O enriquecimento do vocabulário dos estudantes por meio da música em contos de fada no âmbito das práticas pedagógicas dos professores da educação básica

Anaide Maria Alves da Paz, Maria de Fátima Gomes da Silva

Resumo


O presente artigo consiste em um recorte de uma pesquisa acadêmica que objetivava investigar perspectivas interdisciplinares da prática pedagógica de professores da Educação Básica do município de Nazaré da Mata, Zona da Mata Norte do estado de Pernambuco, por meio da música em contos de fada. O texto aborda especificamente o enriquecimento do vocabulário dos estudantes. A investigação, de natureza qualitativa, com ênfase na pesquisa-ação, teve como lócus três escolas públicas e como sujeitos três professoras e noventa alunos do quarto ano do Ensino Fundamental. A coleta de dados foi realizada mediante observação participante e oficinas pedagógicas. Os resultados permitiram concluir que as vivências interdisciplinares por meio da música em contos de fada, além de favorecerem o enriquecimento do vocabulário dos estudantes, contribuem para o desenvolvimento da oralidade, da leitura e da autonomia.


Palavras-chave


Escola; Interdisciplinaridade; Contos de fada; Música; Vocabulário

Texto completo:

PDF

Referências


BERGMANN, Leila Mury; PIRES, Maria das Graças Freitas da Rosa. O Flautista de Hamelin: explorando a história. Anuário de Literatura. UFSC, v. 13, n. 2, p. 39-55, 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/viewFile/2175-7917.2008v13n2p39. Acesso em: 17 ago. 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, v. 1, 1998.

BRITO, Teca Alencar de. Música na educação infantil. São Paulo: Peirópolis, 2003.

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

FALCONI, Isabela Mendes; FARAGO, Alessandra Corrêa. Contos de fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade. São Paulo, v. 2, n. 1, p. 85-111, 2015. Disponível em: http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/sumario/35/06042015200330.pdf. Acesso em: 05 ago. 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GADOTTI, Moacir. Qualidade na educação: uma nova abordagem. Congresso de Educação Básica: qualidade na aprendizagem – Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, p. 1-18, 2013. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2013_16.22.16.85d3681692786726aa2c7daa4389040f.pdf. Acesso em: 06 jan. 2018.

GIORDANO, Alessandra. A arte de contar histórias e o conto de tradição oral em práticas educativas. Construção psicopedagógica. São Paulo, v. 21, n. 22, p. 26-45. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542013000100004. Acesso em: 21 out. 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza et al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34 ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

MÓNICO, Lisete. et. al. A observação participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. Actas Investigação Qualitativa nas Ciências Sociais. 6º Congresso Ibero Americano de Investigação Qualitativa, Salamanca, v. 3, p. 724- 733, 2017. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1447. Acesso em: 06 jan. 2018.

RADINO, Gloria. Oralidade, um estado de escritura. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 6, n. 2, p. 73-79, jul./dez. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n2/v6n2a10.pdf. Acesso em: 15 ago. 2017.

RICHARDSON, Roberto Jarry et al. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SILVA, Ana Rita Fernandes Rodrigues da. A contribuição dos contos de fadas na promoção do conceito de autonomia da criança. 2015. 232f. Dissertação (Mestrado em Educação Pré- Escolar e Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico) – Instituto Politécnico de Castelo Branco – Escola Superior de Educação, Portugal, 2015.

SOUZA, Linete Oliveira de; BERNARDINO, Andreza Dala. A contação de histórias como estratégia pedagógica na educação infantil e no ensino fundamental. Revista Educere et Educare. Cascavel, v. 6, n. 12, p. 235-249. jul./dez. 2011. Disponível em: http://saber.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/viewFile/4643/4891. Acesso em: 18 ago. 2017.

TAHAN, Malba. A arte de ler e contar histórias. 2. ed. Rio de Janeiro: Conquista, 1964.

VIEIRA, Elaine; VOLQUIND, Lea. Oficinas de ensino: O que? Por quê? Como? 4. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais. Rio de Janeiro. Jun 2008. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/17391389/Vigotski-A-brincadeira-e-seu-papel-no-desenvolvimento-psiquico-da-crianca-traducao-Zoia-Prestes. Acesso em: 01 fev. 2017.

VOLOBUEF, Karin. Contos de fadas dos Irmãos Grimm. Carta Fundamental. 2013. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/educacao/carta-fundamental-arquivo/contos-de-fadas-dos-irmaos-grimm. Acesso em: 22 jun. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.16791

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.