Sinistralidade em contratos de plano de saúde médico hospitalar

Jean Santos de Lima, Paulo Cesar de Souza

Resumo


Uma das maneiras de analisar a sustentabilidade econômica das operadoras de planos de saúde médico é por meio da análise do índice de sinistralidade. Este estudo objetiva analisar o índice de sinistralidade dos diversos tipos de planos de uma operadora de planos de saúde médico localizada no município de Tangará da Serra – MT. A pesquisa se caracteriza como estudo de caso e possui cunho exploratório, com abordagem quantitativa, utilizando fontes primárias de pesquisa relacionadas aos anos de 2015, 2016 e 2017. Os resultados demonstraram que a operadora pesquisada obteve nos anos em análise índice de sinistralidade de 71,28%, 70,66% e 72,46% respectivamente, com média dos três anos de 71,47%. No Brasil, as operadoras do mesmo porte apresentaram no ano de 2013 índices médio de sinistralidade de 85,1%. Desse modo, operadora, nos períodos em análise, apresentou índice abaixo da média nacional e dentro do índice considerado aceitável pela literatura (75%).


Palavras-chave


Saúde suplementar. Plano de Saúde. Sinistralidade em planos de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2013). Autorização de funcionamento das operadoras. Orientações gerais. Recuperado em 10 de dezembro de 2017, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2014). Caderno de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos. Recuperado em 02 de junho de 2018, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2016a). Anuário 2015: Aspectos Econômico-Financeiros das Operadoras de Plano de Saúde. Recuperado em 02 de novembro de 2017, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2016b). Relatório de Gestão Agência Nacional de Saúde. ­Recuperado em 02 de novembro de 2017, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2017a). Prisma econômico-financeiro da saúde suplementar. Recuperado em 02 de novembro de 2017, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2017b). Sistema de Informações de Beneficiários/ANS/MS - 03/2017. Recuperado em 11 de novembro de 2017, de .

Agencia Nacional de Saúde Suplementar (2000). Resolução da Diretoria Colegiada n°. 39. Definição, a segmentação e a classificação das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. Recuperado em 26 de maio de 2018, de .

Bahia, L. (1999). Seguros e planos de saúde uma saída à brasileira: estudo da organização da oferta a partir de noções das teorias de seguros. Rio de Janeiro. Tese de doutorado da ENSP/Fiocruz, p.187. Recuperado em 10 de dezembro de 2017, de .

Bahia, L. (2005). Origens e institucionalização das empresas de planos de saúde no Brasil. Planos de saúde no Brasil: origens e trajetórias. Rio de Janeiro, LEPS/UFRJ e ANS/Ministério da Saúde. Recuperado em 10 de dezembro de 2017, de .

Baldassare, R. M. (2014). Análise do desempenho econômico-financeiro das operadoras de planos de saúde no mercado de saúde suplementar brasileiro. Dissertação: (Mestrado Administração de Empresas) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo

Bertoli Filho, C. (1996). História da Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Editora Ética.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado em 09 de dezembro de 2017 de .

Brasil. (1998). Lei nº 9.956. Recuperado em 02 de novembro de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9656.htm>.

Brasil. (2000) Lei nº 9.961. Recuperado em 11 de novembro de 2017, de .

Brasil. (2003). Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resolução Normativa – RN n° 63. Recuperado em 31 de maio de 2018, de .

Brasil. (2009). Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução normativa nº195. Recuperado em 11 de novembro de 2017, de .

Brasil. (2012). Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resolução Normativa – RN n° 309. Recuperado em 11 de novembro de 2017, de .

Brasil. (2015). Agência Nacional de Saúde Suplementar – Resolução Normativa – RN n° 392. Recuperado em 31 de maio de 2018, de .

Camarano, A. A. (2002). Envelhecimento da População Brasileira: Uma contribuição demográfica. Recuperado em 02 de junho de 2018, de < http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0858.pdf.>.

Cason, V. A., & Padoveze, C. L. (2014). Gestão de Custos e preços de vendas em operadoras de plano de saúde: estudo de caso em uma cooperativa de médio porte. FGN – UMP. Recuperado em 02 de junho de 2018, de .

Fernandes, F., Ferreira, M. E., & Rodrigues, E. R. (2014). Análise de Rentabilidade Utilizando o Modelo Dupont: Estudo de Caso em uma Operadora de Planos de Saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, São Paulo - SP.

Fonseca, A. L. (2004). Portabilidade em planos de saúde no Brasil. 2004. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Regulação de Saúde Suplementar) – Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP. Rio de Janeiro.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010). Perfil Socioeconômico. Recuperado em 02 de junho de 2018, de http:/cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/tangara-da-serra>.

Lima, I. S. (2009). Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Diferenciação de Risco e Mensalidade ou Prêmio entre Faixas Etárias em Planos e Seguros de Saúde. Recuperado em 02 de junho de 2018, de

Ministério da Saúde. (2009). Agência Nacional de Saúde Suplementar. Glossário Temático: Saúde suplementar. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Montone, J. (2003). Evolução e desafios da regulação do setor de saúde suplementar. Série ANS no. 4. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Rio de Janeiro.

Nunes, A. (2004). O envelhecimento populacional e as despesas do Sistema Único de Saúde. In: Camarano AA, organizador. Os novos idosos brasileiros. Muito além dos 60? Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Pires, F. M. S. (2008). Estudo do impacto da medicina preventiva na diminuição da sinistralidade dos planos de saúde e sua aplicação ao sistema SAMMED/FUSEX. Recuperado em 13 de novembro de 2017, de .

Salvatori, R. T., & VENTURA, C. A. A. A agência nacional de saúde suplementar - ANS: Onze anos de regulação dos planos de saúde. Organizações & Sociedade, v. 19, p. 471-487, 2012.

Silva, R. V. (2014). Sinistralidade e relação contratual. Recuperado em 11 de novembro de 2017, de .




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14975

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.