Gestores de serviços de saúde: a história de cada um sobre si

Fátima Ferreira Roquete, Monaliza Antunes Ferraz, Adriane Vieira, Karla Rona da Silva

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer a identidade de gestores de nível tático de uma operadora de autogestão em saúde, considerando a história que cada um conta sobre si. Trata-se de pesquisa qualitativa descritiva, realizada com uso do método de estudo de caso. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, realizadas com os três gestores de nível tático da operadora em questão, e foram submetidos a análise de conteúdo. Ao contarem a história sobre aquilo que são, esses profissionais revelaram esferas essenciais ao processo de construção da identidade biográfica do indivíduo, apreendido mediante as dimensões temporais passado, presente e futuro. Eles falaram da família, dos pais, dos professores e, em especial, do percurso profissional e do “mundo vivido do trabalho”, além da forma como os vínculos estabelecidos nesses espaços e as experiências advindas das dimensões macroambiente, ambiente e contexto do trabalho se mostraram importantes para a construção positiva de si. Tal construção se mostrou indissociável da mobilização de competências profissionais para o enfretamento de diversos desafios no cotidiano do trabalho. Diante dos achados deste estudo, propõe-se sua continuação, articulando identidade e competência profissional de gestores das demais modalidades de operadoras que prestam assistência à saúde e de gestores que atuam em organizações públicas e filantrópicas do sistema de saúde do Brasil.


Palavras-chave


Identidade. Níveis Decisórios. Autogestão em Saúde. Competências Profissionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2017). Caderno de informação da saúde suplementar: beneficiários, operadoras e planos. Rio de Janeiro, RJ: Autor.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Ed. 70.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2014). A construção social da realidade (36a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Camelo, S. H. H., & Angerami, E. L. S. (2013). Competência profissional: a construção de conceitos, estratégias desenvolvidas pelos serviços de saúde e implicações para a enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 22(2), 552-560.

Cardoso, M. E. (2010). Identidades(s) e identidades(s) docentes(s). Jornal de Políticas Educacionais, 4(8), 35-51.

Caria, H. T., Sousa, P., & Almeida, L. J. (2017). A identidade profissional institucional: atualidade da pesquisa em serviço social. Sociologia, Problemas e Práticas, 85, 149-165.

Cheetham, G., & Chivers, G. (1996). Towards a holistic model of professional competence. Journal of European Industrial Training, 20(5), 20-30.

Cheetham, G., & Chivers, G. (1998). The reflective (and competent) practitioner: a model of professional competence which seeks to harmonise the reflective practitioner and competence-based approaches. Journal of European Industrial Training, 22(7), 267-276.

Cheetham, G., & Chivers, G. (2000). A new look at competent professional practice. Journal of European Industrial Training, 24(7), 374-383.

Davel, E. P. B., & Melo, M. C. O. L. (2005). Gerência em ação: singularidades e dilemas do trabalho gerencial. Rio de Janeiro, RJ: Ed. FGV.

Duarte, A. L. C. M., Oliveira, F. M., Santos, A. A., & Santos, B. F. C. (2017). Evolução na utilização e nos gastos de uma operadora de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22(8), 2753-2762.

Dubar, C. (2005). A socialização: construção de identidades sociais e profissionais. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Dubar, C. (2012). A construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cadernos de Pesquisa, 42(146), 351-367.

Erikson, E. H. (1987). Identidade. Juventude e crise (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara.

Laing, R. D. (1986). O eu e os outros: o relacionamento interpessoal (7a ed.). São Paulo, SP: Petrópolis.

Martins, L. M., Ferraz, M. A., Vieira, A., Oliveira, F. E. G., & Roquete, F. F. (2016). Competências profissionais de gestores de nível estratégico de uma operadora de autogestão em saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 13(4), 112-124.

Maximiano, A. C. A. (2015). Introdução à administração. São Paulo, SP: Atlas.

Medeiros, C. R. O., Wimmersberger, D. A., & Miranda, R. (2015). Revisitando Mintzberg: fatos e folclores no trabalho gerencial pela perspectiva de gestores de uma multinacional. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, 8(2), 86-122.

Ministério da Saúde. (2012). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF: Conselho Nacional de Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.

Oliveira, M., Veras, R., & Cordeiro, H. (2017). A saúde suplementar e o envelhecimento após 19 anos de regulação: onde estamos? Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 20(5), 625-634.

Oliveira, P. W. S. (2011). Construção de identidades profissionais: da formação à vivência da inserção no mercado de trabalho. Revista Labor, 1(6), 115-133.

Pope, C., & Mays, N. (2009). Métodos qualitativos na pesquisa em saúde. In P. Catherine, & M. Nicholas (Orgs.), Pesquisa qualitativa na atenção à saúde (3a ed., pp. 11-21). Porto Alegre, RS: Artmed.

Roquete, F. F. (2012). Identidade e competências profissionais: um estudo com diretores executivos de uma cooperativa de trabalho médico de Minas Gerais. 2012. 230f. (Tese (de Doutorado em Enfermagem). Belo Horizonte, MG: Escola de Enfermagem. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. 230f.

Roquete, F. F., & Brito, M. J. M. (2014). Dimensões contextuais do trabalho: a visão de diretores executivos de uma Unimed de Minas Gerais. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 24(, n.2), p.186-.193 abr./jun. 2014.

Roquete, F. F., & Brito, M. J. M. (2017). Identidade e competências profissionais de gestores de saúde no Brasil: uma perspectiva teórico-metodológica de análise. In Anales del 6o Congreso Iberoamericano en Investigación Cualitativa (Vol. 2, pp. 919-924). Salamanca, España.

Salazar, K. A., Silva, A. R. L., & Fantinel, L. D. (2015). As relações simbólicas e a motivação no trabalho voluntário. Revista de Administração Mackenzie, 16(3), 171-200.

Saraiva, L. A. S., Pimenta, S. M., & Corrêa, M. L. (2005). Globalização e reestruturação produtiva: desafios à indústria têxtil brasileira. Revista de Administração da USP, 40(1), 68-82.

Silva, V. V., & Loebel, E. (2016). Desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos de saúde suplementar. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 5(2), 57-70.

Souza, M. M. P., & Carrieri, A. P. (2013). A arte de (sobre)viver coletivamente: estudando a identidade do Grupo Galpão. Revista de Administração da USP, 48(1), 7-20.

Spudeit, D., & Cunha, M. V. (2016). O processo de socialização na construção da identidade dos bibliotecários em Santa Catarina. Revista em Questão, 22(3), 56-83.

Vozniak, L., Mesquita, I., & Batista, P. F. (2016). A identidade profissional em análise: um estudo de revisão sistemática da literatura. Revista do Centro de Educação, 41(2), 281-296.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos (5a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14927

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.