Estudo exploratório para implementação de um espaço maker

Estela Aparecida Oliveira Vieira, Ronei Ximenes Martins

Resumo


A era digital traz uma infinidade de possibilidades de acesso a informações e nos leva a questionar: como a escola se adaptará às novas demandas por aprendizado em um mundo tão rápido e desafiador? A partir deste questionamento, ao longo de dez meses um grupo de pesquisadores de uma universidade pública concebeu uma proposta de espaço maker (e-lab) para estudantes do ensino fundamental, como espaço de integração entre investigação e aprendizagem. Este relato tem por objetivo apresentar o trabalho de organização desse espaço e seus resultados preliminares. A metodologia aplicada para reunião dos dados foi a observação participante, bem como a utilização de cadernos de campo e atas de reuniões. Nas discussões, os elementos didáticos pedagógicos ressaltados foram: avaliação diagnóstica para planejar, organizar, acompanhar e avaliar atividades; atuação dos educadores em dois grupos: tutoria-coaching e tutoria-andaime com base na pedagogia por projetos e problematização; trabalho com a reciprocidade educativa a partir de valores éticos e respeito pelas diferenças, por exemplo, a diferença de idade. A criação do e-lab abrangeu aspectos técnicos, estruturais e didático-pedagógicos, mas como é proposta em implantação, será no curso da atividade, ou seja, na implementação e execução das atividades, que será possível avaliar e ajustar as metas.


Palavras-chave


Educação maker; Educação 4.0; Metodologias de aprendizagem; Ensino fundamental; Base Nacional Comum Curricular.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. 1ª ed. Rio de Janeiro: J. Zahar Ed., 2001

BRASIL. Ministério da Educação. Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. 3a versão revista. Brasília, DF: MEC/SEB, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em 20 out. 2018.

Bruner, J. Vygotsky: a historical and conceptual perspective. In Wertsch, J. V. (Ed.) Culture, Communication and Cognition: Vigotskian Perspectives. Cambridge: Cambridge University Press. 1985.

CARLOS, Philippe de. Le savoir historique à l'épreuve des représentations sociales: l'exemple de la préhistoire et de Cro-Magnon chez les élèves de cycle 3. Tese de Doutorado. Sciences de l'éducation, Université de Cergy-Pontoise, França. 2015.

BORGES, M.C et al. Aprendizado baseado em problemas. Medicina, (Online), Ribeirão Preto. v. 47, n. 3, p. 301-307, 2014.

CHEVALLARD, Yves. Les processus de transposition didactique et leur théorisation, Contribution. In: ARSAC G. et al. (éds), La transposition didactique à l’épreuve. La Pensée sauvage, Grenoble, p. 135-180, 1994.

CHEVALLARD, Yves. Pourquoi la transposition didactique? Actes du Séminaire de didactique et de pédagogie des mathématiques de l’IMAG, Université scientifique et médicale de Grenoble. p. 167-194, 1982.

ECDL Foundation. La falacia del “nativo digital” ¿Por qué los jóvenes necesitan desarrollar sus habilidades digitales? EDUTEKA. Universidad Veracruzana. Documento elaborado por la ECDL Foundation y publicado en el portal Eduteka con autorización de ICDL Colombia. Acessado em: 29 de novembro de 2017. Disponível em: https://www.uv.mx/blogs/sea/2016/04/26/la-falacia-del-nativo-digital-por-que-los-jovenes-necesitan-desarrollar-sus-habilidades-digitales/

IMD. International institute for management development. World competitiveness digital ranking 2019. World Competitiveness Center. Country profile, 2019. Acessado em 10 de janeiro de 2019. Disponível em; https://www.imd.org/wcc/world-competitiveness-center-rankings/countries-profiles/

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica - 5. ed. - São Paulo : Atlas 2003.

MÓNICO, L. et al. A Observação Participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. CIAIQ : Atas - Investigação Qualitativa em Ciências Sociais 2017, v. 3, 2017. Disponível em: < https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1447>. Acessado em 20 de agosto de 2019.

MORAN, J. Como transformar nossas escolas: novas formas de ensinar a alunos sempre conectados. In: CARVALHO, M. (Org). Educação 3.0: Novas perspectivas para o Ensino. Porto Alegre, Sinepe/RS/Unisinos, 2017.

PERRENOUD, Philippe. Construir as Competências desde a Escola. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

PERRENOUD, Philippe et al. As Competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PRESTES, Zoia Ribeiro. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil-repercussões no campo educacional. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, 2010.

RICARDO, Elio Carlos. A discussion about learning competences: problems and alternatives. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 140, p. 605-628, maio/ago. 2010.

SBC. Sociedade Brasileira de Computação. Diretrizes para ensino de Computação na Educação Básica. Ensino de Computação na Educação Básica. Sociedade Brasileira de Computação. Disponível em: http://www.sbc.org.br/documentos-da-sbc/send/203-educacao-basica/1220-bncc- em-itinerario-informativo-computacao-2. Acessado em 8 de março de 2019.

VIEIRA, Estela Aparecida Oliveira; MARTINS, Ronei Ximenes. Formação do agir docente e o uso das metodologias ativas apoiadas nas tecnologias digitais. In: IV Congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior. Belo Horizonte. 2018. Disponível em: . Acessado em 4 junho de 2019.

VIGOTSKY, L.S., e LURIA, A.R. Estudos sobre a História do Comportamento: Símios, Homem Primitivo e Criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16563

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.