A contribuição dos influenciadores digitais para cocriação de valor em marcas de moda

Christian Schünke, Juliana Alves Andretta, Dusan Schreiber, Serje Schmidt, Sandra Portella Montardo

Resumo


Objetivo: Este artigo tem como objetivo entender de que forma os influenciadores digitais podem contribuir para a cocriação de valor entre marcas de moda e seu consumidor.

Método: Este estudo caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa e descritiva, onde a coleta de dados foi realizada através de um questionário aberto com três pequenas empresas da indústria da moda do Rio Grande do Sul.

Originalidade/Relevância: As teorias analisadas possuem relevância nos estudos sobre a cocriação de valor. A principal originalidade desta pesquisa está no campo empírico em que foi desenvolvida: entre influenciadores digitais e marcas de moda.

Resultados: Percebe-se que o influenciador pode assumir um papel importante no relacionamento entre a empresa e o público, proporcionando uma aproximação entre as partes e resultando na cocriação de valor junto à marca. Assim como entende-se que o influenciador exerce função de ator na construção da imagem da marca, ao passo que o influenciador comunica a marca através do seu próprio contexto, posicionando-a mais próxima à realidade do cliente através das experiências virtuais.

Contribuições teóricas: Este estudo oferece um avanço teórico ao apontar que o conceito de cocriação de valor também pode ser aplicado na relação entre entre influenciadores digitais e marcas de moda.


Palavras-chave


Moda; Influenciadores Digitais; Cocriação de Valor

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Anderson, C. (2006). A cauda longa. Rio de Janeiro: Campus.

Arruda Filho, E. J. M., Santos, A. J. C. d. & Brito, E. P. Z. (2015). Technology Consumer

Behaviour: A Study of Hedonic/Utilitarian Preference via Virtual Space. International Journal of Business Information Systems, v. 20, n. 4.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bonazzi, F. L. Z. & Moises, A. Z. (2014). Inovação e Modelo de Negócio: um estudo de caso sobre a integração do Funil de Inovação e o Modelo Canvas. R. bras. Gest. Neg., São Paulo, v. 16, n. 53, p. 616-637, out./dez.

Braga, G. C. & Coelho, M. F. (2018). Marketing Digital: Estratégias de Blogueiras de Moda. Marketing & Tourism Review, v. 3, n. 2.

Calanca, D. (2008). História Social da Moda. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Caldas, D. (2006). Observatório de sinais: teoria e prática da pesquisa de tendências. Rio de Janeiro: SENAC.

Dietrich, J. F., Brasil, V. S. & Frio, R. S. (2013). O processo de cocriação de valor entre empresas e consumidores: uma análise comparativa de dois casos da indústria de bens de consumo. RAIMED - Revista de Administração IMED, 3(3), p. 221-238

Faux, D. S. (2000). Beleza do século. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Csac Naify.

Freberg, K., Graham, K., Mcgaughey, K. & Freberg, L. (2010). Who are the social media influencers? A study of public perceptions of personality. Public Relations Review, 37 (1), 90-92.

Frow, P. & Payne, A. (2011). A stakeholder perspective of the value proposition concept. European Journal of Marketing, v. 45, n. 1/2, p. 223-240.

Gebauer, H., Johnson, M. & Enquist, B. (2010). Value co-creation as a determinant of success in public transport services. Managing Service Quality, v. 20, n. 6, p. 511-530.

Glucksman, M. (2017). The Rise of Social Media Influencer Marketing on Lifestyle Branding: A Case Study of Lucie Fink. Elon Journal of Undergraduate Research in Communications, 8(2) pp. 77-87.

Gummesson, E. (2008). Extending the service-dominant logic: from customer centricity to balanced centricity. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 36, n. 1, p. 15-17.

Ishida, G. (2018). Métodos para identificação e características de influenciadores em mídias sociais. In: Silva, T.; Buckstegge, J.; Rogedo, P. Estudando cultura e comunicação com mídias sociais. Brasília: IBPAD.

Jenkins, H., Green, J. & Ford, S. (2014). Cultura da conexão. Criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph.

Karhawi, I. (2016). Influenciadores digitais: o Eu como mercadoria. In: Corrêa, E. S. & Silveira, S.C. (Orgs.). Tendências em Comunicação Digital. São Paulo: ECA-USP.

Karhawi, I. (2017). Influenciadores digitais: conceitos e práticas em discussão. In: Abrapcorp – Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas, XI, 2017, Belo Horizonte. Anais do XI Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas: Comunicação e Poder Organizacional: enfrentamentos discursivos, políticos e estratégicos. Minas Gerais: Abrapcorp.

Kotler, P. (2000). Administração de Marketing. 10ª Edição, 7ª reimpressão. Tradução Bazán Tecnologia e Lingüística. São Paulo: Prentice Hall.

Lincoln, J. (2016). Digital influencer: a guide to achieving influencer status online (1º Edição). United States: CreateSpace Independent Publishing Platform.

Lins, S. L. B., Weiler, K. L., Pereira, R. C. F. & Beck, C. G. (2017). O Comportamento de Consumo de Tecnologias Digitais pelo Público Feminino. Revista de Administração da UFSM, v. 10, n. 6, p. 956-975.

Lipovetsky, G. (2009). O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Tradução Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia de Letras, 294 p.

Millspaugh, J. & Kent, A. (2016). Co-creation and the development of SME designer fashion enterprises. Journal of Fashion Marketing and Management. Vol. 20, No. 3, pp. 322-338.

