Produções curriculares e educação infantil – apostas ou garantias?

Rita de Cássia Prazeres Frangella, Maria Clara de Lima Santiago Camões, Rosalva de Cássia Rita Drummond

Resumo


O artigo tematiza a relação entre currículo e Educação Infantil, a partir da retomada de políticas curriculares desenvolvidas nas últimas décadas, problematizando a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para Educação Infantil, promulgada em 2017 e que, tal como versa o documento, insere a Educação Infantil no contexto da Educação Básica e sendo assim, como se propõe para as outras etapas, ainda que atentando para as suas especificidades, também traz a indicação de aprendizagens consideradas essenciais, numa lógica que reduz educação ao ensino. Tomamos como mote de problematização a questão do direito à aprendizagem e desenvolvimento, questão que é apresentada como justificativa mesmo da BNCC, inquirindo sobre as articulações discursivas que vão alinhando direito à aprendizagem à igualdade e que, como discutimos, desliza para um entendimento do comum como único, num caráter homogeneizante que impele ao silenciamento da diferença. Desenvolvemos a argumentação a partir de aportes pós-estruturais que se assentam na compreensão da política como produção discursiva, luta pela significação em jogos de linguagem sempre instáveis e inconclusos, em que os fechamentos são provisórios pois o trabalho da significação é fluxo ininterrupto. Discutimos a concepção de currículo que norteia as pesquisas que temos desenvolvido, tomando-o como uma enunciação cultural, que se constitui em meio a negociações com e na diferença. Assim, pomos em debate os sentidos postos quanto ao direito à aprendizagem e a definição prévia das experiências, advogando em favor de outros sentidos, na defesa da experiência como acontecimento alteritário.


Palavras-chave


BNCC; direito à aprendizagem; discurso; educação infantile; políticas curriculares

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CURRÍCULO. Documento produzido pela Associação Brasileira de Currículo (ABdC) encaminhado ao CNE no contexto das Audiências públicas sobre a BNCC. 2017. Disponível em: https://www.abdcurriculo.com.br/documentos. Acesso em mar/2019.

ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. Educação Infantil: um balanço a partir do campo das diferenças. Proposições, v.28, supl 1, 2017, p.182-203.

ABRAMOWICZ, Anete; CRUZ, Ana Cristina J; MORUZZI, Andrea B. Alguns apontamentos: a quem interessa a base nacional comum curricular para a educação infantil? Debates em Educação, Maceió, Vol. 8, nº 16, Jul./Dez. 2016, p.46-65.

BIESTA, Gert. Para Além da Aprendizagem: Educação Democrática para o futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 11.274/06. Altera a redação dos Arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o Ensino Fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, 07 fev. 2006. p.1.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, 9 dez. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 20 de abril de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente, Câmera dos Deputados, Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. 2001. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/pne.pdf.

CAMÕES, Maria Clara de Lima Santiago. O currículo como um projeto de infância: afinal o que as crianças têm a dizer? Tese (doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da UERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2019.

DERRIDA, Jacques. Força de Lei: o fundamento místico da autoridade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. 2ª Edição.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DERRIDA, Jacques. Uma certa possibilidade impossível de dizer o acontecimento. 2012. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/cerrados/article/view/8242/6240 Acesso em 02.mar.2017.

DIDONET, Vital. Entrevista realizada em 26/11/09. Disponível em: http://www.campanhaeducacao.org.br/?pg=Entrevistas. Acesso em: 03/12/18.

DRUMMOND, Rosalva de Cássia Rita. Do Direito à Educação aos Direitos de Aprendizagem: a escola sub judice. Tese - Doutorado em Educação doo Programa de Pós-Graduação da UERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2019.

FRANGELLA, Rita de Cássia. Por entre passagens: escola e currículo ou escolas e currículos? IN: FRANGELLA, Rita de Cássia (org.) Políticas curriculares, coordenação pedagógica e escola: desvios, passagens e negociações. Curitiba: Editora CRV, 2016.

LOPES, Alice. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, M.A. da S. e DOURADO, L. F. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

LOPES, Alice; CUNHA, Erika Virgílio Rodrigues da. Base Nacional Comum Curricular no Brasil: Regularidade na Dispersão. Investigación Cualitativa, 2(2), 23-35, 2017, p.23-35.

MCCOWAN, Tristan. O direito universal à educação: silêncios, riscos e possibilidades. Práxis Educativa, v.6, n1, 2011, p. 9-20.

MACEDO, Elizabeth. “A base é a base”. E o currículo é o que? In: AGUIAR, M.A. da S. e DOURADO, L. F. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, out./dez. 2014, p. 1530-1555.

MACEDO, Elizabeth. Relações macro/micro na pesquisa em currículo. Cadernos de Pesquisa. Campinas, v.36, n.129, set./dez. 2006, p. 619-635.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.13657

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional