Formação de professores nas ilhas portuguesas Madeira e Açores: estratégias para o ensino remoto em tempos da COVID-19

Fernanda Araujo Coutinho Campos, Rute Pereira

Resumo


Em tempos de Covid-19 experienciamos, por meio de um curso de formação de professores, elementos que facilitam a compreensão do que foi a adaptação das práticas educativas na educação básica. A forma de ensinar remotamente foi um processo que produziu no fazer docente modificações substanciais com relação ao uso das tecnologias e a sua aplicação nas metodologias de ensino. Foram necessárias reflexões e análises sobre as percepções vinculadas ao processo de ensino e aprendizagem remoto, utilizando tecnologias. Como foram definidas as estratégias pedagógicas docente na adaptação ao ensino remoto? Quais as práticas que foram desenvolvidas? A metodologia de pesquisa utilizada foi a qualitativa, com construções fundamentadas que comprovaram a cientificidade do trabalho. Os resultados destacam características e elementos do panorama de trabalho, com o ensino remoto emergencial facilitando reflexões e pontuando indicativos para a melhoria do que foi realizado a partir dos referenciais da área da educação a distância.


Palavras-chave


Ensino e aprendizagem; Docência online; Formação de professores; Estratégias de ensino; Ensino remoto

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2017. Disponível: https://bit.ly/3eYKQGN. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. ENEM 2020 inscrições, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=apufjiGlIY0. Acesso em: 29 jun. 2020.

CANECO, Cássia; TAVARES, Jessica; MEDINA, Graciela. Quem tem o direito de sonhar um futuro pós-pandemia no Brasil? Nexo, 15 mai. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3eNPDdJ. Acesso em: 25 jun. 2020.

CARDOSO, Ivanilda Amado. Por que a o COVID-19 nos obriga a repensar a nossa concepção de educação? Portal GELEDES, 8 de mai. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3ihJYPi.Acesso em: 24 jun. 2020.

COSTA, Ligia Maria Cantarino da; MERCHAN-HAMANN, Edgar. Pandemias de influenza e a estrutura sanitária brasileira: breve histórico e caracterização dos cenários. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 7, n. 1, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2YMuBXv. Acesso em: 26 jun. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34/Universidade Cândido Mendes, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: História: coleção para todos. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2013.

INSTITUTO UNIBANCO. Observatório de Educação do Ensino Médio e Gestão. Educação em Número: Desigualdade Racial. Disponível em: https://bit.ly/2NJVCV4. Acesso em: 20 jun. 2020.

KALCKMANN, Suzana et al . Racismo institucional: um desafio para a eqüidade no SUS?. Saúde soc., São Paulo , v. 16, n. 2, p. 146-155, 2007 . Disponível em: https://bit.ly/38eMOA1. Acesso em: 24 jun. 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano. Cobogó: Rio de Janeiro, 2019.

MIGNOLO, Walter; PINTO, Júlio Roberto de Souza. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, v. 15, n. 3, 2015.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 32, n. 94, 2017.

NOGUEIRA, Fernanda. Pandemia de coronavírus deve piorar desigualdade racial no Ensino Médio. Porvir.org, 19 mai. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3ii31sH. Acesso em: 27 jun. 2020.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. Opção decolonial e antirracismo na educação em tempos neofascistas. Revista da ABPN, v. 12, n. 32, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3eNpWdx. Acesso em: 29 jun. 2020.

PALHARES, Isabela. Escolas temem que adultos abandonem estudos após pandemia do coronavírus. Jornal folha de São Paulo, 2 jun. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2020/06/escolas-temem-que-adultos-abandonem-estudos-apos-pandemia-do-coronavirus.shtml. Acesso em: 25 jun. 2020.

PEREIRA, Amilcar. O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas/FAPERJ, 2013.

SANTANA, Irapuã. Por que negros morrem mais: o racismo institucional no acesso à saúde. Nexo, 12 mai. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3dSX16F. Acesso em: 29 jun. 2020.

TUON, Ligia. Negros pediram mais auxílio emergencial, mas brancos tiveram maior sucesso. Revista exame, 17 jun. 2020. Disponível em: https://exame.com/brasil/negros-pediram-mais-auxilio-emergencial-mas-brancos-tiveram-maior-sucesso/. Acesso em: 29 jun. 2020.

ZANLORENSSI, Gabriel; GOMES, Lucas. A distribuição do auxílio emergencial por condição e por estado. Nexo, 24 jun. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3dLwdFd. Acesso em: 29 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18823

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.