Nogueira, C. C. V., Ferreira, D. O. & Arruda Filho, E. J. M. (2018). A influência dos blogs de moda no processo de decisão de compra do consumidor feminino. CONTEXTUS Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 16, n. 1, p. 32-61.

Parker, G., Van Alstyne, M. & Houdary, S.P. (2016). Platform Revolution. How networked markets are transforming the economy and how to make them work for you. New York: W. W. Norton Company.

Patel, D. (2017). How To Use Instagram Analytics To Create A Better Customer Experience. Forbes. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/deeppatel/2017/07/11/how-touse-Instagram-analytics-to-create-a-better-customer-experience/2/#1a94198535d9. Acesso em 10 dez. 2018.

Pedroni, M. (2015). “Stumbling on the heels of my blog”: Career, forms of capital, and strategies in the (Sub)Field of Fashion Blogging. Fashion Theory, v. 19, n. 2, 179-199.

Pires, D. (2010). Design de Moda: olhares diversos. São Paulo: Estação das Letras e Cores Editora, 423 p.

Piza, M. V. (2016). Processos de influências sociais no ambiente online: análise da youtuber Jout Jout. Dissertação de Mestrado em Sociologia - Universidade de Brasília, Brasília.

Prahalad, C. K. & Krishnan, M. S. (2008). A nova era da inovação. Rio de Janeiro, RJ: Campus, 242 p.

Prahalad, C. K. & Ramaswamy, V. (2004). O Futuro da competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parceria com os clientes. Rio de Janeiro, RJ: Campus, 303 p.

Primo, A. (2007). O aspecto relacional das interações na Web 2.0. In: E-Compós.

Prodanov, C. & Freitas, E. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale.

Quero, M. J. & Ventura, R. (2015). The role of balanced centricity in the Spanish creative industries adopting a crowd-funding organisational model. Journal of Service Theory and Practice, v. 25, n. 2, p. 122–139.

Ramaswamy, V. & Ozcan, K. (2018). What is co-creation? An interactional creation framework and its implications for value creation. 0148-2963/ © 2017 Elsevier Inc. All rights reserved. Journal of Business Research 84, p. 196–205.

Rigueiral, C. & Rigueiral, F. (2002). Design & Moda: Como agregar valor e diferenciar sua confecção. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas; Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 198 p.

Saarijärvi, H., Kannan, P. K. & Kuusela, H. (2013). Value co-creation: theoretical approaches and practical implications. European Business Review Vol. 25 No. 1, pp. 6-19.

Sayeg, C. M. & Dix, L. T. (2015). Gerência de Produtos de Moda. São Paulo: Estação das Letras e Cores; Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio de Janeiro, 215 p.

Seivewright, S. (2009). Pesquisa e design. Porto Alegre, RS: Bookman, 175 p.

Shirky, C. A. (2011). Cultura da participação. Criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar.

Silva, M. J. de B., Farias, S. A., de Grigg, M. K. & Barbosa, M. de L. A. (2020) Online Engagement and the Role of Digital Influencers in Product Endorsement on Instagram, Journal of Relationship Marketing, 19:2, 133-163.

Silva, M. de & Wright, M. (2019). Entrepreneurial co-creation: societal impact through open innovation. R&D Management 49, 3, p. 318-342.

Silveira, S. & Morisso, J. G. (2018) O uso de algoritmos na mídia programática. In: Revista

Parágrafo, São Paulo, Brasil, v. 6, n. 1, p. 71-82, jan./abr.

Simmel, G. (2014). Filosofia da moda. Lisboa, Portugal: Edições Texto & Grafia.

Sorger, R. & Udale, J. (2009). Fundamentos de Design de Moda. Porto Alegre: Bookman, 176 p.

Srniceck, N. (2018). Platform Capitalism. Cambridge, UK: Polity Press.

Terra, C. F. (2010). Usuário-mídia: a relação entre a comunicação organizacional e o conteúdo gerado pelo internauta nas mídias sociais. 2010. Tese (Doutorado) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Treptow, D. (2013). Inventando Moda: Planejamento de Coleção. São Paulo: Edição da Autora, 208 p.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Van Dijck, J., Poell, T & de Waal, M. (2018). The platform society: Public values in a connective world. Oxford: Oxford University Press.

Van Dijck, J. (2017). Foreword. In: Schäfer, M. T. & Es, K. V. (Ed.) The datafied society. Studying Culture through data. Amsterdam: Amsterdam University Press.

Vargo, S. L. (2011). Market Systems, stakeholders and value propositions. Towards a service-dominant logic - based theory of the market. European Journal of Marketing, Vol. 45. n 1/2, p. 217-222.

Vargo, S. L. & Lusch, R. F. (2008). Service-dominant logic: continuing the evolution. Journal of the Academy of Marketing Science [S.I.], v. 36, n. 1, p. 1-10

Vargo, S. L., Maglio, P.P. & Akaka, M. A. (2008). On value and value co-creation: A service systems and service logic perspective. European Management Journal, 26, p. 145– 152.

Vargo, S. L. & Lusch, R. F. (2004). Evolving to a New Dominant Logic for Marketing. Journal of Marketing [S.I.], v. 68, n. 1, p. 1-17.

Vaz, C. A. (2011). Os 8 Ps do Marketing Digital: o seu guia estratégico de marketing digital. São Paulo: Novatec Editora.

Weinswig, D. (2016). Influencers Are The New Brands. Forbes. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v20i2.13865

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Brasileira de Marketing – Remark

Revista Brasileira de Marketing – ReMark

Brazilian Journal of Marketing - BJM

e-ISSN: 2177-5184
https://periodicos.uninove.br/remark

Rev. Bras. Mark. - ReMark ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional