Remoto, mas não distante: a reinvenção do ensino na Educação Superior em tempos de COVID-19

Carla Cristie de França Silva, Lêda Gonçalves de Freitas

Resumo


O presente artigo tem como principal objetivo investigar quais foram os desafios e as soluções para se reinventar o ensino na Educação Superior frente ao cenário avassalador de contaminação pelo COVID-19, usando as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs). Os dados foram coletados por meio de questionário eletrônico e entrevistas. A pesquisa contou com a participação de 41 estudantes. As informações foram sistematizadas e analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo, proposta por Bardin (2010), possibilitando a identificação de três categorias: 1) Utilização das TDICs nos processos de ensino e aprendizagem, 2) Mediações pedagógicas necessárias ao desenvolvimento do estudante e 3) Autonomia discente. Os resultados revelaram que muitos estudantes subutilizavam as tecnologias digitais e que a pandemia oportunizou mudanças atitudinais. Aos docentes foi necessária a reinvenção das estratégias didáticas para o ensino remoto bem como a utilização das TDICs em espaços colaborativos que fomentaram nos discentes o protagonismo, o exercício da autonomia e a emancipação intelectual.


Palavras-chave


Educação Superior; Pandemia; Remoto; Reinvenção; Ensino e aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, I.; NOGUEIRA, M. I.; FERREIRA, F. R. M. Entre neurônios e sinapses: as contribuições de Cajal e Athias para a medicina ibérica entre os séculos XIX e XX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 187-199, jan. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2019.

ANASTASIOU, L. das G. C.; PESSATE, L. Processos de ensinagem na Universidade. 10. ed. Joinville: Univille, 2012.

APPLE, M. W. Educação e poder. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições70, 2010.

BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE). Brasília: Câmara dos Deputados, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2020.

BRASIL. TIC Educação 2015: apresentação dos principais resultados. São Paulo: Centro de estudos sobre as tecnologias da informação e da comunicação, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2020.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 6. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COLL, C.; MONEREO, C. (Orgs.). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DELORS, Jacques et al (Orgs.). Educação: um tesouro a descobrir. Brasília: Unesco, 2010.

DEMO, P. A educação do futuro e o futuro da educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONZÁLEZ-REY, F. L. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

KOZULIN, A. Instrumentos psicológicos: la educación desde una perspectiva sociocultural. Barcelona: Paidós, 2000.

MATURANA, H. Uma nova concepção de aprendizagem. Dois Pontos, Curitiba, v. 2, n.15, 1993. Disponível em https: /ead-tec.furg.br/images/textos/uma_nova_concepcao_aprendizagem.pdf>. Acesso em: 26 set. 2020.

MAYRING, P. Análise qualitativa de conteúdo: instrumento de pesquisa ou modo de interpretação? In. KIEGELMANN, M. (Ed.). O papel do pesquisador em psicologia qualitativa. Tuebingen: Verlag Ingeborg Huber, 2002, p. 139-148.

PALANGANA, I. C. Individualidade: afirmação e negação na sociedade capitalista. São Paulo: Plexus, 1998.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens - entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SILVA, J. A. da. Curso de direito constitucional positivo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

UNESCO. A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a COVID-19. Paris: Unesco, 2020. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2020.

VOZES DA EDUCAÇÃO. Educação e Coronavírus: levantamento das respostas de órgãos federais e estaduais à pandemia do Coronavírus no âmbito da educação básica. Brasil: Instituto Unibanco, Mapa Educação, Conselho Nacional de Juventude, 2020. Disponível em: . Acesso em

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18828

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.