Reformas, privatização e política educacional: tendências e riscos atuais

Givanildo da Silva, Alex Vieira da Silva, Inalda Maria dos Santos

Resumo


As mudanças decorrentes das reformas de privatização geram conflitos em todas as dimensões sociais, políticas, econômicas, culturais e educacionais. O ensaio teórico objetiva realizar uma discussão sobre as reformas educacionais no contexto da privatização desenvolvida na política educacional. A metodologia está pautada em uma perspectiva crítico-reflexiva, por meio da abordagem qualitativa e da pesquisa bibliográfica. Como apontamentos, foi possível perceber que a globalização configurou-se em um fenômeno que contribuiu para as mudanças na sociedade, através da concepção política do neoliberalismo com ênfase na privatização; as reformas educacionais desenvolvidas ocasionaram configurações com destaque à avaliação em larga escala, à reestruturação dos profissionais da educação e à defesa da competição entre as escolas, sendo que as tendências atuais estão pautadas na lógica da mercantilização e da ausência do Estado nas políticas sociais, ocasionando riscos para a educação pública.

 

 


Palavras-chave


Privatização; Reformas educativas; Políticas educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, Theresa, et. al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de “sistemas de ensino” por municípios paulistas. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 799-818, out. 2009.

ADRIÃO, Theresa; BORGHI, Raquel; DOMICIANO, Cassia Alessandra. Educação infantil, ensino fundamental: inúmeras tendências de privatização. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 4, n. 7, p. 285-298, jul./dez. 2010.

ADRIÃO, Thereza, et. al. Grupos empresariais na educação básica pública brasileira: limites à efetivação do direito à educação. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 134, p. 113-131, jan./mar. 2016.

AZEVEDO, Janete Maria Lins de. A educação como política pública. Campinas: Autores Associados, 2004.

BALL, Stephen J. Perfomatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BARBOSA, Luciane Muniz Ribeiro. Homeschoooling no Brasil: ampliação do direito à educação ou via de privatização? Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 134, p. 153-168, jan./mar. 2016.

BARROSO, João. O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 725-751, Especial – out. 2005.

BELFIELD, Clive R.; LEVIN, Henry M. A privatização da educação: causas e implicações. Portugal: ASA Editores, 2004.

BELTRÃO, José Arlen; TAFARELL, Celí. A ofensiva dos reformadores empresariais e a resistência de quem defende a educação pública. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 587-601, jul./dez. 2017.

CHARLOT, Bernard. Educação e Globalização: uma tentativa de colocar ordem no debate. Revista de Ciências da Educação, n. 4, out/dez, 2007.

CUNHA, Luiz Antônio. O desenvolvimento meandroso da educação brasileira entre o Estado e o mercado. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, Especial, p. 809-829, out. 2007.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma "Cultura Educacional Mundial Comum" ou localizando uma "Agenda Globalmente Estruturada para a Educação"? Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, ago. 2004.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico da escola. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014.

FREITAS, Luiz Carlos de. Três teses sobre as reformas empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Revista Cadernos Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 137-153, maio-ago. 2016.

LINGARD, Bob. É e não é: Globalização vernacular, Política e Reestruturação Educacional. In: BURBULES, Nicholas C.; TORRES, Carlos Alberto (Org.). Globalização e educação: perspectivas críticas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ROBERTSON, Susan; DALE, Roger. Pesquisar a Educação em uma Era Globalizante. Educação Real, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 347-363, maio/ago. 2011.

ROSSI, Alexandre José; LUMERTZ, Juliana; PIRES, Daniela de Oliveira. As parcerias público-privadas na educação: cerceando autonomia e gestão democrática. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 557-570, jul./dez. 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Os processos de globalização. SANTOS, Boaventura de Sousa. A Globalização e as Ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, Givanildo da. O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) como mecanismo de descentralização financeira, participação e autonomia na gestão escolar. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2015. 136 f.

SILVA, Givanildo da; SILVA, Alex Vieira da; SANTOS, Inalda Maria dos. O IDEB e as políticas públicas educacionais: estratégias, efeitos e conseqüências. Revista Exitus, Santarém/PA, v. 9, n. 1, p. 258 - 285, jan./mar. 2019.

TEDESCO, Juan Carlos. Alguns aspectos da privatização educativa na América Latina. Revista Estudos Avançados, v. 12, n. 5, p. 23-44, 1991.

VERGER, Antoni. A política educacional global: conceitos e marcos teóricos chave. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 14, n. 1, jan./abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n55.8717

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.