Autoformação no ensino superior: a experiência do curso de pedagogia no alto Sertão Paraibano

Maria Gerlaine Belchior Amaral, Isabel Maria Sabino de Farias

Resumo


Este texto tem o propósito de fomentar no âmbito acadêmico o debate acerca da autoformação docente. Tem-se um duplo objetivo: primeiro, elucidar os motivos históricos pelos quais a temática em apreço é quase inexistente na cultura docente brasileira. Para tanto, lança-se um olhar retrospectivo sobre o desenvolvimento do processo de escolarização do povo brasileiro, pois foram tais vivências que produziram historicamente o psiquismo o qual se manifesta na cultura docente da atualidade. Segundo, apresentar a autoformação como dimensão fundante da formação de professores. Estruturado com base em dados bibliográficos e empíricos, o estudo se apresenta como uma aproximação contextualizada ao tema. Recorreu-se a produções registradas no Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior para identificar a existência ou ausência de pesquisas sobre autoformação, bem como aos dados de experiência consolidada de elaboração e vivência de Projetos de Autoformação Docente na Educação Superior, precisamente num curso de Pedagogia no Alto Sertão Paraibano. O exame das produções acadêmicas identificadas evidenciou um volume ínfimo de pesquisas sobre autoformação (0,20%), revelando que essa dimensão da formação docente está sendo negligenciada nas práticas e currículos acadêmicos. Urge, por conseguinte, ampliar o debate em torno do assunto, de modo a favorecer a renovação do pensamento pedagógico e a construção de uma nova mentalidade de valorização do saber como dispositivo capaz de impulsionar o desenvolvimento humano nas suas múltiplas dimensões: biológicas, sociais, cognitivas, afetivas, espirituais e culturais.


Palavras-chave


autoformação docente; formação de professores; negação do saber; psiquismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.

ALMEIDA, M. C. X. Educação como aprendizagem da vida. Educar em Revista, Curitiba, n. 32, p. 43-55, 2008. Disponível em:https://www.scielo.br/j/er/a/97H53pCZzXJ4bg8Y9r9nZpN/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 18 abr. 2019.

ANANIAS, M.; SANTOS, L. R. B. M. M. “Quando o homem sabe ler, escrever e contar, póde, por sua própria individualidade, desenvolver-se e esclarecer-se”: a escolarização de crianças pobres na província da Parahyba do Norte (1855-1866). Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 10, p. 66-80, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/453/1082. Acesso em: 9 ago. 2019.

ARROYO, M. Educação básica de jovens e adultos, escola plural. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Educação, 1996.

ASSMANN, H. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendentes. Petrópolis: Vozes, 1998.

BARBOSA, J. P. S.; PACHECO, W. R. S.; AMARAL, M. G. B. Autoformação: uma prática de aperfeiçoamento da formação docente. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE JOVENS INVESTIGADORES EDIÇÃO BRASIL, 3., 2017, Fortaleza. Anais [...]. Campina Grande: Realize, 2017. p.1-8.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Mapa do analfabetismo no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2003.

FARIAS, I. M. S.et al. Didática e docência: aprendendo a profissão. 4.ed. Brasília, DF: Liber, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FREUD, S. O ego e o id. In: FREUD, S. O ego e o id e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p.11-83.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez, 2008.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. Tradução: José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2002.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais da neurociência. São Paulo: Atheneu, 2001.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução: Eloá Jacobina. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, E. (org.). A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

NÓBREGA-THERRIEN, S. M.; FARIAS, I. M. S.; SALES, J. Á. M. Abordagens quantitativas e qualitativas na pesquisa em Educação: velhas e novas mediações e compreensões. In: FARIAS, I. M. S.; NUNES, J. B. C.; NÓBREGA-THERRIEN, S. M. (org.). Pesquisa científica para iniciantes: caminhando no labirinto. Fortaleza: UECE, 2010. p.53-66.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.47, n.166, p.1106-1133, 2017.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote,1992.

PINEAU, G. Autoformação no decurso da vida. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (org.). O método (auto)biográfico e a formação: Natal: UFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 53-78.

RAMOS, M. Vida Maria. [Filme]. Produção de Márcio Ramos, direção de Márcio. Ramos. Brasil, 2006. 8,35 min. color.

RODRIGUES, M. Cultura é tudo aquilo que resulta da criação humana. 2020. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/100327486/Cultura-e-tudo-aquilo-que-resulta-da-criacao-humana. Acesso em: 25 fev. 2020.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, S. S. C.; HAMMERSCHMIDT, K. S. A.A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 65, n. 4, p. 561-565, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000400002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/rpstzdrwwxpcpqshhvmyj9c/?lang=pt. Acesso em: 6 out. 2022.

SILVA, T. T. Identidades terminais: transformações na pedagogia da política e política da pedagogia. Petrópolis: Vozes, 1996.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1982. v. 1-2.

VASCONCELOS, C. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico. 22. ed. São Paulo: Libertad, 2012.

VAILLANT, D.; GARCIA, M. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR, 2012.

VIEIRA, S. L.; FARIAS, I. M. S. História da Educação no Ceará: sobre promessas, fatos e feitos. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2002.

VIEIRA, S. L.; FARIAS, I. M. S. Política educacional no Brasil: introdução histórica. 3.ed. Brasília, DF: Liber, 2011.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n62.21794

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional