Direitos humanos e linguísticos e suas relações com a educação de surdos: reflexões a partir do diálogo com estudantes surdos fluentes em Libras

Ivone Maria Mendes Silva, Silvia Salete Remos

Resumo


Este artigo apresenta reflexões sobre o papel que os direitos humanos e linguísticos podem desempenhar como elementos estruturantes da educação escolar oferecida aos surdos. Abarca contribuições de teóricos das ciências humanas e sociais, além da análise das narrativas de estudantes surdos sobre a importância da Língua de Sinais para seus processos de construção de conhecimento na escola e em outras esferas da vida social. O instrumento de pesquisa utilizado foi a entrevista individual, realizada em Libras, com quatro sujeitos surdos. Os dados foram analisados de acordo com pressupostos da Análise de Conteúdo de Laurence Bardin. Com base nos resultados, conclui-se que a Libras ocupa lugar central na vida dos entrevistados, sendo por eles significada como um direito cujo usufruto repercute no exercício de outros direitos (educacionais, culturais, políticos etc.). Não obstante, ainda precisa ocorrer uma maior difusão e valorização de seu uso nas/pelas escolas, assim como em outros espaços públicos.


Palavras-chave


Educação de surdos; Surdez; Lingua de Sinais; Direitos humanos. Direitos Linguísticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Francisco das Chagas Fernandes. Discursos dos docentes ouvintes de surdos sobre cultura, língua de sinais e identidade surda em uma escola bilíngüe. 2016. 90 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016. Disponível em: Acesso em: 01 nov. 2018.

ARAUJO, Maria Tereza Abrahao de. Alfabetização e letramento: o aprendizado da língua portuguesa por sujeitos surdos. 2010. Dissertação (Mestrado em estudos linguísticos) - Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2010.Disponível em:.Acesso em:17out. 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 70. ed. São Paulo, 2016.

BOBBIO, Norbert. Qual socialismo? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

BOBBIO, Norbert. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOBBIO, Norbert. Teoria Geral da Política. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

BOTO, Carlota. A educação escolar como direito humano de três gerações: identidades e universalismos. Educação & Sociedade, 2005, vol.26, n.92, pp.777-798.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 13. 146 de 6 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência). Brasília. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília. 2002. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 30 mai. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei n°10.436 de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a língua brasileira de sinais- Libras e o art. 18 da lei 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2018.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010: características gerais da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Cecília de Souza (orgs). Pesquisa Social teoria, método e criatividade. Petrópolis. RJ: Vozes, 2012.

GOMES, Romeu et al. As arranhaduras da masculinidade: uma discussão sobre o toque retal como medida de prevenção do câncer prostático. Ciênc. saúde coletiva, vol.13 n. 6. Rio de Janeiro Nov./Dec. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

LOPES, Maura Corcini. Relações de poderes no espaço multicultural da escola para surdos. In:

SKLIAR, Carlos (org). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. [s. l]: Mediação, 1998.

PEIXOTO, Renata Castelo. Algumas considerações sobre a interface entre a língua brasileira de sinais (Libras) e a língua portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 205-229, maio/ago. 2006. Disponível em: < http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 20 out. 2018.

PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. O ensino de português como segunda língua para surdos: princípios teóricos e metodológicos. Educar em revista, Curitiba, spe-2, p. 143-157, 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2018.

RODRIGUES, Carlos Henrique; BEER, Hanna. Direitos, Políticas e Línguas: divergências e convergências na/da/para educação de surdos. Educ. Real. vol.41 no.3 Porto Alegre jul./set. 2016. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

SANTOS, Taiane Santos dos. Narrativas Surdas: experiências na comunidade e na cultura surda e a constituição de identidades. 2012. 117 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.

SILVA, Lucas Romário da. Pedagogia surda: o papel de professoras surdas na construção de identidades de alunas surdas e alunos surdos. Dissertação (mestrado em educação) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16925

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.