Letramento e alfabetização de jovens e adultos: um trabalho com gêneros textuais do cotidiano

Laís Bastos Marchesoni, Elsa Midori Shimazaki

Resumo


Ao identificarmos a necessidade e a relevância de pesquisar sobre letramento e alfabetização de jovens e adultos, desenvolvemos a presente pesquisa com o objetivo de compreender como a promoção do letramento nessa modalidade de ensino via gêneros textuais do cotidiano social, desenvolve os processos de leitura e escrita de educandos em fase de alfabetização. Para tanto, realizamos uma pesquisa em uma turma de EJA por meio de observações, planejamentos e ações pedagógicas, na qual utilizamos como base o gênero textual “panfleto”. Este estudo permitiu constatar que gêneros textuais da esfera do cotidiano, como o panfleto, são ferramentas que auxiliam nos processos de alfabetização e de letramento de jovens e adultos que estão sendo alfabetizados, pois são comuns aos educandos dessa modalidade, fazem parte de seu cotidiano, e possibilitam maior contato e envolvimento com o conhecimento científico, o que facilita os processos de alfabetização e letramento de jovens e adultos.

 


Palavras-chave


Alfabetização; EJA; Gêneros Textuais; Letramento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, E. B. C.; LEAL, T. F.; MORAIS, A. G. Alfabetizar letrando na EJA. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso.São Paulo: Editora 34, 2016. 176p.

BIANCONI, M. L.; CARUSO, F. Educação não formal. Ciência & Cultura, São Paulo, v. 57, n.4, p.1-20, 2005.

BRASIL. Lei 5.692 de 11 de agosto de 1971. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm. Acesso em: 07 abr. 2021.

BRASIL. Lei nº. 9394/1996 Brasília: Ministério da Educação, 1996.

BRASIL. Lei nº 13.632/2018. Brasília: Ministério da Educação http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13632.htm#art1. Acesso em 01 abr. 2021.

BRASIL. Parecer CNE 11/2000: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Câmara de Educação Básica, 2000.

BRITTO, L. P. L. Sociedade da cultura escrita, Alfabetismo e participação. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2003, p. 47-64.

CAGLIARI, L. C. Textos espontâneos na primeira série: evidência da utilização, pela criança, de sua percepção fonética para representar e segmentar a escrita. Cadernos Cedes, São Paulo, v. 14, p. 25-29, 1982.

DAMIANI, M. F., ROCHEFORT R. S., CASTRO, R. F. de, DARIZ, M. R., PINHEIRO, S. S. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação, n.45, p. 57-67, 2013.

DI PIERRO, M. C.; JOIA, O.; RIBEIRO, V. M. M. Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cadernos CEDES, Campinas, v. 21, n. 55, p. 58-77, nov. 2001.

DURANTE, M. Alfabetização de adultos: Leitura e Produção de Textos.Porto Alegre: Artmed, 2007.

FARIAS, A. F. Identificando os sujeitos da Educação de Jovens e Adultos no município de Presidente Prudente – SP.In: Anais do Congresso de iniciação científica da UNESP, .Anais. São José do Rio Preto, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Campinas: Cortez, 2019.

FREIRE, A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 2017.

GARCIA, I. H. M. Jovens e adultos em processo de alfabetização: voz e vida, revelações e expectativas. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2004.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Notas técnicas: Versão 1.5, Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.;

LEONTIEV, A. N. (Org.) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2012, p.143-189.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, Ângela Paiva;

MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005, p. 19-36.

MORTATTI, M, R, L.Alfabetização no Brasil: uma história de sua história. Marília: Cultura Acadêmica, 2013.

NUHRICH, S. L. Educação de pessoas jovens e adultas: Um olhar investigativo sobre uma proposta curricular. Joinville: UNIVALI, 2005.

OLIVEIRA, M. S. Gêneros textuais e letramento. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 325-34, abr.jun.2010.

PAIVA, J. Educação de Jovens e Adultos: direito, concepções e sentidos. Tese de Doutoramento em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói: UFF, 2005.

SÁ, E. M.; COSTA, E. J. Abordagem comunicativa e letramento crítico: pontos de convergência para a inclusão de práticas digitais no contexto brasileiro de ensinoaprendizagem.Letras & Letras, v. 34, n. 1, p. 95-121, jul. 2018

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2013

SILVA, W. R. Polêmica da alfabetização no Brasil de Paulo Freire. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 1, p. 219-240, 17 abr. 2019.

SILVA. Letramento e Fracasso escolar: o ensino da língua materna. Manaus: Editora UEA, 2020.

SOARES. Alfabetização e Letramento. São Paulo: Contexto, 2018.

STREET, B. Letramentos sociais. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

TFOUNI. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 2010.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora 32, 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, pp.119-34. 2007.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem.4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia, educação e desenvolvimento. São Paulo: Expressão Popular, 2021.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n37.18218

Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional