O ódio como um vetor de subjetivação

considerações teóricas sobre os discursos de ódio nas redes sociais digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/48.2024.24474

Palavras-chave:

discurso de ódio; redes sociais digitais; afeto; subjetividade

Resumo

Novas tecnologias da comunicação como as mídias sociais digitais oferecem aos sujeitos as possibilidades múltiplas de ver a si mesmos nos outros internautas, em suas palavras, áudios, vídeos, memes compartilhados. Ao modo de um ensaio, vamos percorrer alguns autores que nos possibilitarão desenvolver reflexões no sentido de explorar a dimensão subjetiva dos discursos de ódio, produzidos e veiculados nas redes socais digitais. Neste manuscrito defenderemos a proposição de que o sujeito é um elemento central que converte e organiza o caos das significações que povoam a realidade. Enquanto não formos capazes de avançarmos em estratégias de comunicação mais eficientes, estruturando contradiscursos que não tomem todos os nossos interlocutores como subjetivamente inferiores, em um status moral degradado em relação a nossa suposta superioridade, fracassaremos em qualquer ação de seguirmos rumos a cenários em que se preservem não apenas a liberdade de expressão, mas a dignidade inerente ao outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elton André Silva de Castro, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE) - Campus Afogados da Ingazeira

Doutor em Psicologia

 

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2019.

ALMEIDA, Thais; NAKAMURA, Fabíola; NAKAMURA, EDUARDO. Uma abordagem para identificar e monitorar haters em redes sociais online. Anais do XXIII Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídias e Web. Disponível em: http://www.inf.ufrgs.br/webmedia2017/wp-content/anaiswebmedia/files/wtd/wtd7.pdf. Acesso em: 29 de março de 2023.

AZEVEDO, Antônio Junqueira de. Caracterização jurídica da dignidade da pessoa humana. Revista da Faculdade de Direito USP. São Paulo, 7, 2002, p. 107-125. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v97i0p107-125. Acesso em: 01/04/2023.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro. Jorge Zhar Editora; 1999.

FREY, Luci Ribeiro. A trajetória do estranho: percepção e compreensão do estranho na teoria social contemporânea. Dissertação. (Mestrado em Sociologia) Unicamp, 2003. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/281478/1/Frey_LuciRibeiro_M.pdf

Acesso em: 01 nov. 2022.

LIBARDI, Guilherme. A misoginia online mediada por comentários no Youtube: um estudo comparativo ente os rastros nos videoclipes de Mc Guimê e Mc Pocahontas. Revista Ártemis. João Pessoa, 20, 2015, p. 180-186.

Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/27057

Acesso em: 29 de março de 2023.

MACEDO, Karen Tank Mercuri. Linchamentos virtuais: paradoxos nas relações sociais contemporâneas. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais). UNICAMP, Faculdade de Ciências Aplicadas, 2016. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/321038/1/Mercuri_KarenTank_M.pdf

Acesso em: 25 nov. 2022.

MALINI, Fabio; ANTOUN, Henrique. Monitoramento, vazamentos e anonimato nas revoluções democráticas das redes sociais. Revista Fronteiras – estudos midiáticos. São Leopoldo, 14, (2), 2012, p. 68-76. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/fem.2012.142.01. Acesso em 02 de abril de 2023.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/4mNCY5D6rmRDPWXtrQQMyGN/?lang=pt#. Acesso em: 10 mar. 2023.

NUNES, Gislaine Silveira. Disseminação do ódio nas redes sociais: análise dos comentários nas páginas do Movimento Brasil Livre e Revoltados Online. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. UFRGS, 2015. Disponível em:

http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/135420

Acesso em: 29 dez. 2022.

PAULY, Mirele Dourado. O discurso do ódio: a cultura do medo e a influência midiática sobre a (in)efetividade dos direitos fundamentais. 2015. 143 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2015. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/136020

Acesso em: 12 dez. 2022.

PEREIRA, Luis Ismael; CALDAS, Camilo Onoda Luiz. O fenômeno shitstorm: internet, intolerância e violação de direitos humanos. Interfaces Científicas: humanas e sociais. 6 (1), Aracaju, 2017, p. 123-134. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/humanas/article/view/3540. Acesso em: 15 nov. 2022.

SANTOS, Marcelo dos. Os Haters políticos: monitoramento e mapeamento dos hubs de oposição e do discurso do ódio no Facebook. Anais do XXXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Foz do Iguaçu, 2014. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2014/resumos/R9-0493-1.pdf Acesso em: 217 nov. 2022.

SANTOS JÚNIOR, Marcelo Alves dos. A rede de oposição radical no Facebook: cartografia e apontamos sobre os haters políticos. Revista de Estudos da Comunicação. Curitiba, 15 (38), 2014, p. 309-324. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/estudosdecomunicacao/article/view/22470. Acesso em: 08 dez. 2022.

STAROBINSKI, É possível definir o ensaio? Remate de Males. Campinas, 31, (1-2), 2011, p. 13-24. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8636219. Acesso em: 29 mar. 2023.

VALSINER, Jaan. Fundamentos de uma psicologia cultural: mundo da mente, mundos da vida. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Downloads

Publicado

26.02.2024

Como Citar

CASTRO, Elton André Silva de. O ódio como um vetor de subjetivação: considerações teóricas sobre os discursos de ódio nas redes sociais digitais. Dialogia, [S. l.], n. 48, p. e24474, 2024. DOI: 10.5585/48.2024.24474. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/24474. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos