Violência e educação: sensibilização por meio da cinematografia

Adilson Cristiano Habowski, Elaine Conte, Raul Maia de Andrade Neves Neto

Resumo


Tecer uma compreensão hermenêutica acerca da violência e suas interfaces com a educação não é uma tarefa fácil. Para tanto, a investigação propõe debater a questão da violência, tendo por base as discussões criadoras de Theodor Adorno e as potencialidades da cinematografia, que apresenta a violência escolar em relação às diferenças e à diversidade cultural. Será que a verdadeira luta contra a violência exige sua validez tematizada e colocada sob condições epistêmicas para o reconhecimento intersubjetivo na sala de aula? Concluímos que a escola precisa apropriar-se do saber epistêmico para lutar contra a exclusão e reprimir as formas de violência escolar e barbáries cotidianas, estabelecendo diálogos voltados para a sensibilidade humana em suas interfaces pedagógicas. A obra cinematográfica oferece possibilidades para novos entendimentos que podem ser reconstruídos em diferentes contextos, bem como lança questões sensíveis que surgem como inquietações para aprender a pensar sobre as violências escolares.


Palavras-chave


Educação. Violência. Cinematografia.

Texto completo:

pdf

Referências


ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund; HORKHEIMER, Max. A Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Teoria da Semicultura. Trad. Newton Ramos-de-Oliveira. Educação e Sociedade, Campinas, ano VII, n. 56, p. 388-411, dez. 1996.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

CHARLOT, Bernard. A questão antropológica na Educação quando o tempo da barbárie está de volta. Educar em Revista, Curitiba, v. 35, n. 73, p. 161-180, jan./fev. 2019. Disponível em: Acesso em: 05 abr. 2019.

FREUD, Sigmund. Mal-estar na civilização. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol: XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1930.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

HABERMAS, Jürgen. Agir comunicativo e razão destranscendentalizada. Trad. Lucia Aragão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2002.

HABOWSKI, Adilson Cristiano; CONTE Elaine; BRANCO, Lilian Soares Alves. A violência institucionalizada pela Indústria Cultural: debates educativos. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 4, n. 2, p. 481-498, 2018. Disponível em: Acesso em: 18 fev. 2019.

HABOWSKI, Adilson Cristiano; CONTE Elaine; FLORES, Helen Rose Flores de. Educação e violência na teoria crítica de Adorno. Fragmentos de cultura, Goiânia, v. 28, n. 2, p. 231-245, jan./mar. 2018. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2019.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: BENJAMIN, W.; HORKHEIMER, M.; ADORNO, T.; HABERMAS, J. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1991. p. 31-68.

LOUREIRO, Robson. Educação, cinema e estética: elementos para uma reeducação do olhar. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 135-154, 2008. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/6691>. Acesso em: 16 jan. 2019.

MORETTIN, Eduardo Victorio. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. In: CAPELATO. M. H. et al. História e cinema. São Paulo: Alameda. 2007. pp. 39-64.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N32.13614

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br