Conquistas e retrocessos do direito à educação: nas legislações e propostas de formação de professores

Adriana Cabral Pereira de Araujo, Vania Finholdt Angelo Leite

Resumo


O ensaio analisa as legislações brasileiras a partir de 1988, as propostas de formação de professores verificando em que medida elas respeitam a criança como sujeito de direitos. Para tal, o córpus de análise foi composto pelas legislações (Constituição Federal de 1988; Lei nº 9.394/1996; PNE 2014-2024; EC nº 95/2016), pelo Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil; Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil e o programa Proinfantil. Por meio da análise percebemos que houveram avanços do direito da criança na Constituição Federal de 1988 pela obrigatoriedade e gratuidade da educação, assim como na lei 9.394/1996 que definiu a Educação Infantil como primeira etapa da educação básica. Notamos, ainda, que a proposta do Proinfantil respeita a criança e seus direitos, ao propor práticas pedagógicas que incluam, ouçam e respeitem a criança, como ser participativo, ativo, criativo, produtor de culturas, reconhecendo-a como atores sociais de pleno direito.


Palavras-chave


Direito a educação; Formação de professores; Infâncias.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, ANETE; DE OLIVEIRA, FABIANA. Políticas públicas e direitos das crianças: uma reflexão a partir da perspectiva étnico-racial. Zero-a-seis (FLORIANÓPOLIS), v. 19, p. 290-307, 2017.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Avaliação das políticas de educação infantil no Brasil: avanços e retrocessos. Revista Zero-a-seis, Santa Catarina, v. 19, n. 36 p.206-222, jul/dez, 2017.

BALL, Stephen. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal. Ano V. v15, n.002, p-3-23, 2002.

BALL, Stephen, MAGUIRE, Meg, BRAUN, Annette. How schools do policy: policy enactments in secondary schools. Oxon: Routledge, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal,1988.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda Constitucional n. 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos art. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília: 2006.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda Constitucional n.95 de 15 dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília: 2016.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9394.htm Acesso em: 09 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 12.796 de 04 de abril de 2013. Altera a Lei 9394/96 que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília/DF: 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Parecer CEB nº. 022/98 aprovado em 17 de dezembro de 1998. Brasília, DF, 1998. Disponível em: www.mec.gov.br/cne/pdf/CEB22 1998.pdf. Acesso em: 09 jun. 2018.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Referenciais para formação de Professores. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: 1999.

BRASIL. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: 2001.

BRASIL. Proinfantil: Programa de Formação Inicial para Professores em Exercício na Educação Infantil: diretrizes gerais / Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2005.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Brasília: MEC/SEF, 2009.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: 2014.

BRASIL. Censo Escolar da Educação Básica 2016. Notas Estatísticas. Brasília: INEP, 2017.

CURY, C. R. J. A educação infantil como direito. In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Subsídios para credenciamento e funcionamento de instituições de educação infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1998. v. 2.

DIAS, Rosanne Evangelista; LOPES, Alice Casimiro. Competências na formação de professores no Brasil: o que (não) há de novo. Educação e Sociedade. Campinas, vol 24, n.85, p. 1155-1177, dez. 2003.

GATTI, Bernadete. Formação de professores no Brasil: características e problemas.

Educação e Sociedade. Campinas, vol.31, n.113, p.1355-1379, out/dez. 2010.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A pré-escola na república. Pro-Posições, Campinas, SP, v.1, n. 3(03), p. 55-56, dez. 1990.

MARCÍLIO, Maria Luiza. A roda dos expostos e a criança abandonada na História do Brasil. 1726-1950. In: FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 1997.

MONÇÃO, Maria Aparecida Guedes. Cenas do cotidiano na educação infantil: desafios da integração entre cuidado e educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 161-176, jan./mar. 2017.

Observatório do PNE. Disponível em: http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/1-educacao-infantil/indicadores. Acesso em: 06 05 2018.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor Reflexivo: construindo uma crítica.IN: Pimenta, Selma; GHEDIN, Evandro (org). Professor Reflexivo no Brasil: gênese de um conceito. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

PNE em movimento. Situação das Metas dos planos. [online]. Disponível em: http://simec.mec.gov.br/pde/graficopne.php. Acesso em: 20 jul. 2018.

ROSEMBERG, Fúlvia; MARIANO, CARMEM LÚCIA SUSSEL. A convenção internacional sobre os direitos da criança: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, p.693-728, set./dez. 2010.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. (org.) Visibilidade social e estudo social da infância. A Infância (In) visível. Araraquara/SP: Junqueira e Marin, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 91, p. 361-378, Mai./Ago. 2005.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médica Sul, 2000.

SHIROMA, Eneida Oto; EVANGELISTA, Olinda. A colonização da utopia nos discursos sobre profissionalização docente. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 02, p. 525-545, jul./dez. 2004. Disponível em: http://www.ced.ufsc.br/nucleos/nup/perspectivas.html. Acesso em: 20 mar. 2018.

TARDIF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: Saberes docentes e formação profissional. 4a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VIEIRA, Isabela. Defensoria Pública pedirá multa por alunos fora da creche e pré-escola no Rio. Agência Brasil, Rio de Janeiro, s/p, 20 jan. 2018. Disponível em:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2018-01/defensoria-publica-exigira-multa-por-alunos-fora-da-pre-escola-e-creche-no . Acesso em: 20 abr. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16914

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.