Innovation and technologies: success factors in administration of organizations with development and competitiveness

Ilmar Polary Pereira

Abstract


Objective: This article analyzes the innovation, management technologies and the dimensions and components of technological capacity as success factors and perennity in micro and small companies and organizational excellence in public organizations.

Methodology/Approach: Data were extracted from secondary sources in the literature. In the field, the universe was of 1.700 industrial companies, 15.112 of service delivery companies, 16 hospitals and 03 universities, with stratified random samples and for accessibility. The data received statistical treatment: descriptive analysis, levene test of homogeneity of variances and variance analysis, correlation test, regression, and multiple correlation.

Originality/Relevance: Integrated sustainability administration model, as a management technology, emerges as an innovation alternative for private and public organizations, which, together with the dimensions and components of technological capacity, expands the perspectives of organizational development and market competitiveness.

Main results: In the empirical analysis, it suggests that innovation and management technologies combined with the competent dimensions of technological capacity, favor organizational development, the success and perennity of micro and small industrial and service delivery companies, and organizational excellence in public organizations.

Theoretical/methodological contributions: This study contributes to literature of innovation field, management technologies, dimensions, and components of technological capacity to academia.

Social/management contributions: The use of management technologies combined with the dimensions and components of technological capacity in micro and small industrial companies and public organizations, impacts on sustainable management and social development.


Keywords


Innovation; Technologies; Integrated sustainability administration; Micro and small companies; Public organizations.

Full Text:

PDF

References


Adizes, I. (1998). Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito? (4ª ed.). Pioneira.

Altillo. (2020). Universidades do Maranhão: listas de universidades privadas e federais/estaduais do Estado do Maranhão. https://www.altillo.com/pt/universidades/brasil/estado/maranhao.asp.

Baggio, A.F., & Baggio, D.K. (2014). Empreendedorismo: conceitos e definições. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, 1(1), 25-38.

Bell, M., & Pavitt, K. (1995). The development of technological capabilities. In I. Hague, M. Bell, C. Dahlman, S. Lall, & K. Pavitt. Trade, technology and international competitiveness, pp. 69-102. World Bank.

Dornelas, J.C.A. (2008). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa (2ª ed.). Elsevier.

Dosi, G. (2006). Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores (C.D. Slak, Trad.). Editora da Unicamp.

Drucker, P.F. (2002). Fator humano e desempenho. Pioneira Thompson Learning.

Federação das Indústrias do Estado do Maranhão [FIEMA]. (2006). Cadastro industrial de São Luís-MA. FIEMA.

Figueiredo, P.N. (2003). Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Fundação Getúlio Vargas.

Figueiredo, P.N. (2004). Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, 3(2), 323-362.

Global Entrepreneurship Monitor [GEM]. (2019). Empreendedorismo no Brasil: 2019 (S.M.S.S. Greco, Coord.). IBQP.

Greco, S.M. (2008). Entrepreneurship in Brazil. IBQP.

Greco, S.M. (2010). Entrepreneurship in Brazil. IBQP.

Hood, C. (1995). The "new public management" in the 1980s: variations on a theme. Accounting, Organizations and Society, 20(2/3), 93-109.

Ilda, I. (1984). Pequena e média empresa no Japão. Brasiliense.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2012). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. IBGE.

Junta Comercial do Maranhão [JUCEMA]. (2016). Estatístico do cadastro: microempresa e empresas de pequeno porte. SINREM.

Katz, J. (2003). The chronology and intellectual trajectory of American entrepreneurship education 1876-1999. Journal of Business Venturing, 18(2), 283-300.

Kim, L. (2005). Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico da Coreia (M.P.G.D. Rocha, Trad.). Unucamp.

Lakatos, E.M., & Marconi, M.A. (2007). Metodologia científica (7ª ed.). Atlas.

Lall, S. (1992). Technological capabilities and industrialization. World Development, 20(2), 165-186.

Lumpkin, G.T. & Dess, G.G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, 21(1), 135-172.

