O currículo prescrito no cotidiano escolar: interpretações de Coordenadoras Pedagógicas da Educação Infantil

Thais Monteiro Ciardella, Marisa Vasconcelos Ferreira

Resumo


Este artigo apresenta recorte de pesquisa que teve como objetivo analisar, a partir de entrevistas e observações junto a coordenadoras pedagógicas de duas instituições de Educação Infantil da rede municipal de São Paulo – SP, as interpretações acerca de documentos curriculares oficiais da Educação Infantil e as formações das professoras em contexto, com vistas à condução das práticas pedagógicas, de forma consistente com as propostas presentes nos documentos oficiais. Neste artigo, focaremos os significados construídos pelas profissionais acerca das noções de criança e currículo, bem como de seu papel mediador no trabalho realizado com os documentos curriculares oficiais no âmbito da formação de professores, desde uma perspectiva qualitativa de referência sociocultural, buscando compreender relações, explicações, problematizações e reflexões empreendidas pelas coordenadoras, no âmbito da ação formativa. Destaca-se aqui a atividade de construção de significados e de ressignificações que faz parte da formação e que se concretiza na atuação da coordenação pedagógica, quando da apropriação do currículo prescrito, visando a sua concretização no currículo em ação e as dificuldades que as coordenadoras encontram em contextualizar a abordagem proposta pelas instâncias centrais.


Palavras-chave


Coordenador Pedagógico; Currículo; Formação de professores; Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Ma. Carmen Silveira. Os resultados da avaliação de propostas curriculares para a educação infantil dos municípios brasileiros. Anais do I Seminário Nacional: Currículo em movimento. Perspectivas Atuais: Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7150-1-1-artigo-mec-proposta-curricular-maria-carmem-seb/file, acesso em 23 de julho de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: SEF, v. 1, 2 e 3, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Parecer nº 15 de 21 de dezembro de 2017. Base Nacional Comum Curricular: BNCC. Conselho Nacional de Educação /Conselho Pleno. Brasília, DF, 2017.

CAMPOS, Maria Malta. Educação Infantil: o debate e a pesquisa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 101, p. 113-127, jul. 1997. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/754, acesso em 23 de julho de 2020.

CAMPOS, Maria Malta; FULLGRAF, Jodete; WIGGERS, Verena. A qualidade da Educação Infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 87-128, jan./abr. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12935.pdf, acesso em 23 de julho de 2020.

CIARDELLA, Thais Monteiro. A experiência do coordenador pedagógico em duas escolas municipais: desafios em tempos de definição do currículo para a Educação Infantil. São Paulo, 2016. 67 f. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-graduação (Especialização) em Gestão Pedagógica e Formação em Educação Infantil – Instituto Superior de Educação Vera Cruz, 2016.

CERISARA, Ana Beatriz. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no contexto das reformas. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 23, n. 80, setembro/2002, p. 326-345.

DAVIS, Claudia L. F.; Nunes, Marina M. R.; ALMEIDA, Patrícia C. A. de; SILVA, Ana Paula F. da e SOUZA, Juliana C. de. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros. São Paulo: FCC/DPE, 2012. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/textosfcc/article/view/2452/2407, acesso em 23 de julho de 2020.

LIMA, Licínio Carlos. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1998.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MATE, Cecília Hanna. Qual a identidade do coordenador pedagógico? In: GUIMARÃES, Ana Arqueangelo. et al. O coordenador pedagógico e a educação continuada. São Paulo, Loyola, 2005. P. 17 – 20.

ROSSETTI FERREIRA, Maria Clotilde; AMORIM, Katia de Souza; OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos de. Olhando a criança e seus outros: uma trajetória de pesquisa em educação infantil. Psicologia USP, São Paulo, vol. 3, n. 20, julho/setembro, 2009, 437-464. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51772009000300008, acesso em 23 de julho de 2020.

GIMENO SACRISTÁN, José. El curriculum: uma reflexión sobre la practica. Madri: Morata, 1998.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Currículo Integrador da Infância Paulistana. São Paulo/DOT, 2015.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de; FERREIRA, Marisa Vasconcelos e BARROS, Joseane Ap. Bomfim de. Formação Continuada em Educação Infantil: a construção de uma agenda de possibilidades. In Guimarães, Célia Ma.; Reis, Pedro Guilherme Rocha dos. Professores e infâncias: estudos e experiências. Araraquara-SP: Junqueira e Marin, 2011.

PLACCO, Vera Maria Nigro De Souza; SOUZA, Vera Lucia Trevisan De; ALMEIDA, Laurinda Ramalho De. O coordenador pedagógico: aportes à proposição de políticas públicas. Cad. Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 147, p. 754-771, dez. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742012000300006&lng=en&nrm=iso, acesso em 23 de julho de 2020.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos Cedes, ano XX, nº 50, abril/00. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n50/a03v2050.pdf , acesso em 07/11/2019.

VERA, Rebeca Franciele; FERNANDES, Ma. José da Silva. Como se formam os professores coordenadores na rede estadual de ensino de São Paulo. Dialogia. São Paulo, n 33, p. 5-18, set./dez. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.5585/dialogia.N33.13612, acesso em 23 de julho de 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16009

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.