Formação continuada para tecnologias digitais em tempos de pandemia: percepções docentes sobre o curso Google Sala de Aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18355

Palavras-chave:

Formação continuada docente, Google Sala de Aula, Pandemia de Covid-19

Resumo

Neste artigo discutimos a formação continuada dos professores no contexto das demandas relacionadas ao ensino online decorrente do isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19.  O estudo visa analisar a percepção dos participantes do curso de extensão Google Sala de Aula para Docentes, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, buscando-se refletir sobre o contexto da educação escolarizada diante dos desafios da pandemia bem como dos relacionados com a formação docente para as tecnologias digitais. Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa, por meio do método de estudo de caso, realizando-se a descrição do questionário de avaliação de satisfação preenchido por 413 cursistas. Concluímos que os programas de formação docente em tecnologias digitais necessitam promover a reflexão crítica, por meio do diálogo pedagógico e apropriação tecnológica, possibilitando o traquejo com as tecnologias emergentes e, sobretudo, promovendo a aprendizagem e emancipação dos estudantes nestes tempos pandêmicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eniel do Espírito Santo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Licenciado em Pedagogia, Doutor e Pós-doutor em Educação.  Professor adjunto no Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Coordenador adjunto do Sistema Universidade Aberta do Brasil na UFRB. Coordena o Programa de Extensão Digital para Qualificação Discente e o Programa de Extensão Formação Docente Continuada em Tecnologias Digitais. Vice-coordenador do grupo CNPq de Pesquisa em Tecnologias Educacionais, Robótica e Física (G-TERF), desenvolvendo investigações na linha de pesquisa Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na Educação. Avaliador do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior do INEP /MEC.

Tatiana Polliana Pinto de Lima, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN (2000), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2004) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Atua como docente na Licenciatura Interdisciplinar em Artes e é professora do Quadro Permanente do Programa de Pós Graduação em Currículo, Linguagens e Inovações Pedagógicas da UFBA, do Programa de Pós Graduação em Educação Científica, Inclusão e Diversidade e do Programa de Pós Graduação Lato Sensu em Educação, Cultura e Diversidade, ambos da UFRB. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, Saberes e Práticas.  Atualmente é Coordenadora do Colegiado da Licenciatura Interdisciplinar em Artes da UFRB, coordena projetos de pesquisa, bem como é integrante de programas de extensão, para além de ser coordenadora de área do PIBID/ARTES da UFRB.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALVES, R. Conversas sobre Educação. Campinas: Verus Editora, 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário oficial da União, Brasília, 23/12/1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 22 set. 2020.

BRASIL. Decreto n. 13005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, 26 de junho de 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm Acesso em: 23 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, seção 1, p. 46-49, 15 de abril de 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file Acesso em: 23 set. 2020.

DAY, C. A paixão pelo ensino. Porto/Portugal: Porto Editora, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 69. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GARNICA, A. V. M. Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Interfaces, Botucatu, n. 1, p. 109-122, ago. 1997. Disponível em: https://bit.ly/3cwee6u. Acesso em: 24 set. 2020.

IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

INSTITUTO PENÍNSULA. Relatório de Pesquisa: sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no brasil. Estágio intermediário, maio de 2020. Disponível em: https://bit.ly/2S6XJEL Acesso em: 28 set. 2020.

MARCON, K.; CARVALHO, M. J. S. Formação de profissionais na cultura digital. In: MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas/SP: Papirus, 2018.

OPNE. Observatório do PNE. 2018. Disponível em: https://www.observatoriodopne.org.br/home Acesso em: 25 set. 2020.

OLIVEIRA, H. L. G.; LEIRO, A. C. R. Políticas de formação de professores no Brasil: referenciais legais em foco. Pro-Posições, Campinas, v. 30, p. 1-26, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2017-0086 Acesso em: 28 set. 2020.

ONU. Organização das Nações Unidas. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Set. 2015. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs Acesso em: 20 set. 2020.

PESCE, L. Políticas de formação inicial de professores, tecnologias e a construção social do tempo. EccoS – Rev. Cient., São Paulo, n. 33, p. 157-172, jan./abr. 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/715/71531141010.pdf Acesso em: 25 set. 2020.

SANTOS, B. de S. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Editora Almedina, 2020.

STAKE, R. Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

Downloads

Publicado

22.12.2020

Como Citar

DO ESPÍRITO SANTO, Eniel; DE LIMA, Tatiana Polliana Pinto. Formação continuada para tecnologias digitais em tempos de pandemia: percepções docentes sobre o curso Google Sala de Aula. Dialogia, [S. l.], n. 36, p. 283–297, 2020. DOI: 10.5585/dialogia.n36.18355. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/18355. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê O (Re)inventar da Educação em Tempos de Pandemia