Lunardi, G.L., Dolci, D.B., & Dolci, P.C. (2017). Adoção de tecnologia da informação e sua relação com a gestão de negócios em micro e pequenas empresas (MPEs). Revista de Administração, 10(5), 929-948.

Mai, S., Guimarães, C.F., Silva, J.M., & Hinkel, J.H.S. (2017). O uso das tecnologias na democratização da informação em Saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 6(3), 210-218.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (4ª ed.). Bookman.

McClelland, D.C. & Winter, D.G. (1970). Como se motiva el exito economico. Unión Gráfica.

Nelson, R. & Winter, S. (2005). Uma teoria evolucionária da mudança econômica (C. Heller, Trad.). Editora da Unicamp.

Oliveira, D.L., Silva, T.F., Gouveia Neto, S.C., Porto, W.S., Zaidan, F.H. (2014). Fatores de decisão para investimento em tecnologia da informação nas micro e pequenas empresas. Gestão Contemporânea, 15, 55-86.

Paes-Paula, A.P. (2005). Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, 45(1), 36-49.

Paula, A.P.P. (2005). Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. FGV.

Penrose, E.T. (1959). The theory of growth of the firm. Brasil Black Well.

Polary, I. (2012). Gestão por sustentabilidade integrada-GSI: uma análise nas Micro, Pequenas, Médias e Grandes Empresas (MPMGEs), a partir da Literatura e da visão dos Gestores Industriais do Estado do Maranhão. Tese de Doutorado não publicada, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.

Polary, I. (2014). Gestão pública profissional e gestão com pessoas: uma alternativa de excelência organizacional viável para as organizações públicas. Projeto PIBIC-CNPQ/UEMA/FAPEMA - Ed. Nº 07/2014 não publicado. Universidade Estadual do Maranhão.

Polary, I. (2016). Gestão pública integrada: aplicação da gestão profissional empreendedora - GPE nas organizações públicas. Artigo apresentado na 18º Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente 2016, São Paulo, Brasil.

Polary, I. (2019). Gestão por Sustentabilidade Integrada - GSI: uma alternativa de gestão profissional para as organizações. Appris Editora.

Polary, I., & Silva, F. (2015). Gestão Pública Profissional e Gestão com Pessoas: uma alternativa de excelência organizacional viável para as Organizações Públicas. Relatório final do Projeto PIBIC-CNPQ/UEMA/FAPEMA - Ed. Nº 07/2014 não publicado. Universidade Estadual do Maranhão.

Polary, I., Ramos, A., Silva, Y., & Silva, A. (2016). As contribuições das tecnologias da Administração e perenidade das Micro e Pequenas Empresas-MPEs. Relatório final do projeto de extensão selecionado PIBEX - Ed. Nº 06/2015-PROEXAE/UEMA não publicado. Universidade Estadual do Maranhão.

Quivy, R., & Campenhoudt, V. L. (1995). Manual de investigação em ciências sociais (2ª ed.). Gradativa Publicações.

Schumpeter, J.A. (1934). The theory of economic development. Harvard University Press.

Secretaria Municipal de Saúde [SEMUS]. (2021). Guia de Unidades de Saúde. https://www.saoluis.ma.gov.br/semus/conteudo/1771.

Silva, W.A.C., Jesus, D.K.A., & Melo, A.A.O. (2010). Ciclo de vida das organizações: sinais de longevidade de micro e pequenas indústrias na região de Contagem-MG. Revista de Gestão, 17(3), 245-263.

Teece, D. & Pisano, G. (1994). The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, 3(3), 537-556.

Triviños, A.N.S. (2009). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas.

Ulrich, D., Smallwood, N., & Sweetman, K. (2009). O código da liderança. Best Seller.

Universidade Estadual do Maranhão [UEMA]. (2016). Plano de Desenvolvimento - PDI 2016-2020. UEMA/PROPLAN.




DOI: https://doi.org/10.5585/iji.v9i1.18400

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 International Journal of Innovation

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Internacional Journal of Innovation

e-ISSN: 2318-9975
journaliji.org

Int. J. Innov ©2021 – All rights reserved.

Is this work licensed with a License
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional