Economia circular como alternativa para o crescimento sustentável brasileiro: análise da Política Nacional de Resíduos Sólidos

José Paulo Cosenza, Eurídice Mamede de Andrade, Gardênia Mendes de Assunção

Resumo


Objetivo: apresentar uma visão global do tema economia circular, tentando mostrar os aspectos mais relevantes na implantação desse conceito e as práticas a si inerentes.

Metodologia: estudo de caso, com abordagem qualitativa, exploratória e descritiva, baseado na revisão de documentos e normas pertinentes às medidas dirigidas ao gerenciamento de resíduos sólidos no Brasil.

Relevância: o trabalho contribui para a discussão acadêmica sobre um conceito que se insere no âmbito do anseio mundial, assentado na produção e eliminação de resíduos, apostando nos conceitos de reutilização, reparação e renovação de materiais e energia e visando o crescimento econômico e o desenvolvimento humano preservando o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável.

Resultados: foi possível mostrar o movimento para incorporar a economia circular na produção e consumo no Brasil, destacando a necessidade de superar diferentes barreiras e desafios para viabilizá-lo de acordo com os critérios de sustentabilidade ambiental, conforme definido conceitualmente para a promoção da economia circular.

Contribuições: a partir da discussão teórica, associada à pesquisa empírica, as principais contribuições estão vinculadas ao fato de se dar ênfase às ações brasileiras de transformação de resíduos sólidos urbanos em energia e se descrever os principais aspectos relativos ao regulamento da logística reversa no Brasil, de modo a identificar sua vinculação com a economia circular.

Conclusão: observou-se a necessidade de uma grande mudança cultural, a partir da educação ambiental, articulada com um bom processo de sensibilização e comunicação social.


Palavras-chave


Economia circular; Sustentabilidade; Eficiência de Recursos; Gestão de resíduos; Recuperação de energia.

Texto completo:

INGL (English) PORT

Referências


Almeida, M., Simões, F., Dias, F., & Amado, A. (2016). Ceramic Industry contribution to a Circular Economy. Congress of Inovation on Sustainable Construction CINCOS’16, Curia, Portugal.

Andersen, M.S. (2007). An introductory note on the environmental economics of the circular economy. Sustainability Science, 2(1), 133-140. DOI: https://doi.org/10.1007/s11625-006-0013-6.

Andrade-Domínguez, F., López-Ayala, J., Romero-Cárdenas, E., Ortiz-Zurita, M., & Fabre-Merchán, P. (2017). Aprovechamiento energético de aceites usados y su contribución a la economía circular mediante el coprocesamiento en hornos cementeros. Revista Ciencia UNEMI, 10(24), 51-64, Septiembre. DOI: http://dx.doi.org/10.29076/issn.2528-7737vol10iss24.2017pp51-64p

Associação Brasileira de Alumínio - ABAL (2017). Reciclagem no Brasil. Recuperado em 11 de maio, 2018, de http://abal.org.br/sustentabilidade/reciclagem/reciclagem-no-brasil/.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública de Resíduos Especiais - ABRELPE (2018). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2017. [Edição especial 15 anos]. Recuperado em 07 de novembro, 2019, de http://abrelpe.org.br/download-panorama-2017/.

Brasil (2017). Ministério do Meio Ambiente. Relatório do Ministério do Meio Ambiente para o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado Em atendimento ao Artigo 9º da Resolução CONAMA 362/2005. Recuperado em 11 de novembro, 2019, de http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/61AA3835/Apresentacao_conama_2017_OLUC%20-%20ZILDA.pdf.

Brasil (2016). Ministério das Cidades. Resíduos Sólidos. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Recuperado em 13 de julho, 2019, de http://app3.cidades.gov.br/serieHistorica/#.

Brasil (2012). Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política nacional de resíduos sólidos. [recurso eletrônico]. – 2. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara.

Brasil (2011). Decreto n° 7.619, de 21 de Novembro de 2011. Regulamenta a concessão de crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI na aquisição de resíduos sólidos. Recuperado em 12 de julho, 2019, de http://legis.senado.leg.br/legislacao/DetalhaSigen.action?id=588363.

Brasil (2010). Decreto nº 7.404, de 23 de Dezembro de 2010. Regulamenta a Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Recuperado em 12 de julho, 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7404.htm.

Brasil (2009). Lei nº 12.187, de 29 de Dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências.

Brasil (2007). Lei nº 11.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências.

Brasil (1999). Lei nº 9795/1999 - Lei de Educação Ambiental. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Data da legislação: 27/04/1999 - Publicação DOU, de 28/04/1999.

Brasil (1997). Lei nº 9433/1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. - Data da legislação: 08/01/1997 - Publicação DOU, de 09/01/1997.

Brennan, G., Tennant, M., & Blomsma, F. (2015). Business and production solutions: closing the loop in. In: Kopnina, H., & Shoreman-Ouimet, E. (Eds.). Sustainability: Key Issues. 1st Edition. Oxford (UK): Routledge, p. 219-239.

Cerdá Tena, Emilio, & Khalilova, Aygun (2016). Economía circular. Revista Economía Industrial, 401, 11-20.

C100Brasil (2017). Uma Economia Circular no Brasil: uma abordagem exploratória inicial. EMF- Ellen Macarthur Foundation.

Comissão Europeia – CE (2014). A Economia Circular: interligação, criação e conservação de valor. Bruxelas: Comissão Europeia. DOI: doi:10.2779/85279.

Comissão Europeia – CE (2015). Para uma economia circular: programa para acabar com os resíduos na Europa. Bruxelas: Comissão Europeia. Recuperado em 26 de maio, 2019, de https://ec.europa.eu/transparency/regdoc/rep/1/2014/PT/1-2014-398-PT-F1-1.Pdf.

Confederação Nacional da Indústria (2017). A indústria elétrica e eletrônica impulsionando a economia verde e a sustentabilidade. Brasília: Confederação Nacional da Indústria, Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica.

CSR Piemonte (2019). Economia Circolare: Verso un nuovo paradigma di sviluppo economico sostenibile. Regione Piemonte e Unioncamere Piemonte. Recuperado em 23 de outubro, 2019, de http://www.csrpiemonte.it/comunicazione/dwd/economia-circolare-2019.pdf.

Ellen MacArthur Foundation – EMF (2013a). Towards the Circular Economy [Economic and business rationale for an accelerated transition]. [vol. 1] Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation. Recuperado em 23 de junho, 2019, de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/publications/Ellen-MacArthur-Foundation-Towards-the-Circular-Economy-vol.1.pdf.

Ellen MacArthur Foundation – EMF (2013b). Towards the Circular Economy [Opportunities for the consumer goods sector]. [vol. 2] Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation. Recuperado em 23 de junho, 2019, de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/publications/towards-the-circular-economy-vol-2-opportunities-for-the-consumer-goods-sector.

Ellen MacArthur Foundation – EMF (2014). Towards the Circular Economy [Accelerating the scale-up across global supply chains]. [vol. 3] Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation. Recuperado em 23 de junho, 2019, de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/publications/Towards-the-circular-economy-volume-3.pdf.

Ellen MacArthur Foundation – EMF (2015). Rumo à Economia Circular: o racional de negócio para acelerar a Transição. Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation. Recuperado em 10 de maio, 2019, de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/Rumo-à-economia-circular_Updated_08-12-15.pdf.

European Commission – EC (2014). Towards a Circular Economy: a Zero Waste Programme for Europe. Communication from the Commission to the European Parliament COM(2014) 398, July 2, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of the Regions. European Commission, Brussels. Recuperado em 23 de maio, 2019, de http://www.eukn.eu/fileadmin/Files/News/2014/towards_a_circular_economy.pdf.

European Commission – EC (2015). Closing the Loop - an EU Action Plan for the Circular Economy. Com(2015) 614, Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of the Regions. European Commission, Brussels.

Exame (2019). Especial Guia Exame de Sustentabilidade: A economia do futuro. Revista Exame, v. 53, n. 21, ed. 1197, 13/11/2019.

Ferreira, P. G.; da Silva, F. C.; Ferreira, V. F. (2017). A importância da Química para a Economia Circular. Revista Virtual de Química, 9(1), 452-473.

Filleti, A., & Santos, L. A. (s.d.). Mercado de reciclagem de alumínio no Brasil é promissor. AECweb Revista Digital. Recuperado em 26 de fevereiro, 2019, de https://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/mercado-de-reciclagem-de-aluminio-no-brasil-e-promissor_10614_10_0.

Geissdoerfer, M., Savaget, P., Bocken, N.M.P., & Hultink, E.J. (2017). The Circular Economy - A new sustainability paradigm? Journal of Cleaner Production, 143, 757-768. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jclepro.2016.12.048.

