A “expansão” da carga horária no novo ensino médio aprofunda desigualdades escolares no estado de São Paulo

Fernando Cássio

Resumo


A Lei n. 13.415/2017 do “Novo Ensino Médio” (NEM) estabeleceu que as redes de ensino devem ofertar pelo menos 1.000 horas anuais de carga horária para o ensino médio a partir do ano de 2022. A obrigatoriedade de ofertar uma carga horária anual maior no ensino médio impacta particularmente os/as estudantes do período noturno, cuja jornada escolar é historicamente mais curta que a do período diurno. São Paulo foi o primeiro do estado do país a implementar o NEM em escala e, assim, também é o primeiro em que se observam os impactos da reforma. A partir de uma análise objetiva, abarcando a regulamentação estadual e dados relativos à expansão da carga horária no NEM da rede estadual paulista em 2022, o artigo argumenta que a “expansão” do tempo dos/as estudantes na escola – uma das grandes promessas da reforma do ensino médio desde 2016 – aprofunda as desigualdades escolares no estado de São Paulo em vez de melhorar as condições de escolarização dos/as estudantes. Na prática, a “expansão” via ensino a distância em mais de 90% das turmas ofertadas – e empregando a mesma plataforma educacional usada durante a pandemia –, produz uma nova onda de precarização da escola dos/as estudantes trabalhadores/as, dando continuidade ao sucateamento programado do ensino médio noturno que vem sendo observado na rede estadual de São Paulo nos últimos 15 anos.


Palavras-chave


desigualdades educacionais; ensino a distância; ensino médio; ensino noturno; Novo Ensino Médio

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei n. 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n. 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 25 ago. 2022.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO [MEC]; CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO [CNE]; CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA [CEB]. Resolução n. 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECEBN32018.pdf. Acesso em: 25 ago. 2022.

CÁSSIO, F. L.; CROCHIK, L.; DI PIERRO, M. C.; STOCO, S. Demanda social, planejamento e direito à educação básica: uma análise da rede estadual de ensino paulista na transição 2015-2016. Educação & Sociedade, Campinas/SP, v. 37, n. 137, p. 1089-1119, 2016. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302016167297

CÁSSIO, F.; GOULART, D. C. Itinerários formativos e ‘liberdade de escolha’: Novo Ensino Médio em São Paulo. Retratos da Escola, Brasília/DF, v. 16, n. 35, 2022a. https://doi.org/10.22420/rde.v16i35.1516

CÁSSIO, F.; GOULART, D. C. A implementação do Novo Ensino Médio nos estados: das promessas da reforma ao ensino médio nem-nem. Retratos da Escola, Brasília/DF, v. 16, n. 35, 2022b. https://doi.org/10.22420/rde.v16i35

CORTI, A. P. Ensino Médio em São Paulo: a expansão das matrículas nos anos 1990. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 41-68, 2016. https://doi.org/10.1590/2175-623655996

FERRETTI, C. J.; SILVA, M. R. Reforma do ensino médio no contexto da Medida Provisória n. 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia. Educação & Sociedade, Campinas/SP, v. 38, n. 139, p. 385-404, 2017. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302017176607

GIROTTO, E. D.; CÁSSIO, F. L. A desigualdade é a meta: implicações socioespaciais do Programa Ensino Integral na cidade de São Paulo. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 26, n. 109, 2018. https://doi.org/10.14507/epaa.26.3499

GIROTTO, E. D.; JORGE, I. F.; OLIVEIRA, J. V. P. Ensino em tempo integral e segmentação da oferta: análise dos programas ETI e PEI na rede pública estadual de São Paulo. Revista Brasileira de Educação, v. 27, e270078, 2022. https://doi.org/10.1590/S1413-24782022270078

GIROTTO, E. D.; PASSOS, F. G.; JORGE, I. F.; CARDOSO, V. A. G. Análise da dinâmica das matrículas no ensino médio na rede estadual de educação de São Paulo (2007-2018). Currículo sem Fronteiras, v. 22, e1753, 2022. http://dx.doi.org/10.35786/1645-1384.v22.1753

GOULART, D. C.; ALENCAR, F. Inova Educação na rede estadual paulista: programa empresarial para formação do novo trabalhador. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 13, n. 1, p. 337-366, 2021. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i1.43759

GOULART, D. C.; SIQUEIRA, G. D. P.; NASCIMENTO, T. F. M.; LOURENÇO, V. C. Inova Educação: leitura crítica sobre a proposta educacional dirigida à juventude paulista. São Paulo: Ação Educativa / GEPUD / Unifesp, 2021. Disponível em: https://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2021/10/RELAT%C3%93RIO-INOVA-REV-7-1.pdf. Acesso em: 25 ago. 2022.

HERNANDES, P. R. A Lei n. 13.415 e as alterações na carga horária e no currículo do Ensino Médio. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v, 28, n. 108, p. 579-598, 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-40362020002802266

REDE ESCOLA PÚBLICA E UNIVERSIDADE [REPU]. Novo Ensino Médio e indução de desigualdades escolares na rede estadual de São Paulo [Nota Técnica]. São Paulo: REPU, 02 jun. 2022. Disponível em: www.repu.com.br/notas-tecnicas. Acesso em: 20 jun. 2022.

REDE ESCOLA PÚBLICA E UNIVERSIDADE [REPU]. Sobre o Programa Ensino Integral [Nota Técnica]. 2ª ed. São Paulo: REPU, 2021. Disponível em: www.repu.com.br/notas-tecnicas. Acesso em: 25 ago. 2022.

SÃO PAULO; CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO [CEE-SP]. Deliberação CEE n. 186/2020. Fixa normas relativas ao Currículo Paulista do Ensino Médio, de acordo com a Lei 13.415/2017, para a rede estadual, rede privada e redes municipais que possuem instituições vinculadas ao Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, e dá outras providências. Disponível em: http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/textos/2020/Del%20186%202020.pdf. Acesso em: 25 ago. 2022.

SILVA, M. R. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e214130, 2018. https://doi.org/10.1590/0102-4698214130

TRAVITZKI, R.; CÁSSIO, F. L. Tamanho das classes na rede estadual paulista: a gestão da rede pública à margem das desigualdades educacionais. Educação Temática Digital, Campinas/SP, v. 19, n. esp., p. 159-183, 2017. https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647765

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – TCE-SP; DIRETORIA DE CONTAS DO GOVERNADOR. Relatório de fiscalização de natureza operacional sobre a alimentação escolar, o ensino a distância e o retorno às aulas presenciais no âmbito das ações tomadas pela Secretaria de Estado da Educação em virtude da pandemia da Covid-19 [TC n. 17124.989.20-3]. São Paulo: TCE-SP, 31 mar. 2021. (mimeo.)

VÁRIAS ENTIDADES. Carta Aberta pela revogação da reforma do ensino médio (Lei 13.415/2017). Retratos da Escola, Brasília/DF, v. 16, n. 35, 2022. https://doi.org/10.22420/rde.v16i35.1611

VOORWALD, H. J. C. A educação básica pública tem solução? São Paulo: Editora Unesp, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n62.23200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional