Atenção hospitalar: interatividades por entre constituição histórico-social, gestão e humanização em saúde

Jaqueline Luvisotto Marinho, Gabriel Alves Carrião, Jéssica Ribeiro Marques

Resumo


Diante da realidade e importância dos hospitais nas redes de saúde e dos diversos problemas e dificuldades envolvidos na gestão e assistência desses serviços de saúde, foram desenvolvidas reflexões sobre as possibilidades de atenção à saúde hospitalar de qualidade, resolutiva e humanizada, com cuidado pautado na integralidade e singularidade, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da realização de pesquisa de abordagem qualitativa, de cunho teórico, bibliográfico e documental. Considerando o pensamento complexo, foram desenvolvidos eixos de reflexão, e a partir destes, fluxos de interatividades e focos de direcionamento do olhar. Foram estabelecidas como eixos de reflexão a constituição histórico-social do hospital, a humanização em saúde e a gestão em saúde; como fluxos de interatividades, permeando entre e por entre os eixos, as possibilidades de constituição de gestão e de assistência hospitalar humanizada e de práticas de saúde no hospital fundamentadas na interlocução entre as dimensões populares, culturais, sociais e individuais, e as científicas, técnicas e bio-médicas. Os focos de direcionamento do olhar envolveram a religiosidade, o projeto terapêutico singular e as práticas integrativas e complementares - especificamente o uso de plantas medicinais e fitoterápicos -, no contexto da atenção hospitalar no âmbito do SUS. Os direcionamentos metonímicos se relacionaram às possibilidades de constituição de hospitais, com atenção à saúde resolutiva e de qualidade, fundamentadas em gestão e assistência humanizada, com interlocução de práticas e saberes para além do legitimado e padronizado em saúde.


Palavras-chave


Atenção hospitalar. Gestão hospitalar. Humanização em saúde. Projeto terapêutico singular. Fitoterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, M. A., & Campos, G. W. S. (2011). Organização do trabalho e gestão do cuidado em saúde: uma metodologia de cogestão. In G. Vecina Neto, A. M. Malik. Gestão em Saúde (pp. 73-84). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Antonio, G. D., Tesser, C. D., & Moretti-Pires, R. O. (2014). Fitoterapia na atenção primária à saúde. Revista de Saúde Pública, 48(3), 541-553. Recuperado em 25 fevereiro, 2019, de http://www.revistargss.org.br/ojs/index.php/rgss/article/view/415/240

Balestieri, F. M. P. (2009). Quando a cura vem do coração e da mente: a fé e o efeito placebo. Revista de Ciências das Religiões, 6(2), 67-80. Recuperado em 10 janeiro, 2019, de http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/religare/article/view/8235/4663

Boyd-Franklin, N. (2010). Incorporating Spirituality and Religion Into the Treatment of African American Clients. The Counseling Psychologist, 38(7), 976-1000. Recuperado em 05 janeiro, 2019, de https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0011000010374881

Brasil. Ministério da Saúde. (1965). História e Evolução dos Hospitais (2a ed.). Rio de Janeiro: Ministério da Saúde. Recuperado em 08 janeiro, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_08.pdf

Brasil. Presidência da República (2000). Lei no 9.982, de 14 de julho de 2000. Recuperado em 15 fevereiro, 2019, de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-9982-14-julho-2000-360444-publicacaooriginal-1-pl.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2006a). Portaria nº. 971, de 3 de Maio de 2006. Recuperado em 15 março, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2006b). A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 15 março, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf

Brasil. Presidência da República. (2006c). Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Recuperado em 20 janeiro, 2019, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5813.htm

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde (2009). Clínica ampliada e compartilhada. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 20 janeiro, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. (2010). Cadernos Humaniza SUS - Atenção Básica. Cadernos HumanizaSUS, 2. pp. 256. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 08 janeiro, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_basica.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2013). Política Nacional de Humanização. Ministério da Saúde do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 08 março, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017. Recuperado em 05 dezembro, 2018, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017_comp.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Recuperado em 10 janeiro, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html

Campos, G. W. de S., & Amaral, M. A. do (2007). A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência & Saúde Coletiva, 12(4), 849-859. Recuperado em 10 janeiro, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000400007

Carapinheiro, G. (2005). Saberes e Poderes no Hospital: uma sociologia dos serviços hospitalares (4a ed.). Porto: Edições Afrontamento.

Carvalho, C. V. de. (2005). A Situação das Santas Casas de Misericórdia. Brasília: Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados. Recuperado em 12 fevereiro, 2019, de http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/estudos-e-notas-tecnicas/areas-da-conle/tema19/2005_6602.pdf

Figueiredo, G. (2000). As origens da assistência psiquiátrica no Brasil: o papel das santas casas. Brazilian Journal of Psychiatry, 22(3), 133. Recuperado em 10 março, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000300007

Figueredo, C. A. de, Gurgel, I. G. D., & Gurgel, G. D., Jr. (2014). A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis: Revista de Saúde Coletiva Coletiva, 24(2), 381-400. Recuperado em 12 janeiro, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312014000200381&script=sci_abstract&tlng=pt

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições graal.

Freire, M. E. M., Vasconcelos, M. F. de, Silva, T. N. da, & Oliveira, K. de L. (2017). Assistência espiritual e religiosa a pacientes com câncer no contexto hospitalar. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 9(2), 356-362. Recuperado em 12 janeiro, 2019, de http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4906/pdf_1

Giumbelli, E. (2016). Public policy and religious diversity: interreligious spaces in two hospitals in a Brazilian Capital City. Latin American Perspectives, 43(3), 186-199. Recuperado em 22 janeiro, 2019, de https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0094582X16629457

Goldrosen, M. H., & Straus, S. E. (2004). Complementary and alternative medicine: assessing the evidence for immunological benefits. Nature Reviews. Immunology, 4(11), 912-21. Recuperado em 22 janeiro, 2019, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15516970

Gonçalves, E. L. (Org.) (2006). Gestão Hospitalar: administrando o hospital moderno. São Paulo: Saraiva.

Lima, C. V. C., Moura, M. dos S. R., & Cavalcante, M. V. da S. (2017). Projeto Terapêutico Singular como Abordagem Multiprofissional no Hospital. Revista Portal: Saúde e Sociedade, 2(2), 472-482. Recuperado em 05 dezembro, 2018, de http://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/3018/2716

Luccia, D. De, Freitas, C. C. S. de, Ribeiro, D. L. Di, Saccani, L. P., Braga, M. B., Valle, S. H. A., Boldarine, S., Montanher, V. de F., & Moretto, M. L. T. (2015). O protagonismo no projeto terapêutico singular: singularidade e implicação do sujeito no nível terciário em saúde. A Peste: Revista de Psicanálise e Sociedade e Filosofia, 7(1), 49-64. Recuperado em 10 janeiro, 2019, de http://revistas.pucsp.br/apeste/article/view/30464/21075

Luz, M. T. (2004). Natural, Racional, Social: razão médica e racionalidade científica moderna (2a ed.). São Paulo: Hucitec.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Técnicas de pesquisa (7a ed., 3a reimpr.). São Paulo: Atlas.

Marinho, J. L. (2016). Saúde, Educação e Arte: narrativas e experiências. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Martire Junior, L. (2011). Breve história da medicina brasileira. In C. Allamel-Raffin, A. Leplège, & L. Martire Junior. (Orgs.). História da Medicina. Aparecida, SP: Idéias & Letras.

Melo, C. de F., Sampaio, I. S., Souza, D. L. de A., & Pinto, N. dos S. (2015). Correlação entre religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida: uma revisão da literatura. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 447-464. Recuperado em 22 março, 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812015000200002

Minayo, M. C. de S. (1994). Representações da Cura no Catolicismo Popular. In P. C. Alves, & M. C. S. Minayo (Orgs.). Saúde e doença: um olhar antropológico (pp. 57-81). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Morin, E. (2003). Da necessidade de um pensamento complexo. In F. M. Martins, & J. M. Silva (Orgs.). Para Navegar no Século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura (pp. 13-36). Porto Alegre: Sulina/Edipucrs.

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo (4a ed). Porto Alegre: Sulina.

Motta, P. M. R. da, & Marchiori, R. de A. (2013). Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde: estudos teóricos e empíricos. Cadernos de Saúde Pública, 29(4), 834-835. Recuperado em 20 abril, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000400022

Oliveira, F. B. de (2008). Gestão da clínica e clínica ampliada: sistematizando e exemplificando princípios e proposições para a qualificação da assistência hospitalar. Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Osmo, A. A. (2011). Processo gerencial. In G. Vecina Neto, & A. M. Malik. Gestão em Saúde (pp. 127-137). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Pinto, A. N., & Falcão, E. B. M. (2014). Religiosidade no contexto médico: entre a receptividade e o silêncio. Revista Brasileira de Educação Médica, 38(1), 38-46. Recuperado em 10 janeiro, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022014000100006&script=sci_abstract&tlng=pt

Prandi, R. (2011). Axé, corpo e almas: concepção de saúde e doença segundo o candomblé. In P. Bloise (Org.). Saúde Integral: a medicina do corpo, da mente e o papel da espiritualidade (pp. 277-293). São Paulo: Editora Senac.

Rabelo, M. C. M. (1994). Religião, ritual e cura. In P. C. Alves, & M. C. S. Minayo (Orgs.). Saúde e doença: um olhar antropológico (pp. 47-56). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Rezende, J. M., Moraes, V. A., & Perini, G. E. (2013). Seara de Asclépio. Goiânia: Editora UFG.

Rinpoche, L. M. (2011). Saúde e Espiritualidade no budismo tibetano. In P. Bloise (Org.). Saúde Integral: a medicina do corpo, da mente e o papel da espiritualidade (pp. 295-315). São Paulo: Editora Senac.

Salles, P. (2004). História da medicina no Brasil. Belo Horizonte: COOPMED.

Scarazatti, G. L. (2016). Implementação da clínica ampliada no hospital Ouro Verde em Campinas - SP. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Schlithler, A. C. B., Ceron, M., & Gonçalves, D. A. (2010). Famílias em situação de vulnerabilidade ou risco psicossocial. Módulo Psicossocial. Especialização em Saúde da Família. São Paulo: Unifesp.

Schmidt, D. P., Neckel, V. C., Lima, C. P. de D., Simas, T. M., Oliveira, N. de, & Groth, E. P. (2014). A Implantação do Projeto Terapêutico Singular (Pts) no Cenário Oncológico. Anais do Congresso Internacional de Humanidades & Humanização em Saúde. Blucher Medical Proceedings, 1(2), 161. Recuperado em 10 fevereiro, 2019, de http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/medicalproceedings/cihhs/10486.pdf

Silva, A. L. A. (2005). O hospital e o Sistema Único de Saúde: a gestão hospitalar na perspectiva da micropolítica. In Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.). Textos de Apoio em Políticas de Saúde (pp. 75-98). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Souza, V. de M., Frizzo, H. C. F., Paiva, M. H. P. de, Bousso, R. S., & Santos, A. da S. Espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais de adolescentes com câncer. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(5), 791-796. Recuperado em 15 janeiro, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n5/0034-7167-reben-68-05-0791.pdf

Tesser, C. D., & Luz, M. T. (2008). Medical rationalities and integrality. Ciencia & Saude Coletiva, 13(1), 195-206. Recuperado em 20 dezembro, 2018, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232008000100024&script=sci_abstract

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. (n.d.). Horto Didático de Plantas Medicinais do HU. Recuperado em 11 outubro, 2018, de https://hortomedicinaldohu.ufsc.br/index.php




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14930

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.