Análise e reflexões sobre a Educação especial no Brasil: o cenário de 2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/44.2023.24030

Palavras-chave:

Educação brasileira, pessoas com deficiência, tecnologias nas escolas

Resumo

Questões de acessibilidade estão sendo cada vez mais tratadas nas legislações e práticas de inclusão adotadas no país e no mundo. Em relação à educação, algumas abordagens foram implementadas visando um ambiente escolar mais inclusivo, como a modalidade de Educação Especial. A fim de verificar como a Educação Especial está sendo atendida nas instituições brasileiras, o presente estudo teve como objetivo analisar dados abertos disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira [Inep] de 2021 para fins de diagnóstico sobre o status da Educação Especial no Brasil, por meio de técnicas de clusterização. Os resultados apresentaram novas percepções sobre a modalidade de Educação Especial brasileira, mostrando regiões que necessitam de mais investimento na área educacional, bem como regiões com dificuldades quanto ao uso de tecnologias, podendo causar diversos problemas, tal como a evasão escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Dias de Oliveira Sestito, Universidade de São Paulo – USP

Doutora em Ciência da Computação

 

Thiago Giroto Milani, Universidade Estadual Paulista “Julho de Mesquita Filho” – UNESP

Mestre em Ciência da Computação

 

Referências

BRASIL. Regulamentação de artigos da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. 2021. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/pessoa-com-deficiencia/acoes-e-programas/regulamentacao-de-artigos-da-lei-brasileira-de-inclusao-da-pessoa-com-deficiencia.

BRASIL. Lei n° 9.394/1996 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

BRASIL. DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. Regulamenta as Leis nº 10.048/2000 e nº 10.098/2000. Diário Oficial [da] União. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Brasília: Câmara de Educação Básica, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf.

BRASIL. 2015. Documento Orientador: Programa Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília: Ministério da educação. Secretaria de educação continuada, alfabetização, diversidade e inclusão. Diretoria de políticas de educação especial. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=11037&Itemid.

CARVALHO, R. E. 2004. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 176 p.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf.

GERHARDT, T. E.; SOUZA, A. C. Aspectos teóricos e conceituais. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

IBGE. Plano Nacional de Saúde (PNS). 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.html.

JAKUBOWICZ, D. S. C. 2020. A educação de estudantes com deficiência em tempos de pandemia. Disponível em: https://diversa.org.br/artigos/a-educacao-de-estudantes-com-deficiencia-em-tempos-de-pandemia/.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TORCHI, M. S. 2008. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. Cortez: São Paulo.

MANTOAN, M. T. E. 2006. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. 2003. Porto Alegre: Artmed, 264 p.

OLIVEIRA, C. D. Recursos de tecnologia assistiva digital para pessoas com deficiência sensorial: uma análise na perspectiva educacional. Universidade Federal de São Carlos. 2016. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/SCAR_259778573e1057d96c4103d0491c4626.

OLIVEIRA, B.; RIBEIRO, C. 2019. O que é análise de cluster. Disponível em: https://statplace.com.br/blog/analise-de-cluster/.

RODRIGUES, O. M. P. R. Prefácio. In: GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B.; OMOTE, S. As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Cultura Acadêmica, 2012, 232 p.

SANTOS, V.; ELIAS, N. C. 2018. Caracterização das matrículas dos alunos com transtorno do espectro do autismo por regiões brasileiras. Revista Brasileira de Educação Especial, 24, 465-482.

SILVA, A. Unsupervised Machine Learning: Clustering I e II. 2021. Aulas MBA Esalq USP em Data Science e Analytics.

SINHARAY, S. An Overview of Statistics in Education. International Encyclopedia of Education (Third Edition). 2010, Pages 1-11. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-08-044894-7.01719-X.

LI, Y.; WU, H. A Clustering Method Based on K-Means Algorithm. Physics Procedia. Volume 25, 2012, Pages 1104-1109. DOI: https://doi.org/10.1016/j.phpro.2012.03.206.

Downloads

Publicado

25.04.2023

Como Citar

SESTITO, Camila Dias de Oliveira; MILANI, Thiago Giroto. Análise e reflexões sobre a Educação especial no Brasil: o cenário de 2021. Dialogia, [S. l.], n. 44, p. e24030, 2023. DOI: 10.5585/44.2023.24030. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/24030. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê n. 44: Educação híbrida – desafios e vitórias