Cidade educadora e humanizadora: a redução das desigualdades e vulnerabilidades

Lúcia Helena Polleti Bettini, Ingrid Hotte Ambrogi, Rosana M.P.B. Schwartz

Resumo


O presente artigo estuda e analisa, por meio de uma abordagem interdisciplinar, a cidade educadora e humanizadora apta a promover a redução das desigualdades e das vulnerabilidades. Uma das premissas para tal discussão temática é o conceito atual da cidadania nas democracias, ou seja, o cidadão não só titular de direitos fundamentais, mas também responsável por cumprir deveres. A cidadania, dessa forma, ressurge como local de responsabilidades, fundamento do Estado Democrático de Direito e, no presente estudo, da implementação do direito à cidade, que educa e humaniza e não depende só das atuações da Administração Pública para a busca da redução das desigualdades e minoração das vulnerabilidades tão constantes e evidentes em nossas vivências. Há que se educar o cidadão para assumir um protagonismo que supera a condição passiva de quem “tem direito a ter direitos”, há inúmeros deveres para que tais direitos possam ser efetivados. Estado e cidadãos, em diversas questões não atuam orientados para a busca do bem comum, como se não reconhecessem deveres assumidos no plano interno e em pautas internacionais, em especial a Agenda 2030. Existem muitos avanços no plano das normas jurídicas e compromissos que delas decorrem, em especial a Constituição e estatutos, mas muito ainda falta para que a cidade esteja preparada para receber a todos de forma igualitária e ser um lugar que efetivamente transforma pessoas e se molda para inclusão, com especial destaque à pessoa com deficiência.


Palavras-chave


cidadania; direito à cidade; pessoa com deficiência; redução das desigualdades; vulnerabilidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ATTIÉ, Alfredo. Regime di Stato e Regime di Mercato: Diritti e Doveri nella Costruzione della Democrazia. In: DE CICCO, M. C. I Doveri nell’Era di Diritti. Napoli: Editoriale Scientifica, 2020, p. 74-93.

ATTIÉ, Alfredo. Liberdade, Dissensão, Sublevação: movimentos, sentimentos e versões da política e do direito. Ari Solon et al. “Múltiplos Olhares sobre o Direito: Homenagem aos Oitenta Anos do Professor Emérito Celso Lafer". Volume I, São Paulo: Quartier Latin, 2022.

BASTOS, Celso Ribeiro. Hermenêutica e Interpretação Constitucional. São Paulo: Celso Bastos Editor, 2002.

BETTINI, Lúcia Helena Polleti. Rádio e Televisão como Agentes Educacionais: o imperativo do Art. 221 da Constituição e a ética da responsabilidade social. Tese de Doutorado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2009.

BETTINI, Lúcia Helena Polleti. Princípio da Publicidade na Administração Pública: direito fundamental às informações públicas e a dignidade da pessoa humana. In: KIAN, Fátima Aparecida. Covid 19 Aspectos Multidisciplinares – Direito. São Paulo: Alexa Cultural, 2020.

BETTINI, Lúcia Helena Polleti. Rádio, TV e Internet na promoção da Inclusão e Acessibilidade da Pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida. In: LEITE, Flávia Piva Almeida. Direito à Inclusão e Acessibilidade. (livro eletrônico). Bauru: Psiu Editora, 2021.

CAMILO, Carlos Eduardo Nicolleti. A Teoria da Alteridade Jurídica: em busca do conceito de direito em Emmanuel Lèvinas. São Paulo: Perspectiva, 2016.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. São Paulo: Editora Atlas, 2018.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano: arte de fazer. Petrópolis: Vozes, 1988.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 2002.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2017.

FERREIRA, Pinto. Comentários à Constituição Brasileira. São Paulo: Saraiva, 1995.

GARCIA, Maria. Educação, Problema Básico da Democracia: O Estado Federal e a atuação dos Conselhos Educacionais. Revista de Direito Educacional, v.. 1, Editora Revista dos Tribunais, 2010.

HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constituição.(Die normative Kraft der Verfassung). Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991.

LOPES, Laís de Figueirêdo. Livro I Parte Geral In: LEITE, Flávia Piva Almeida; RIBEIRO, Lauro Luiz Gomes; COSTA FILHO, Waldir Macieira da. (coord.). Comentários ao Estatuto da Pessoa com Deficiência – Lei n. 13.146/2015. 2. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019. p. 35 -64.

MOREIRA, Adilson José. Pensando como um Negro: ensaio de hermenêutica jurídica. São Paulo: Editora Contracorrente, 2019.

NOHARA, Irene Patrícia. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2018.

PEREIRA, Tânia da Silva. Diálogo entre “Estatutos”: o cuidado e a tutela das vulnerabilidades. In: PEREIRA, Tânia da Silva; OLIVEIRA, Guilherme de; COLTRO, Antônio Carlos Mathias (coord.) Cuidado e Cidadania: desafios e possibilidades. Rio de Janeiro: Editora GZ, 2019. p. 585 - 612.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVA, José Afonso da. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros Editores, 2007.

SCHWARTZ, Rosana. M.P.B. Beijing, muito mais que palavras. A IV Conferência das Nações Unidas, ONU sobre as Mulheres. Curitiba, Appris, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n61.21891

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional