Desigualdades e pandemia de COVID-19: contribuições para o debate sobre as particularidades socio-históricas, educacionais e das juventudes do Brasil

Francisca Rejane Bezerra Andrade

Resumo


O presente artigo objetiva contribuir para as reflexões críticas em torno dos processos educacionais desenvolvidos no Brasil. Para tanto, realizam-se análises que caminham para o entendimento de que o sistema educacional brasileiro legitima a seletividade e o fracasso dos alunos por meio de um sistema de avaliação meritocrático e excludente próprio da sociedade capitalista. Tenciona-se, ainda, favorecer a compreensão das relações entre os problemas estruturais como a pobreza, o racismo e a segmentação do mercado de trabalho e a ampliação das disparidades educacionais no país, articulando-as aos impactos da pandemia de Covid-19 para a escolarização da população brasileira. Para finalizar, direciona-se o olhar sobre as juventudes brasileiras, com o intuito de compreender os impactos do quadro pandêmico atual para a vida escolar e profissional deste segmento populacional.


Palavras-chave


desigualdades; educação; pandemia de COVID-19; juventudes

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Miriam; ANDRADE, Eliane Ribeiro; ESTEVES, Luiz Carlos Gil (Org.). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília, DF: MEC, 2007.

AMARAL, Eliana; POLYDORO, Soely. Os desafios da mudança para o ensino remoto emergencial na graduação na Unicamp – Brasil. Linha Mestra, n. 41A, p 52-62, HTTPS://DOI.ORG/10.34112/1980-9026A2020N41AP52-62, set. 2020. Acesso em: 10 de jul. de 2021.

ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo, 2020.

BANCO MUNDIAL. La pobreza y la prosperidad compartida 2020: Un cambio de suerte. Relatório 2020. Grupo Banco Mundial. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/bitstream/handle/10986/34496/211602ovSP.pdf?sequence=21&isAllowed=y Acesso em: 01 de fev. de 2021.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Presidência da República. Brasília,15 de dezembro de 2016.

CARRANO, Paulo. A escola pública diante do desafio de educar em relações de liberdade e convivência democrática. In: KRAWCZYK, Nora (org.). Escola pública: tempos difíceis, mas não impossíveis. FE/UNICAMP, Campinas, SP; Uberlândia, MG: Navegando, p. 74-96, 2018.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CONJUVE. Juventudes e a Pandemia do Coronavírus – 2ª edição (2021). Relatório Nacional.

CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE (CONJUVE), Brasília, 2021.

DE LIMA, Luciana Vieira; HORN, Geraldo Balduino. Educação e justiça social à luz da teoria crítica da sociedade. Revista Espaço Pedagógico, v. 26, n. 3, p. 719-737, 4 set. 2019.

FLACH, Simone de Fátima. Direito à educação e obrigatoriedade escolar no Brasil: entre a previsão legal e a realidade. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 43, p. 285–303, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i43.8639943.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2020 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. 148 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101760.pdf Acesso em: 01 de fev. de 2021.

INESC. Monitoramento dos Direitos Humanos em Tempos de Austeridade no Brasil. Distrito Federal. Maio de 2018. Disponível em: http://www.rebrip.org.br/system/uploads/publication/f9cf836b7a062ccd1d3f772cf950a2e7/file/inesc-dh.pdf Acesso em: 01 de fev. de 2021.

LEÓN, Jaime Ernesto Winter Hughes. Mudanças sociais no Brasil neodesenvolvimentista a partir de uma análise da relação entre Estado, economia e sociedade. In: XVII SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA. Diamantina, 2016, Minas Gerais [recurso eletrônico]: Anais... Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2016. Vol.1 - Págs.: 1446-1464.

LIMA, Licínio C.; AFONSO, Almerindo Janela; GOMES, Carlos Alberto. Posfácio: possibilidades e limites de políticas e práticas socioeducativas de inclusão. In: ANTUNES, Fátima (Org.). Remar contra as desigualdades em educação: práticas, vozes, percursos. Edições Húmus, 2019.

MACENO, Eugênio Talvanes. A Impossibilidade da Universalização da Educação. São Paulo: Instituto Lukács, 2019.

SANTOS, Émina. A educação como direito social e a escola como espaço protetivo de direitos: uma análise à luz da legislação educacional brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, vol. 45, e184961, 2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o Autoritarismo Brasileiro. São Paulo, Companhia das Letras, 2019.

TELLES, Vera da Silva. Direitos Sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

VALE, Erlênia Sobral do; SOUZA, Nathalia Martins de. A educação, a universidade e o trabalho docente no quadro da reprodução social neoliberal. In: ANDRADE, Francisca Rejane Bezerra (Org.) Serviço Social: uma profissão, distintos olhares. Fortaleza: Eduece, p. 37-66, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5585/39.2021.20612

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional