Educação física cultural e africanidades: exu, saberes discentes e encruzilhadas

Ronaldo dos Reis, Marcos Garcia Neira

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo compreender como as/os estudantes significam as práticas corporais de matriz afro-brasileira abordadas nas aulas de Educação Física culturalmente orientadas. O trabalho de campo consistiu na tematização de danças de matrizes culturais afro-brasileiras, ao longo de dois anos letivos, com turmas do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental em uma escola pública. Os dados produzidos foram submetidos à análise cultural, fazendo emergir encruzilhadas, mobilizadas no entrecruzamento dos pressupostos do currículo cultural de Educação Física, estudos decoloniais e pedagogia das encruzilhadas. Com base no pensamento de fronteira, materializado na rejeição de uma maneira única de ler a realidade, na desobediência epistêmica, anunciada por uma perspectiva pluriversal, constatada nas performatividades das/os estudantes, além de evidenciadas em cruzos, rolês e ebós epistemológicos, foi possível a aspiração de uma epistemologia exuística, observada na ressignificação das gestualidades, nas vivências organizadas, que emergiram nas frestas, transgressões, rasuras, devires, incertezas, mobilidades, rebeldias, síncopes. Isso fez surgir possibilidades de vir a ser e de existir, podendo abrir outros caminhos e novas encruzilhadas.


Palavras-chave


africanidades; currículo cultural; encruzilhadas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ARAUJO, L.; NEIRA, M. G. O currículo da Educação Física em ação: análise do processo de significação das práticas corporais por parte dos sujeitos. Iniciação, v. 4, p. 1-17, 2014.

COSTA, M. V. Estudos Culturais – para além das fronteiras disciplinares. In: COSTA, M. V. (Org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 13-36, 2000.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Apicuri, 2016.

HALL, S. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A, 2006

LISBOA FILHO, F. F.; MACHADO, A. Comunicação e cultura: reflexões sobre a análise cultural como método de pesquisa. XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, 2015, Joinville/SC. Anais. Joinvile: Intercom, 2015. p. 1- 15.

MARTINS, J. C. J. Educação Física, currículo cultural e educação de jovens e adultos: novas possibilidades. 2019. 381f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo, SP, 2019.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2013.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MORAES, A. L. C. A análise cultural. In: 24º Encontro da Compós, 2015. Anais... Brasília, 2015. Disponível em: http://www.compos.org.br/biblioteca/compos-2015-4df33669-bb034c83-92ab-62fbe023bb30_2825.pdf Acesso em 23 de outubro de 2019.

MÜLLER, A. A avaliação no currículo cultural da Educação Física: o papel do registro na reorientação das rotas. 2016. 158f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2016.

NEIRA, M. G. Ensino de Educação Física. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

NEIRA, M. G. Currículo de Educação Física e o posicionamento dos sujeitos. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 115-131, ago./dez. 2016a.

NEIRA, M. G. Os procedimentos didáticos do currículo cultural da Educação Física. In:. NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. (Org.). Educação Física cultural: escritas sobre a prática. Curitiba: CRV, 2016b.

NEIRA, M. G. Educação Física cultural: inspiração e prática pedagógica. 2ª Ed. Jundiaí, SP: Paco, 2019.

NEIRA, M. G. Os conteúdos no currículo cultural da Educação Física e a valorização das diferenças: análises da prática pedagógica. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 18, n.2, p. 827-846 abr./jun. 2020.

NEVES, M. R. O currículo cultural de Educação Física em ação: efeitos nas representações culturais dos estudantes sobre as práticas corporais e seus representantes. 2018. 198f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo, São Paulo, 2018.

OLIVEIRA JÚNIOR, J. L. Significações sobre o currículo cultural da Educação Física: cenas de uma escola municipal paulistana. 2017. 156f. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo, SP, 2017.

PARAÍSO, M. A. Metodologias de pesquisa pós-crítica em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In:. MEYER, D. E.; PARAISO, M. A. (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2ª ed. Belo Horizonte: Mazza, 2014.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Coleccion Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.Setembro, 2005.

REIS, R. Educação Física cultural e africanidades: entre decolonialidades, Exu e encruzilhadas. 2021. 173 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021.

RUFINO, L. Pedagogia da Encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019

RUFINO, L. Pedagogia da Encruzilhadas. Revista Periferia, v.10, n.1, p. 71 - 88, Jan./Jun. 2018.

SANTOS JÚNIOR, F. N. Subvertendo as colonialidades: o currículo cultural de educação Física e a enunciação dos saberes discentes. 2020. 184f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo, 2020.

SILVA, P. B. G. Aprendizagem e ensino das africanidades brasileiras. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 2001. p. 151-168.

SIMAS, L. A. S.; RUFINO, L. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

WORTMANN, M. L. C. Análises culturais – um modo de lidar com histórias que interessam à educação. In: COSTA, Marisa Vorraber. (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2002. p. 71-90.




DOI: https://doi.org/10.5585/38.2021.20456

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional