A mediação de conflitos como instrumento de concretização da teoria da justiça de John Rawls

Fernando Fortes Said Filho

Resumo


John Rawls desenvolveu sua teoria da justiça como equidade a partir da noção de que cabe aos próprios indivíduos estabelecer os princípios básicos de organização da sociedade. O autor considera que os membros devem estar numa posição original de igualdade envolvidos pelo véu de ignorância, capaz de evitar a influência de condições pessoais na escolha desses critérios. Tais princípios da justiça legitimariam uma sociedade democrática, pois fundamentados na liberdade e igualdade (ou respeito às diferenças). Entretanto, é comum que surjam divergências de interesses como decorrência natural das relações interpessoais, fator que representa um risco à manutenção do arranjo social. O presente artigo tem por objetivo mostrar que a mediação se apresenta como um mecanismo de tratamento de conflitos que melhor concretiza a teoria de Rawls, pois pretende o restabelecimento do vínculo entre as partes, permitindo aos envolvidos a construção pacífica da solução através da participação ativa na tomada de decisões.

Palavras-chave


Justiça como equidade; Organização da sociedade; Conflito; Mediação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, J. E. Carreira. Teoria geral do processo. 14. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

ANDREWS, Neil. O moderno processo civil: formas judiciais e alternativas de resolução de conflitos na Inglaterra. Tradução do autor. Orientação e revisão da tradução Teresa Arruda Alvim Wambier. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

BERMUDES, Sérgio. Introdução ao processo civil. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BRAGA NETO, Adolfo. Alguns aspectos relevantes sobre a mediação de conflitos. In: SALES, Lília Maia de Morais (org.). Estudos sobre mediação e arbitragem. Rio-São Paulo-Fortaleza: ABC, 2003.

CALMON, Petronio. Fundamentos da conciliação e da mediação. 3ª ed. Brasília: Gazeta Jurídica, 2015.

CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

CARNELUTTI, Francesco. Instituciones del proceso civil. Traducción de la quinta edición italiana por Santiago Sentis Melendo. Buenos Aires: Juridicas Europa-America, 1959. v. 1.

CINTRA, Antônio Carlos; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 18. ed., rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2002.

DANNER, Leno Francisco. Justiça distributiva em Rawls. Thaumazein (Santa Maria). V. 1, n. 2, 2008.

ENTELMAN, Remo F. Teoría de conflictos. Barcelona: Gedisa, 2002.

GHISLENI, Ana Carolina; SPENGLER, Fabiana Marion. A justiça como equidade na teoria de John Rawls: a mediação enquanto política pública de sua concretização. Revista Desenvolvimento em questão. Ed. Unijuí, ano 9, n. 18, jul/dez 2011, p. 5-29.

GUERRERO, Luis Fernando. Os métodos de solução de conflitos e o processo civil. São Paulo: Atlas, 2015.

KEPPEN, Luiz Fernando Tomasi; MARTINS, Nadia Bevilaqua. Introdução à resolução alternativa de conflitos. Curitiba: JM Livraria Jurídica, 2009.

JOBIM, Marco Félix. Teoria, história e processo: com referências ao CPC/2015. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2016.

MORAIS, José Luiz Bolzan de; SPENGLER, Fabiana Marion. Mediação e arbitragem: alternativas à jurisdição. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

NAVARRO, Trícia. A evolução da Conciliação e da Mediação no Brasil. Revista FONAMEC. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, maio 2017, p. 368-383.

OLIVEIRA, Cícero. Justiça e equidade em John Rawls. Cadernos de Ética e Filosofia Política. N. 27, 2016, p. 114-128.

PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. A mediação judicial no novo CPC. In: RIBEIRO, Darci Guimarães; JOBIM, Marco Félix (Org.). Desvendando o novo CPC. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

QUINTANILHA, Flávia Renata. A concepção de justiça de John Rawls. Intuitio. Vol. 3, n. 1. Porto Alegre, jun. 2010, p. 33-44.

RIBEIRO, Darci Guimarães. Da tutela jurisdicional às formas de tutela. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

ROCHA, José Albuquerque de. Estudos sobre o poder judiciário. São Paulo: Malheiros, 1995.

______. Teoria geral do processo. 10. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2009.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Trad. Almiro Pisetta e Lenita M. R. Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SALES, Lília Maia de Morais; RABELO, Cilana de Morais Soares. Meios consensuais de solução de conflitos: instrumentos de democracia. Revista de informação legislativa. Brasília, a. 46, n. 182, abr./jun. 2009.

SALES, Lília Maia de Morais. CHAVES, Emmanuela Carvalho Cipriano. Conflito, Poder Judiciário e os equivalentes jurisdicionais: mediação e conciliação. Revista da AJURIS, v. 41, n. 134, junho de 2014.

SILVA, Ricardo Perlingeiro da. Teoria da Justiça de John Rawls. Revista de informação legislativa. Brasília, ano 35, n. 138, abr/jun 1998, p. 193-212.

SIQUEIRA, Natercia Sampaio; POMPEU, Gina Vidal Marcilio. A equidade em uma democracia: análise comparativa entre Rawls e Dworkin. Revista de Teorias da Justiça, da Decisão e da Argumentação Jurídica. Minas Gerais, v. 1, n. 2, jul/dez 2015, p. 134-153.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v18n1.11605

Direitos autorais 2019 Prisma Juridico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prisma Jurídico
ISSN da versão impressa: 1677-4760
ISSN da versão eletronica: 1983-9286
revistaprisma.org.br