Uma análise discursiva do livro didático de Biologia na Educação para jovens e adultos

Josete Rocha dos Santos, Andréa Costa da Silva

Resumo


Pressupostos freireanos evidenciam como o conhecimento científico proposto pela escola deve ser associado ao saber do cotidiano. Assim, cidadania e letramento científico devem andar juntos e são ferramentas essenciais na busca por uma educação que contemple preceitos dos direitos humanos, presentes na Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Transpor esse olhar para a Educação de Jovens e Adultos – EJA – é o desafio desse artigo, que analisa discursos presentes no livro didático de Biologia destinado aos alunos do Ensino Médio do Estado do Rio de Janeiro, na modalidade EJA.  Com a Análise Crítica do Discurso verificamos que o significado identificacional está presente no livro didático, por meio dos pronomes pessoais “você” e “nós”. Os resultados mostram uma tentativa do enunciador de mostrar proximidade do aluno usando mais o pronome “nós” nos textos. Ainda há muito a fazer no percurso de considerar a experiência do aluno nos conteúdos expressos nos livros. 


Palavras-chave


Ensino de Ciências; Discurso; Biologia; Educação de Jovens e Adultos

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, M. S. Sentidos da cidadania: políticas de educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010.

ARROYO, M. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. Alfabetização e Cidadania. São Paulo, v. 11, abr. 2001, p. 9 – 20.

BARROS, D. C. E. Significados identificacionais: ethos e espaço político na construção discursiva da realidade social feminina. Universidade Estadual de Maringá: D.E.L.T.A., 2010, p. 505 – 525.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional no 4024 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf: Acesso em: 12 mar 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CEB 11/2000. Diretrizes curriculares nacionais para a educação de jovens e adultos.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CEB 1/2000. Diretrizes curriculares nacionais para a educação de jovens e adultos.

CÂMARA,N. S. O gênero didático-pedagógico: uma caracterização. In: Congreso de la delegación argentina de la Asociación de Linguistica y Filologia de America Latina y Jornadas Internacionales de investigación en filología hispánica, 2012, La Plata. Caderno de resumos. La `Plata, 2012.

CARRANO, P. C. et al. Trajetórias truncadas, trabalho e futuro: jovens fora de série na escola pública de ensino médio. In: Educação Pesquisa. São Paulo: v. 41, n. especial, p. 1439-1454, dez. 2015.

CHOULIARAKI, L; FAIRCLOUGH, N. Discourse in Late Modernity. Rethingking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

DI PIERRO, M. C. e HADDAD, S. Transformações nas políticas de Educação de Jovens e Adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Cad. Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 197 – 217, maio –ago, 2015.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Analysing Discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2003ª.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GADOTTI, M. Educação de adultos como direito humano. EJA em debate. Florianópolis: ano 2 n. 2, jul 2013. Disponível em: http://periodicos. Ifsc.edu.br/index.php/EJA. Acesso em: 12 mar 2020

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Estadual de Educação. Nova EJA - Educação para Jovens e Adultos – Ciências da Natureza e suas Tecnologias – volumes 1 e 2.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino de ciências. São Paulo: Perspectiva, v. 14, n. 1, 2000.

MACHADO, Maria Margarida. A educação de jovens e adultos – após vinte anos da Lei no 9.394, de 1996. Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 10, n. 19, p. 429 – 451, jul/dez, 2016. Disponível em http//www.esforce. org. br. Acesso em: 12 mar 2020

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2007.

MARTINS, I. Alfabetização científica: metáfora e perspectiva para o ensino de ciências. XI Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. Curitiba, 2008. In: www.ciencia.mao.up.br/dados/epef/-alfabetização científicam.trabalho.pdf: Acesso em: 12 mar 2020

MOREIRA, M. C. A. A recontextualização do discurso da pesquisa em educação em ciências em uma coleção didática de ciências. 2013. 169p. Tese (Doutorado em Educação em Ciências & Saúde) – Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, Rio de Janeiro, 2013.

RESENDE, V; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. São Paulo: Editora Contexto, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16924

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.