Aprendizagem significativa no contexto do ensino remoto

Jucelia Cruz, Elisabeth dos Santos Tavares, Michel Costa

Resumo


O presente artigo registra parte de uma pesquisa de um mestrado profissional intitulada “As tecnologias de comunicação e informação como fator motivacional para o ensino fundamental”. Os estudos foram, em seguida, ampliados acerca da aprendizagem significativa considerando o contexto do ensino remoto com a adoção da suspensão das aulas presenciais em virtude da pandemia de COVID-19. Apresenta-se uma descrição do que vem a ser essa aprendizagem, em que condições ela pode ocorrer e as formulações iniciais sobre o tema a partir da visão de estudiosos como Ausubel e seus colaboradores e possibilidades de ensino e aprendizagem com uso de TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação para o processo educativo. Tais formulações e estudos propiciam uma reflexão quanto às possibilidades desses recursos como facilitadoras na construção do conhecimento pelo aluno do Ensino Fundamental de forma significativa e crítica. A pesquisa desvelou desigualdades sociais dos educandos de uma instituição pública de ensino e lacunas na formação docente no uso de recursos tecnológicos.


Palavras-chave


Tecnologia Digital de Informação e Comunicação; Aprendizagem significativa; Ensino Remoto

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P. A Teoria da Aprendizagem Significativa segundo Ausubel. In: MASINI, E. F. S.; MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa: condições de ocorrência e lacunas que levam a comprometimentos. 1ª. ed. São Paulo: Vetor, 2008. Cap. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – 3ª Versão, 2017. Disponível em . Acesso em: 10. Jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. COVID 19. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#o-que-e-covid Acesso em: 20. Jun. 2020.

CORTI, A. P.; VÓVIO, C. L. Jovens na alfabetização: para além de decifrar palavras, decifrar mundos. Brasília: Ministério da Educação / Ação Educativa, 2007.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LABURÚ, C. Eduardo. Fundamentos para um experimento cativante. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, v. 3, n. 3: p. 382-404, dez. 2006.

LA TAILLE, Y.; OLIVEIRA, M. K; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus,1992.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro Editora, 2006.

PAMOS – Organização Pan Americana de Saúde. Boletim Folha Informativa – COVID 19 (doença causada pelo novo coronavírus). Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875. Acesso em: 10.Jun.2020.

SACRISTAN, J. GIMENO; GÓMEZ, A.L. Pérez. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SAVIANI, Demerval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Corte: Autores Associados, 1986.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. 2.ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

VYGOTSKY, Lev. A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.17760

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.