Desafios dos estudantes trabalhadores da UFPel (2019- 2020)

Milena da Silva Langhanz, Lorena Almeida Gill

Resumo


O artigo pretende analisar as formas de trabalho encontradas pelos estudantes da UFPel para complementar a renda, necessárias, muitas vezes, para a sua manutenção na Universidade. Para isso, foram utilizados os conceitos de informalidade e vulnerabilidade social, a partir de autores como Antunes (1999), Pochmann (2008), Noronha (2003) e Castel (1997). A metodologia empregada foi uma análise quali-quantitativa, por meio do lançamento, nas redes sociais, de um questionário on-line via google forms, com trinta e três questões abertas e fechadas. Para a análise do conteúdo utilizou-se o software Excel. Coletou-se 184 respostas, de alunos oriundos de vinte e duas unidades acadêmicas e trinta e cinco diferentes graduações. As respostas, especialmente as abertas, apresentaram as dificuldades com as quais os estudantes vivem, bem como a necessidade de a Universidade mudar, tendo em vista não só incluir, mas fazer com que essas pessoas permaneçam no espaço educacional.


Palavras-chave


Estudante-trabalhador; Permanência estudantil; Vulnerabilidade social

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BRASIL. Documento final, 2010. Disponível em: . Acesso em 10 de julho de 2020.

CASTEL, Robert. A dinâmica dos processos de marginalização: da vulnerabilidade à “desfiliação”. CADERNO CRH, Salvador, n. 26/27, p. 19-40, jan./dez. 1997. Disponível . Acesso em 20 de julho de 2018.

IBGE. 2007. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Disponível em: . Acesso em 21 de jul. de 2020.

INEP. . Acesso em 17 de julho de 2020.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

NORONHA, Eduardo. “Informal”, ilegal, injusto: Percepções do mercado de trabalho no Brasil. RBCS, Vol. 18 nº. 53 outubro/2003 disponível em: . Acesso em 3 de julho de 2020.

NUNES, Edson, MARTIGNONI, Enrico e CARVALHO, Márcia. Perfil dos egressos, quotas e restrições: uma observação da educação superior no momento de sua reforma. Documento de trabalho n. 32. Observatório Universitário. Jul/ 2004. Disponível em: . Acesso em 3 de julho de 2020.

PEREIRA, Lucinéa. O estudante de camadas populares na universidade pública: permanência garantida? Cadernos da Pedagogia, v. 12, n. 24, p. 16-29, jan/jun 2019.

PNAD-SÍNTESE INDICADORES DE 2006. IBGE. . Acesso em 10 de setembro de 2020.

PACHECO, Eliezer, RISTOFF, Dilvo. Educação Superior: Democratizando o acesso. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2004. 22 p. – (Série Documental. Textos para Discussão, ISSN 1414-0640; 12).

POCHMANN, Marcio. O emprego no desenvolvimento da nação. São Paulo: Boitempo, 2008.

PNAD-CONTINUA. IBGE. . Acesso em 4 de julho de 2020.

RAMALHO, Jether; ARROCHELAS, Maria Helena et al. Desenvolvimento, subsistência e trabalho informal no Brasil. São Paulo: Cortez, 2004.

VARGAS, Hustana e PAULA, Maria. A inclusão do estudante-trabalhador e do trabalhador-estudante na educação superior: desafio público a ser enfrentado. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 2, p.459-485, jul. 2013.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18188

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.