Paraguai em Mato Grosso do Sul. In: PEREIRA, J. H. V.; OLIVEIRA, M. A. M. (Org.). Migração e integração: resultados de pesquisas em Mato Grosso do Sul. Dourados: UFGD, 2017, p. 75-88.

OLIVEIRA, R. C. Do índio ao bugre: o processo de assimilação dos Terena. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976, p. 168.

PACOLA, G. Esporte Escolar como fator de integração na fronteira Brasil-Bolívia: uma análise nas escolas municipais de Corumbá-MS. Dissertação (Mestrado Profissional em Estudos Fronteiriços) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus do Pantanal, Corumbá, 2021, p. 172.

PALAZZO, R. G. DE A.; JUNIOR, F. G. R. P. Percepções sobre a perpetuação do poder no futebol brasileiro: notas para uma reflexão. Humanidades & Inovação, v. 3, n. 2. 2016. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/122. Acesso em: 02/03/2022.

SANTOS, B. S. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social; Revista de Sociologia USP, S. Paulo, 5(1-2) p. 31-52, 1994.

SILVA, C. F. DA et. al. Os clubes de remo em Porto Alegre (RS) e a recomposição de fronteiras de identidades culturais. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 28, n. 3, p. 441–452, 1 set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-55092014000300441.

SIMÓN, J. A. Futebol, imprensa e identidades nacionais em Espanha, 1975-2017. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 24, n. 4, p. 1235–1248. 2018. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.81403.

SOARES, F. C. et al. “Sé7ima é o poder”: as influências de medidas institucionais nas práticas corporais e vivências de torcedores organizados. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 57, n. 1, p. 87-98. 2021. DOI: https://doi.org/10.4013/csu.2021.57.1.08.

SOBRINHO, T. M. et al. Identidade e futebol: um estudo sobre membros de uma torcida organizada. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 54, n. 1, p. 49-59. 2018. DOI: https://doi.org/10.4013/csu.2018.54.1.05.

SOUZA, J. DE; MARCHI JÚNIOR, W. Bourdieu e a sociologia do esporte. Contribuições, abrangência e desdobramentos teóricos. Tempo Social, v. 29, n. 2, p. 243–286, maio. 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.106962.

SOUZA, J. D. et al. Por uma reconstrução teórica do futebol a partir do referencial sociológico de Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 28, n. 2, p. 221–232, 1 abr. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-55092014000200221.

RIZZO, D. T. S. et al. Formação de professores e saberes sobre a identidade. In: MARTINS, B. A.; RÜCKERT, F. Q.; SANTOS, F. A. S. (Org.) Temas e práticas em educação social no estado de Mato Grosso do Sul. Curitiba, PR: CRV, 2020, p. 105-115.

TÁBOAS-PAIS, M. I. et al. O esporte como mecanismo propagandístico de identidade nacional na Espanha. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 21, n. 4, p. 985–997, 24 ago. 2015. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.52861.

TEIXEIRA, R. C. Torcidas jovens cariocas: símbolos e ritualizações. Esporte e Sociedade. Rio de Janeiro, n. 2, 01-26. 2006. Disponível em: https://periodicos.uff.br/esportesociedade/article/view/47969. Acesso em: 02/03/2022.

WACHELKE, J. F. R. et al. Mensuração da identificação com times de futebol: evidências de validade fatorial e consistência interna de duas escalas. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 60, n. 1, p. 96–111, abr. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672008000100009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02/03/2022.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n61.21748

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional