Aprendizagem e inclusão em espaço de educação não formal: relato de experiência

Talita Perussi Vasconcellos, Rosimeire Maria Orlando

Resumo


O presente estudo busca apresentar uma experiência de inclusão socioeducacional realizada em um ambiente de ensino não formal por intermédio da metodologia de projetos. A experiência teve como objetivo elaborar, desenvolver e expor um projeto sobre a China, empenhando-se em trabalhar as múltiplas potencialidades.  Caracterizou-se como estudo de caso, de cunho qualitativo, e utilizou a metodologia de projetos. Transcorreu durante um semestre em uma Organização da Sociedade Civil do interior paulista, que atende meninas crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Foram selecionadas meninas entre 8 e 12 anos, dentre elas, uma com Paralisia Cerebral. Durante os encontros, cada grupo pesquisou uma determinada curiosidade acerca do país mencionado e em todo o processo as participantes tiveram oportunidades de escolhas sobre seu interesse a respeito da temática. A experiência foi enriquecedora para todas, inclusive para a menina com Paralisia Cerebral, que participou de todo o decurso.


Palavras-chave


educação especial; educação não formal; paralisia cerebral; metodologia de projetos

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente, 1994.

BRASIL. A inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: DEFICIÊNCIA FÍSICA, 2004.

BRASIL. Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

DEWEY, J. Vida e Educação. 6. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

DORO, F. G. Práticas de Leitura e Escrita na Alfabetização. (UFJF), v. 2, p. 1- 8, 2010. Disponível em: http://www.ufjf.br/virtu/files/2010/04/artigo-2a11.pdf

GOHN, M. G. O Ato investigativo na produção do conhecimento: Questões Metodológicas. São Paulo, UNINOVE, 2006.

HERNÁNDEZ, F; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

MACHADO, Nilson José. Educação: projetos e valores. 5. ed. São Paulo: Escrituras, 2004.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil.

Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, Set. /Dez. 2006.

OLIVEIRA, F. A questão do Estado: vulnerabilidade social e carência de direitos. In: Subsídios à Conferência Nacional de Assistência Social, 1. Brasília: CNAS, out. 1995.

PINEL, H. O céu eu vou tocar: um estudo sobre deficiência física nos desenhos animados Valente e Como Treinar O Seu Dragão. Educare, v. 1, 2017.

SHMIDT, D. D. Introdução à educação especial: Ensinar em tempos de inclusão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SILVA, T. C. R.; GOMES. A. C. F. A importância dos desenhos animados como representação ideológica: formação da identidade infantil. CESUMAR, São Paulo, jan. /jun., v.11, n.1, p 37-43, 2009.

YIN, R.K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Bookman: Porto Alegre, 2 º Ed. 2001




DOI: https://doi.org/10.5585/39.2021.20209

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional