Do senso comum à qualificação profissional: a construção da docência de bebês

Marilda Capitulina Costa Salgado, Marta Regina Paulo da Silva

Resumo


Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada com educadoras de bebês em um município da Região do Grande ABC Paulista/SP. No intuito de compreender como essas educadoras vêm constituindo sua identidade profissional, utilizou-se como procedimentos metodológicos relatos orais, fontes iconográficas e documentais. Os resultados revelaram que, nos primeiros anos, o modelo de atendimento nos berçários era, exclusivamente, assistencialista. A qualificação das profissionais se deu por meio da iniciativa das gestoras responsáveis pelas instituições, uma vez que não havia profissionais com experiência e conhecimento para atuar com bebês. Diante das demandas que surgiam no dia a dia, as educadoras foram construindo suas práticas, com base em conhecimentos de senso comum e também naqueles construídos em ações formativas desenvolvidas por diretoras e professoras das próprias unidades educacionais que buscavam referenciais teóricos para qualificar o trabalho. É possível afirmar que a creche procurava construir sua própria identidade.


Palavras-chave


identidade professional; formação docente; relatos orais; docência de bebês

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. C. S. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – PERSPECTIVAS ATUAIS, 1. 2010, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: 2010. p. 1-17. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7154-2-2-artigo-mec-acao-pedagogica-bebes-m-carmem/file. Acesso em: 01 jun. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Planalto, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 15 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009.

CAMPOS, M. C. S. de S. A associação da fotografia aos relatos orais na reconstrução histórico-sociológica da memória familiar. In: LANG, A. B. da S. G. (org.). Reflexões sobre a pesquisa sociológica. São Paulo: CERU, 1999. p. 73-86.

CHOKLER, M. H. La aventura dialógica de la infancia. Buenos Aires: Ediciones Cinco, 2017. p. 45-73.

DEMARTINI, Z. de B. F. Algumas anotações sobre história de vida e a prática de pesquisa em educação. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 15, n. 31, p. 229-247, jul./dez. 2013. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v15i31.2337. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/2337. Acesso em: 5 fev. 2021.

DEMARTINI, Z. de B. F. Memórias que interrogam: formação e atuação docente. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS: EDUNEB, 2016. p. 279-296.

DUBAR, C. A. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

KUHLMANN JÚNIOR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre, 1998.

LUCENA, C. T. Relembranças e representações de populações migrantes: entre a oralidade e a imagem. In: LANG, A. B. da S. G. (org.). Desafios em ciências sociais. São Paulo: CERU, 2001. p. 113-137.

MALAGUZZI, L. História, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 59-104.

NÓVOA, A. A formação tem que passar por aqui: as histórias de vida no projeto Prosálus. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 107-129.

SALGADO, M. C. C. Educadoras de bebês: desafios na construção da identidade profissional. 2018. 246 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Municipal de São Caetano do Sul – USCS, São Caetano do Sul, 2018. Disponível em: www.uscs.edu.br/pos-stricto-sensu/ppge/mestrado-profissional-em-educacao/acervo/2018/TRABALHO_FINAL_MARILDA_CAPITULINA_COSTA_SALGADO.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

SARMENTO, T. Infâncias e crianças. In: PASSEGGI, M. da C.; FURLANETO, E. C.; PALMA, R. C. D. (orgs.). Pesquisa (auto)biográfica, infâncias, escola e diálogos intergeracionais. Curitiba: CRV, 2016. p. 77-94.

SIEBERT, R. O adulto frente à criança: ao mesmo tempo igual e diferente. In: BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. (orgs.). Manual de Educação Infantil de 0 a 3 anos. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 77-87.

SILVA, M. R. P. da. "E os bebês?": quando os bebês interrogam a nossa docência. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 21, n. 61, p. 274-286, abr./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.43792. Disponível em: www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/43792. Acesso em: 15 mar. 2021.

TARDOS, Anna. Introdução. In: TARDOS, Anna. El adulto y el juego del niño. Barcelona: Octaedro, 2014. p. 9-12.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n37.19764

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional