Multiculturalismo, interculturalismo e decolonialidade: prolegômenos a uma pedagogia decolonial

Manuel Tavares, Sandra Rosa Gomes

Resumo


Neste artigo refletimos sobre o processo de decolonialidade das estruturas de poder colonial, ainda dominantes nas instituições educativas, como reflexo evidente da colonialidade do poder, do saber, do gênero, da sexualidade e das relações sociais hierárquicas de dominação. As referências teóricas que nos guiam enquadram-se no modelo epistemológico pós-colonial, com enfoque específico nos estudos sobre interculturalidade, pela sua dimensão crítica,  insurgente e resistente em relação aos paradigmas epistemológicos e axiológicos da modernidade ocidental e pelo seu potencial propositivo e desafiante no que diz respeito à construção de novos paradigmas que possam configurar modelos pedagógicos decoloniais, inclusivos e dissolventes da tensão conflitante entre igualdade e diferença. Consideramos que os conceitos de pedagogia, interculturalidade e decolonialidade são indissociáveis e que é nas práticas sociais, políticas e educativas que se tecem os caminhos da decolonialidade.


Palavras-chave


Decolonialidade. Interculturalidade. Pedagogias. Colonialidade. Educação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N29.8646

Direitos autorais 2018 Dialogia



Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.