Geng, Y., Fu, J., Sarkis, J., & Xue, B. (2012). Towards a national circular economy indicator system in China: an evaluation and critical analysis. Journal of Cleaner Production, 23, 216-224. DOI: 10.1016/j.jclepro.2011.07.005.

Geng, Y., Sarkis, J., Ulgiati, S., & Zhang, P. (2013). Measuring China's Circular Economy. Science, 339, 1526-1527, March. DOI: 10.2307/41942068.

Ghisellini, P., Cialani, C., & Ulgiati, S. (2016). A review on circular economy: the expected transition to a balanced interplay of environmental and economic systems. Journal of Cleaner Production, 114, 11-32. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2015.09.007.

Gonçalves, C. S. (2017). Utilização de resíduos/subprodutos no caminho para a Economia Circular – Caso de Estudo na Indústria Corticeira. [Relatório Mestrado em Economia e Gestão do Ambiente] Porto: Universidade do Porto.

Grandelle, R. (2019). Brasil recicla apenas 1% do lixo plástico produzido. Jornal O Globo, 05/03/2019, p. 18.

Grupo Interministerial Economia Circular (2017). Liderar a transição [plano de ação para a economia circular em Portugal: 2017-2020]. Recuperado em 28 de agosto, 2019, de http://eco.nomia.pt/pt/recursos/noticias/planoeconomiacircular.

Hogan, D. J. (1993). Crescimento populacional e desenvolvimento sustentável. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 31, 57-78.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA (2017). Relatório de pneumáticos: Resolução Conama nº 416/09: 2017 (anobase 2016) / Diretoria de Qualidade Ambiental. – Brasília: Ibama. 77 p.. Recuperado em 27 de outubro, 2019, de https://www.saneamentobasico.com.br/wp-content/uploads/2018/07/Ibama-Relatorio-Pneumaticos-2017.pdf.

Instituto Jogue Limpo (2017). Logística reversa de lubrificantes. . Recuperado em 11 de maio, 2019, de https://www.joguelimpo.org.br/institucional/index.php.

Jonker, J., Stegeman, H., & Faber, N. (2017). The Circular Economy - Developments, concepts, and research in search for corresponding business models. [Whitepaper] Nijmegen: Radboud University Nijmegen, Januar. Recuperado em 23 de outubro, 2019, de https://www.researchgate.net/publication/313635177_The_Circular_Economy_-_Developments_concepts_and_research_in_search_for_corresponding_business_models.

Leitão, A. (2015). Economia circular: uma nova filosofia de gestão para o séc. XXI. Portuguese Journal of Finance, Management and Accounting, 1(2), 149-171, September.

Leontief, W. (2007). A economia como processo circular [tradução José Antonio Ortega & Antonio Cláudio Sochaczewski]. Revista Economia Contemporânea, 11(1), 119-176, jan./abr.

Lieder, M. & Rashid, A. (2016). Towards circular economy implementation: a comprehensive review in context of manufacturing industry. Journal of Cleaner Production, Vol. 115, No. 1, p. 36-51, March. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2015.12.042.

Luz, B. [Org.] (2017). Economia circular Holanda-Brasil: da teoria à prática. 1. ed. Rio de Janeiro: Exchange 4 Change Brasil.

Machado, C. C. (2015). Projetos de mecanismo de desenvolvimento limpo em aterros sanitários como opção para a gestão sustentável dos resíduos sólidos no Brasil: o caso do Aterro Bandeirantes. RBPO, 5(2), 180-196.

Meyer, B. et al (2011). Macroeconomic modelling of sustainable development and the links between the economy and the environment. Estudio para la Comisión Europa (DG Medio Ambiente), Recuperado em 29 de outubro, 2019, de http://ec.europa.eu/environment/enveco/studies_modelling/pdf/report_macroeconomic.pdf.

Ministero dell’Ambiente e della Tutela del Territorio e del Mare & Ministero dello Sviluppo Economico (2017). Verso un modello di economia circolare per l’Italia – Documento di inquadramento e posizionamento strategico. Roma: Ministero dell’Ambiente, 2017. Recuperado em 22 de outubro, 2019, de https://circulareconomy.europa.eu/platform/sites/default/files/national_strategy_for_circular_economy_11_2017_it1.pdf.

Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima - IPCC (2013). Alterações climáticas 2013: a base científica. Lisboa: Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Plano de Ação para a Economia Circular em Portugal - PAEC (2017). Resolução do Conselho de Ministros n.º 190-A/2017. Diário da República, 1ª série, nº 236 de 11 de dezembro de 2017.

Plural (2018). Anuário Plural 2018. Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência. Recuperado em 05 de março, 2019, de https://anuario2018.somosplural.com.br/

Reciclus (2018). Programa Reciclus ultrapassa os 500 pontos de coleta. Boletim Reciclus, Maio-Junho. Recuperado em 05 de março, 2019, de https://drive.google.com/file/d/1-N7ZS0Fgsa-TfXT638J7qXi7AMUfF5lW/view.

Ribeiro, F. M. & Kruglianska S. I. (2014). A Economia Circular no contexto europeu: Conceito e potenciais de contribuição na modernização das políticas de resíduos sólidos. In: XVI ENGEMA- Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Anais, 2014. . Recuperado em 05 de março, 2019, de http://www.engema.org.br/XVIENGEMA/473.pdf.

Santos, G.M.A. (2019). A gestão ambiental rumo à economia circular: como o Brasil se apresenta nessa discussão. Sistemas & Gestão, 14, 223-231.

Schiettekatte, N.; Bakker, E.J. (2017). Uma Holanda circular em 2050. In: Luz, B. (Org.). Economia circular Holanda-Brasil: da teoria à prática. 1. ed. Rio de Janeiro: Exchange 4 Change Brasil, p. 3-10.

Simões, A. F. B. S. (2017). Economia Circular na Indústria Cerâmica Proposta de classificação do resíduo “caco cozido como subproduto”. [Relatório Mestrado em Gestão Ambiental] Coimbra: Instituto Politécnico de Coimbra / Escola Superior Agrária de Coimbra.

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS (2017). Coleta de dados do SNIS 2017. Recuperado em 05 de novembro, 2019, de http://www.snis.gov.br/

Stahel, W.R. The product life factor. An Inquiry into the Nature of Sustainable Societies: The Role of the Private Sec An Inquiry into the Nature of Sustainable Societies: The Role of the Private Sector (Series: 1982 Mitchell Prize Papers). NARC, 1982. Recuperado em 05 de julho, 2019, de https://p2infohouse.org/ref/33/32217.pdf.

Stahel, W.R. & Reday-Mulvey, G. (1981). Jobs for tomorrow: the potential for substituting manpower for energy. New York : Vantage Press.

Steffen, W., Richardson, K., Rockstrӧm, J., Cornell, S.E., Fetzer, I., Bennett, E. M., Biggs, R., Carpenter, S.R., De Vries, W., De Wit, C.A., Folke, C., Gerten, D., Heinke, J., Mace, G.M., Persson, L.M., Ramanathan, V., Reyes, B., & Sӧrlin, S. (2015). Planetary boundaries: Guiding human development on a changing planet. Science, 347(6223), 1-10.

Su, B., Heshmati, A., Geng, Y., & Yu, X. (2013). A review of the circular economy in China: moving from rhetoric to implementation. Journal of Cleaner Production, 42, 215-227. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2012.11.020.

United Nations (2018). The Sustainable Development Goals Report 2018. New York, NY: Department of Economic and Social Affairs, 2018. Disponível em: https://unstats.un.org/sdgs/report/2018/. Acesso em 7 mai. 2019.

Webster, K. (2015). The Circular Economy: A Wealth of Flows. Isle of Wight: Ellen MacArthur Foundation.

World Economic Forum. World Economic Forum Young Global Leaders Taskforce Cradle to Cradle and Evolutionary Business Models. [Position Paper]. Davos: World Economic Forum YGL Taskforce, 2011. Recuperado em 16 de setembro, 2019, de http://www.truevaluemetrics.org/DBpdfs/Initiatives/WEF/WEF-YGLT-01-Circular-Economy-position-paper.pdf.

World Economic Forum. Young Global Leaders Circular Economy Innovation & New Business Models Dialogue [Young Global Leaders Sharing Economy Dialogue Position Paper 2013]. Cologny/Geneva: World Economic Forum, 2013. Recuperado em 26 de setembro, 2019, de http://www3.weforum.org/docs/WEF_YGL_CircularEconomyInnovation_PositionPaper_2013.pdf.

World Wildlife Fund (2019). Solving plastic pollution 2019 through accountability. Geneva, Switzerland: WWF - World Wide Fund For Nature [WWF International by Dalberg].




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v9i1.16147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional