Trajetórias escolares em contexto social desfavorável e as reformas educacionais recentes no Brasil

Vanessa Gomes de Castro, Fernando Tavares Júnior

Resumo


Este trabalho investigou o transcorrer de um conjunto de trajetórias escolares mediante a antecipação da idade de ingresso no ensino fundamental e a ampliação do tempo de permanência nesta etapa de ensino, instituídos respectivamente pelas Leis n.º 11.114/2005 e n.º 11.274/2006. Assim, foram analisadas trajetórias percorridas de 2006 a 2014, as quais integraram a primeira coorte de alunos de uma determinada escola pública municipal, totalmente submetida às referidas leis. Buscou-se examinar o fluxo dos alunos ao longo desta etapa de escolarização básica, considerando que, no horizonte dessas leis, estão a redução das desigualdades educacionais, especialmente aquelas que se manifestam por meio da reprovação escolar. As trajetórias foram acompanhadas através de diários de classe e atas de resultado final. Concluiu-se que, apesar dos estímulos legais, o fluxo das trajetórias escolares, sobretudo percorridas em contexto social desfavorável, demonstrou-se severamente comprometido pelas reprovações.


Palavras-chave


: políticas educacionais; ensino fundamental; trajetórias escolares; fluxo; reprovação escolar

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. L. O. Desigualdade e Desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira. Belo Horizonte: Editora Argvmentvm, 2009.

BONVIN, P.; BLESS, G.; SCHUEPBACH, M. Grade retention: decision-making and effects on learning as well as social and emotional development. School effectiveness and school improvement, v. 19, n. 1, p. 1-19, 2008.

BOUDON, R. A desigualdade das oportunidades: a mobilidade social nas sociedades industriais. Editora Universidade de Brasília, 1981.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A Reprodução - Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Ed., 1982.

BRASIL. Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Torna obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Lei nº 11.274, de 06 de fevereiro de 2006. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de nove anos para o ensino fundamental. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Ampliação do Ensino Fundamental para nove anos: 3º relatório do programa. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006b.

BYRNES, D. A. Attitudes of students, parents and educators toward repeating a grade. In SHEPARD, L. A.; SMITH, M. L. (Eds.). Flinking grades: research and policies on retention. London: Falmer Press, 1989.

CASTRO, V. G.; TAVARES JR., F. Jovens em Contextos Sociais Desfavoráveis e Sucesso Escolar no Ensino Médio. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 41, p. 239-258, 2016.

DAUBER, S. L.; ALEXANDER, K. L.; ENTWISLE, D. R. Characteristics of retainees and early precursors of retention in grade: Who is held back? Merrill-Palmer Quarterly, v. 39, p. 326-343, 1993.

FLETCHER, P. R.; RIBEIRO, S. C. O ensino de primeiro grau no Brasil de hoje. Em Aberto, Brasília, ano 06, n. 33, jan./mar. 1987.

FORQUIN, J. Sociologia da Educação: 10 anos de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1995.

FOSTER, J. E. Retaining children in grade. Childhood Education, v. 70, n. 1, p. 38-43, 1993.

FREY, N. Retention, social promotion, and academic redshirting: What do we know and need to know? Remedial and Special Education, v. 26, n. 6, p. 332-346, 2005.

GRISSOM, J. B.; SHEPARD, L. A. Repeating and dropping out of school. In SHEPARD, L.A.; SMITH, M. L. (Eds.), Fluncking grades: research and policies on retention. London: Falmer Press, 1989.

HATTIE, J. Visible learning for teachers. Routledge, New York, 2012.

HIRSCH, F. Social Limits to Growth. London: Routledge & Kegan Paul, 1977.

HOUSE, E. R. Policy implications of retention research. In SHEPARD, L. A.; SMITH, M. L. (Eds.) Flunking grades: research and policies on retention. London: Falmer Press, 1989.

JENCKS, C. et al. Inequality: A Reassessment of the Effect of Family and Schooling in America. New York: Basic Books, 1972.

KACZALA, C. Grade retention: A longitudinal study of school correlates of rates of retention. Cleveland OH: Cleveland Public Schools, 1991.

KLEIN, R.; RIBEIRO, S. C. A Pedagogia da Repetência ao Longo das Décadas. Avaliação de Políticas Públicas Educacionais, Rio de Janeiro, v.3, n. 6, p. 55-62, jan./mar. 1995.

LIDDELL, C.; RAE, G. Predicting early grade retention: A longitudinal investigation of primary school progress in a sample of rural South African children. British Journal of Educational Psychology, v. 71, n. 3, p. 413-428, 2001.

LIMA, R. C. P.; CAMPOS, P. H. F. Campo e grupo: aproximação conceitual entre Pierre Bourdieu e a teoria moscoviciana das representações sociais. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 1, p. 63-77, jan./mar. 2015.

MEISELS, S. J.; LIAW, F. Failure in grade: Do retained students catch up? The Journal of Educational Research, v. 87, n. 2, p. 69-77, 1993.

MENEZES-FILHO, N. Os Determinantes do Desempenho Escolar no Brasil. São Paulo: Instituto Futuro Brasil/ IBMEC/FEA USP, 2007.

MONTALVÃO, A. Estratificação Educacional no Brasil do Século XXI. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, n. 2, p. 389-430, 2011.

MORRIS, D. R. Patterns of aggregate grade-retention rates. American Educational Research Journal, v. 30, n.3, 497-514, 1993.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

NOGUEIRA, C. M. M.; FORTES, M. F. A Importância dos Estudos sobre Trajetórias Escolares na Sociologia da Educação Contemporânea. Paidéia, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 57-74, 2004.

PETERSON, S. E.; DEGRACIE, J. S.; AYABE, C. R. A longitudinal study of the effects of the retention promotion on academic achievement. American Educational Research Journal, v. 24, n. 1, 107-118, 1987.

SAVELI, E. L. Ensino Fundamental de nove anos: bases legais de sua implantação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 3, n. 1, p. 67-72, jan./jun. 2008.

STEARNS, E. et al. Staying back and dropping out: The relationship between grade retention and school dropout. Sociology of Education, v. 80, n. 3, p. 210-240, 2007.

TAVARES JR., F.; SIMÃO, T. C. O Plano Nacional de Educação e o rendimento educacional. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 11, n. 1 jan./jun. 2016.

TOMCHIN, E. M.; IMPARA, J. C. Unraveling teachers’ beliefs about grade retention. American Educational Research Journal, v. 29, n. 1, 199-223, 1992.




DOI: https://doi.org/10.5585/39.2021.20580

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional