Perfil epidemiológico do estresse de profissionais de enfermagem de um hospital

Leonardo Magela Lopes Matoso, Agostinha Mafalda Barra de Oliveira

Resumo


Este estudo objetivou analisar o perfil epidemiológico dos profissionais da enfermagem de um hospital público em relação ao nível de estresse. Para tanto, foi realizado uma pesquisa de teor aplicado, de natureza descritiva, realizada por procedimento técnico de pesquisa de campo, em abordagem quantitativa. Participaram desta pesquisa 200 profissionais de enfermagem de um hospital no nordeste brasileiro. Foram utilizados um questionário sociodemográfico, para traçar o perfil e o Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp, com o objetivo de mensurar os níveis de estresse. Os resultados evidenciaram que 90% dos profissionais são mulheres. 45% com idade entre 26 a 35 anos, onde 44,5% estão casadas/união estável. 73% são técnicas de enfermagem que atuam na assistência. 59,5% recebem entre um e dois salários mínimos e trabalham 30 horas semanais. 68% não trabalham em outra organização e 46% escolheram atuar na enfermagem por afinidade. No que tange ao estresse, 68% possuem algum nível. Destes, 59,5% estavam na fase de resistência/quase exaustão; com predominância de sinais e sintomas tanto físicos quanto psicológicos. Diante dos resultados, recomenda-se a implantação de políticas e programas institucionais que visem à redução do estresse dos profissionais de enfermagem, buscando, por meio de ações internas, preparar física e psiquicamente os trabalhadores, de modo que resulte em melhoria da qualidade de vida desses profissionais e da assistência prestada por eles.


Palavras-chave


Epidemiologia. Estresse Ocupacional. Estresse Fisiológico. Hospitais.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. M. de O., Lima, A. K. G., Vasconcelos, M. G. F., Lima, A. C. S., & Oliveira, G. Y. M. de. (2016). Estresse ocupacional em enfermeiros que atuam em cuidados ao paciente crítico. Revista de Enfermagem UFPE on line, 10(5), 1663–1671.

Barreto, B. M. F., Valente, G. S. C., Silva, R. P., Camacho, A. C. L. F., & Oliveira, B. G. R. B. de. (2016). A interferência do estresse no trabalhador de enfermagem no ambiente hospitalar e sua relação como fator de risco para a ocorrência de câncer. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 8(2), 41–54.

Bravo, M. I. S. (2017). Política de saúde no Brasil. In Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional (6o ed.). São Paulo: Editora Cortez.

Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. (2017). Hospital Maternidade Almeida Castro. Recuperado em 30 de janeiro de 2017, de http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/ficha/infGerais/2408002410281%0A

Conselho Federal de Enfermagem. (2011). Parecer técnico COREN no5 de 2011. Recuperado em 19 de abril de 2017, de http://www.coren-df.gov.br/site/no-0052011/

Dalri, R. de C. de M. B., Silva, L. A. da, Mendes, A. M. O. C., & Robazzi, M. L. do C. C. (2014). Nurses’ workload and its relation with physiological stress reactions. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(6), 959–965.

Devore, J. L. (2014). Probabilidade e estatística para engenharia e ciências (8o ed). São Paulo: Cengage Learning.

Feldman, R. S. (2015). Introdução a psicologia (10o ed). Poto Alegre: AMGH.

Ferreira, R. G. (2015). Estresse do profissional de enfermagem no serviço noturno: uma questão de saúde. Revista Saúde e Desenvolvimento, 7(4), 147–165.

Fiorelli, J. O. (2017). Psicologia para administradores: integrando teoria e prática (9o ed). São Paulo: Editora Atlas.

Gil-Monte, P. R. (2012). Riesgos psicosociales en el trabajo y salud ocupacional. Revista Peruana de Medicina Experimental y Salud Pública, 29(2), 237–41.

Higashi, P., Simonetti, J. P., Antonieta, M., Leite, D. B., Spiri, W. C., Maria, C., & Lima, G. De. (2013). Potentially stressful situations for nurses considering the condition of accreditation of hospitals. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 14(6), 1141–1148.

International Stress Management Association. (2013). Facts about Stress. UK: ISMAUK. Recuperado em 10 de agosto de 2016, de http://www.isma.org.uk/wp-content/uploads/2013/08/Facts-about-stess_2013.pdf

Lipp, M. E. N. (2000). O stress está dentro de você. (2o ed). São Paulo: Contexto.

Magalhaes, A. M. M; Dall’agnol, C. M., & Marck, P. B. (2013). Carga de trabalho da equipe de enfermagem e segurança do paciente - estudo com método misto na abordagem ecológica restaurativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(1), 146–154.

Ministério da Fazenda. (2016). Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho. Brasília: MF. Recuperado em 15 de novembro de 2018, de http://www.previdencia.gov.br//site/ /2018/04/AEAT-2016.pdf

Mistério da Fazenda, Secretaria de Previdência, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência. (2015). Anuário Estatístico da Previdência Social. Brasília: MF/DATAPREV. Recuperado em 15 de abril de 2017, de http://www.previdencia.gov.br/ site/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf

Oliveira, R. de J., & Cunha, T. (2014). Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Caderno de Saúde e Desenvolvimento, 3(2), 79–93.

Potter, P. A., Perry, A. G., Stockert, P. A., & Hall, A. M. (Orgs.) (2013). Fundamentos da enfermagem. (8o ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

Richardson, R. J. (2017). Pesquisa social: métodos e técnicas. (4 o ed. rev., atual. e ampl.). São Paulo: Atlas.

Sadir, M. A., Bignotto, M. M., & Lipp, M. E. N. (2010). Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paideia, 20(45), 73–81.

Selye, H. (1950). Stress and the general adaptation syndrome. British Medical Journal, 3(4), 1384–1392.

Vergara, S. C. (2016). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (16o ed). São Paulo: Editora Atlas.

World Health Organization. (2014) Recuperado em 9 de junho de 2017, de http://www.who.int/occupational_health/topics/stressatwp/en/%0A.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14926

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.