Decálogo da escola como espaço de proteção social: consolidando a função social da escola como espaço democratizante

Émina Márcia Nery dos Santos, Francisco Willams Campos Lima, Cassio Vale

Resumo


Neste artigo, sistematizo elementos estruturantes da escola como ambiente que se consolida como espaço de proteção, relevando que, somente em um espaço no qual se valoriza a diversidade como condição de se constituir como formativo, pode-se empoderar crianças e adolescentes, transformando-os em sujeitos de direitos e protagonistas de sua própria história. O texto objetiva reafirmar a premissa de se educar em Direitos Humanos, como condição para o fortalecimento de relações sociais democráticas, fundamento que ressignifica a função social da escola. Neste aspecto, ao se firmar como espaço institucional onde se formam valores para a convivência democrática a partir dos Direitos Humanos, o ambiente escolar se referencia como lugar educativo e não somente como o lugar instrutivo e o faz potencializando culturas, recriando e reposicionando saberes, encorajando posições políticas plurais, efetivando direitos, respeitando o estranho, ampliando acidadania e valorizando cada um e cada uma a partir de seus interesses, desejos e necessidades. Defendo, portanto, a tese, a partir da realização desse estudo bibliográfico, em torno da qual a escola, como instituição política e contraditória, pode se assentar como um lugar privilegiado para toda essa complexa formação, consubstanciando valores que possibilitem a legitimação de outro papel social para essa instituição, contrariando o paradigma racional atual de educação ameaçadora da emergência do sujeito, com todo o seu potencial criativo.


 


Palavras-chave


Educação em direitos humanos; Escola como espaço protetivo de direitos; Escola e democracia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. Petrópolis, Vozes, 1998.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Senado Federal, Brasília; 1996.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Secretaria Especial dos Direitos Humanos – SEDH/PR, 2007.

BRZEZINSKI, Iria. Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 105, set./dez., p.1139-1166, 2008.

CAMPBELL, Selma Inês. Projeto político-pedagógico: guia prático. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2010.

CASTRO, Adriana D.; LOPES, Roseli Esquerdo. A escola de tempo integral: desafios e possibilidades. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 71, abr./jun., 2011. p. 259-282.

CUNHA, Luis Antonio. A educação brasileira na primeira onda laica: do Império à República. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2017.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A gestão democrática na escola e o direito à educação. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 23, set./dez., p. 483-495, 2005.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. Editora Saraiva, 33ª edição, 2016.

ESTÉVÃO, Carlos V. Educação, justiça e democracia: um estudo sobre as geografías da justiça em educação. São Paulo, Cortez, 2004.

FERRY, G. Le trajet de la formacion. Paris: Dunod, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GALIAN, Cláudia Valentina; SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira. Educação em tempo integral: implicações para o currículo da escola básica. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, maio/ago., 2012. p. 403-422.

GENTILLI, Pablo; OLIVEIRA, Dalila. A procura da igualdade: dez anos de política educacional no Brasil. In: SADER, Emir (Org.). Lula e Dilma: 10 anos de governos pós-neoliberais. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 253-262.

GUARÁ, I. M. R. É imprescindível educar integralmente. Cadernos CENPEC, São Paulo, v. 1, n. 2, jul/dez, 2006. p.15-24.

LIMA, Max Fernando Silva; SILVEIRA, Rosa Maria Godoy. Educação em/para os direitos humanos: justificando os porquês. In: RECHEMBACH, Fabiana; ANDRADE, Fernando César Bezerra. Educação em Direitos Humanos: construindo políticas públicas. Curitiba: Editora CRV, 2016. p. 45-58.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Ciência & Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente Brasília, 2000.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). A nova pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

POCHMANN, Márcio. Políticas Públicas e situação social na primeira década do século XXI. In: SADER, Emi (Org.). Lula e Dilma: 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 145-156.

PRÁ, Jussara Reis. Políticas Públicas, Direitos Humanos e Capital Social. In: BAQUERO, Marcello; CREMONESE, Dejalma. Capital Social: Teoria e Prática. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006. p. 275-297.

PUTNAM, Robert D. Comunidade e democracia: a experiencia da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

RAYO, José Tuvilla. Educação em Direitos Humanos: ruma a uma perspectiva global. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SILVA, Maria Salete. Democracia e Sujeito: uma relação indissociável na obra de Alain Touraine. Revista Emancipação, Ponta Grossa, v. 8, n., p. 21-34, 2008.

TOURAINE, Alain. Critique de la modernité. Paris: Fayard, 1992.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994.

TOURAINE, Alain. O que é a democracia? 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

TOURAINE, Alain. Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. Petrópolis: Vozes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n54.8338

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.