A invisibilidade do catador de resíduos recicláveis e a indiferença no olhar do educador

Sueli Gomes Moreira, Marcelo Diniz Monteiro de Barros, Ana Priscila Ramos Miranda

Resumo


O objetivo deste trabalho é discutir a invisibilidade dos catadores de resíduos recicláveis, abordando a fragilidade da relação do ser humano com seu próprio resíduo, remetendo-nos à distância e ao asco por ele (resíduo). Via de regra, impõe-se à figura da pessoa do catador de recicláveis, um distanciamento, uma obrigatoriedade de transitar nas sombras, como se fosse o próprio resíduo. Os autores entendem que se faz necessário transformar a visão sobre o resíduo, ao se pretender fazer emergir dele trabalho e renda. Indaga-se, então, qual deve ser o papel da escola nesta mudança de paradigma? É possível que, através da Educação Ambiental, haja reformulação do conceito do lixo, desagregando-o do conceito de sujeira e, então, ressignificar o trabalho deste profissional, dando, assim, dignidade a quem com ele trabalha?


Palavras-chave


educação ambiental; catador de resíduos; lixo

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2014. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4389267/mod_resource/content/1/panorama2014.pdf. Acesso em: 02 jul. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2017. Disponível em: http://abrelpe.org.br/pdfs/panorama/panorama_abrelpe_2017.pdf. Acesso em: 05 set. 2019.

BORGES, Adriano Silva. Princípio dignidade do trabalhador e o ativismo na justiça do trabalho. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/63066/principio-dignidade-do-trabalhador-e-o-ativismo-na-justica-do-trabalho. Acesso em: 16 jul. 2019.

BORTOLI, Mari Aparecida. Catadores de materiais recicláveis: a construção de novos sujeitos políticos. Revista Katál. Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 105-114, jan./jun. 2009.

BRASIL. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO. 2010. 3. ed. Brasília: MTE, SPPE, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 27 mai. 2020.

BRASIL. Decreto nº 4.281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4281.htm. Acesso em: 05 set. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.405, de 23 de dezembro de 2010. Institui o Programa Pró-Catador [...]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7405.htm. Acesso em: 04 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm. Acesso em: 05 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 05 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico [...] e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11445.htm. Acesso em: 05 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 04 set. 2019.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecol. e Desenv. Rur. Sustent., Porto Alegre, v.2, n.2, abr./jun.2001. p. 43-51.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

FOGAÇA, Jôse; PEREZ, Clotilde. Felicidade adjetivada: polifonia conceitual, imperativo social. Intercom – RBCC. São Paulo, v.37, n.1, p. 217-241, jan./jun. 2014.

GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental crítica. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 25-34.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: PNAD Contínua. 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/condicoes-de-vida-desigualdade-e-pobreza/17270-pnad-continua.html?edicao=17274&t=series-historicas. Acesso em: 06 set. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas. Grupo de Análise e Previsões. Carta de Conjuntura. n. 21. dez. 2013. Rio de Janeiro: Ipea. Dimac, 2013.

KING, Megan F.; GUTBERLET, Jutta; e SILVA, Douglas Moreira da. Contribuição de cooperativas de reciclagem para a redução de emissão de gases de efeito estufa. In: PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto; GOES, Fernanda Lira Goes (orgs.) Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional. Rio de Janeiro: Ipea, 2016. p. 509-538.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, C.F.B.,

LAYRARGUES, P.P. & CASTRO, R. de S. (Orgs.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. p. 179-219.São Paulo: Cortez. 2002.

LIPAI, Eneida Maekawa; LAYRARGUES, Phillippe Pomier; e PEDRO, Viviane Vazzi. Educação ambiental na escola: tá na lei... In: MELLO, Soraia Silva de; e TRAJBER, Rachel (coords). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007. p. 23-32.

MAGALHÃES, Beatriz Judice. Liminaridade e exclusão: caracterização permanente ou transitória das relações entre os catadores e a sociedade brasileira? In: PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto; GOES, Fernanda Lira Goes (orgs.) Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional. Rio de Janeiro: Ipea, 2016. p. 123-150.

MCCLELLAND, John A.G. Técnica de questionário para pesquisa. Revista Brasileira de Física, 1(1):93–101, 1976. Disponível em: https://www3.ufpe.br/moinhojuridico/images/ppgd/8.5b%20questionario.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

MEDEIROS, Aurélia Barbosa de; MENDONÇA, Maria José da Silva Lemes; SOUSA, Gláucia Lourenço de; e OLIVEIRA, Itamar Pereira de. A importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011.

PIOVESAN, Armando; TEMPORINI, Edméa Rita. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev. Saúde Pública, n. 29, 1995. p. 218-325.

PROGRAMA PRÓ CATADOR. Encontro Nacional Conhecimento e Tecnologia: Inclusão Socioeconômica de catadores de Materiais Recicláveis. Brasília: IPEA, 2014.

SANTOS, Gemmelle Oliveira; SILVA, Luiz Fernando Ferreira da. Há dignidade no trabalho com o lixo? Considerações sobre o olhar do trabalhador. Revista Mal-estar e Subjetividade. Fortaleza. vol. IX, n. 2, p. 689-716, jun/2009.

VARGAS, Juliano; FELIPE, Ednilson Silva. Década de 1980: as crises da economia e do Estado brasileiro, suas ambiguidades institucionais e os movimentos de desconfiguração do mundo do trabalho no país. Revista de Economia, v. 41, n. 3 (ano 39), p. 127-148, set./dez. 2015.

WELLE, Deutsche. Como o plástico mudou a sociedade brasileira. Natureza, G1. Disponível em: https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/02/08/como-o-plastico-mudou-a-sociedade-brasileira.ghtml. Acesso em: 10 jul. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/41.2022.19925

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional