Conhecimento de educadoras a respeito dos maus-tratos infantis: identificação e notificação de casos

Ana Paula de Almeida Guimarães, Linie Machado, Gabriela Reyes Ormeno

Resumo


O presente artigo tem como intuito analisar a relação existente entre as vítimas de maus-tratos e os comportamentos agressivos de crianças no contexto escolar, avaliando o conhecimento que as docentes possuem sobre a temática. Participaram do estudo cinco crianças, com idade entre 4 e 5 anos, e suas respectivas professoras. Foram utilizados como instrumentos, um Protocolo de Observação Comportamental para as crianças e um Questionário para as docentes, contendo a caracterização dos maus-tratos e seus respectivos encaminhamentos em caso de suspeita de vitimização. Foi constatado que as educadoras conhecem aspectos relativos à temática abordada, porém ainda existe certa dificuldade em lidar com os encaminhamentos adequados. Revela a importância de fomentar projetos de capacitação para os educadores, de modo a favorecer a identificação de vítimas, possibilitando sua redução e consequentemente, a diminuição de comportamentos agressivos na escola.

Palavras-chave


Alunos; Comportamentos; Docentes; Maus-tratos

Texto completo:

PDF

Referências


ALGERI, S. A violência infantil na perspectiva do enfermeiro: uma questão de saúde e educação. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre; 2005, v.26, n.3, p. 308-315.

ASSIS, S. G.; CONSTANTINO, P.; AVANCI, J. Q. (orgs). Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Ministério da Educação/Editora Fiocruz, p. 260, 2010.

BARROS, A. S.; FREITAS, M. F. Q. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: Consequências e estratégias de prevenção com pais agressores. Pensando Famílias; 2015, v.19, n.2, p. 102-114.

BORREGO, J. L. C.; FRANCO, L. R.; DIAZ, F. J. R.; MOLLEDA, C. B. Violencia en el noviazgo: Revisión bibliográfica. Psicothema; 2009, v.21, n.2, p. 248-254.

BRASIL. Lei 8.069/1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Casa Civil. Presidência da República. Brasília: Diário Oficial da União, 1990.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema de Informações de Agravos de Notificação- SINAN. Banco de dados. Datasus, 2017.

BUSATO, C. A.; PEREIRA, T. C. R.; GUARÉ, R. O. Maus-tratos Infantis na perspectiva de acadêmicos de Odontologia. Revista da ABENO; 2017, v.18, n.1, p. 84-92.

CATARINO, E. M.; ALMEIDA, M. P. A importância do professor da educação infantil no combate a violência sexual infantil. In: Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar, Centro Universitário de Mineiros - Unifimes n. II, Anais; 2017.

DONAT, J.; MOURA, T. C.; CARVALHO, J. C. N.; KRISTENSEN, C. H. Professores e maus tratos – uma revisão teórica sobre reconhecimento, denúncia e capacitação. Rev. Educação, Porto Alegre; 2016, v. 39, n. 1, p. 66-73.

ECKENRODE, J. Prevenção de abusos e negligência na infância. In: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. MacMillan HL. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. Brasil: Ed. Tema, 2004.

GOMEZ, V. R. V.; BAZON, M. R. Associação entre indicadores de Maus-Tratos Infantis e presença de problemas desenvolvimentais em crianças em início de escolarização. Journal of Human Growth and Development; 2014, v.24, n.2, p. 214-220.

MINAYO, M. C. S. A violência social sob a perspectiva da Saúde Pública. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.10, 1994.

MINAYO, M. C. S. Violência e criança, São Paulo: Edusp, 2002.

MINAYO, M. C. S. Violência e Saúde, Temas em Saúde, Rio de Janeiro, 2006.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial da Saúde: trabalhando juntos pela saúde. Geneva: World Health Organization, 2002.

PARANÁ, SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO. Manual de tipificações das violências. In: Oficina de enfrentamento às violências na escola/agentes educacionais I e II, Curitiba, 2014.

PASIAN, M. S. et al. Negligência infantil: a modalidade mais recorrente de maus-tratos. Pensando famílias. Porto Alegre; 2013, v.17, n.2, p. 61-70.

PELISOLI, C.; PICCOLOTO, L. B. Prevenção do abuso sexual infantil: estratégia cognitivo- comportamentais na escola, na família e na comunidade. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. Rio de Janeiro; 2010, v.6, n.1, p. 108-137.

PÍNEA, A. C. F.; RAMOS, M. B.; OLIVEIRA, T. S.; TANAKA, E. D. O. Conhecimento do Educador sobre seu papel perante a criança que sofre de violência doméstica. In: VII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação Especial. Londrina, 2011, p. 2352- 2360.

REIS, D. M.; PRATA, L. C. G.; PARRA, C. R. O impacto da violência intrafamiliar no desenvolvimento psíquico infantil. Psicologia: O portal dos psicólogos, 2018.

ROSA, L. W.; HAACK, K. R.; FALCKE, D. Rompendo o Ciclo de Violência na Família: Concepções de mães que não reproduzem o Abuso Sofrido na Infância com seus Filhos. Revista de Psicologia da IMED; 2015, v.7, n.2, p. 26-36.

SANTOMÉ, L. M.; LEAL, S. M. C.; MANCIA, J. R.; GOMES, A. M. F. Crianças hospitalizadas por maus-tratos em UTI de serviço público de saúde. Revista Brasileira de. Enfermagem; 2017, v.71, n.3, p. 1420-1427.

SCHAEFER, L. S.; BRUNNET, A. E.; LOBO, B. O. M.; CARVALHO, J. C. N.; KRISTENSEN, C. H. Indicadores Psicológicos e Comportamentais na Perícia do Abuso Sexual Infantil. Trends Psychol., Ribeirão Preto; 2018, v.26, n.3, p. 1467-1482.

SILVEIRA, I. A. Frequência e variáveis associadas a casos de violência na infância e adolescência e o papel do estudante de odontologia. (Dissertação de Mestrado em Odontologia). Programa de Pós-Graduação em Odontologia. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

SIQUEIRA, A. C.; ALVES, C. F.; LEÃO, F. E. Enfrentando a violência: a percepção de profissionais da educação sobre a violação dos direitos de crianças e adolescentes. Revista do Centro de Educação. Santa Maria; 2012, v.37, n.2, p. 16.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP), et al. Guia de Atuação frente a maus-tratos na infância e na adolescência. Orientações para pediatras e demais profissionais que trabalham com crianças e adolescentes. 2 ed. Rio de Janeiro, 2001.

UNICEF. As ameaças à sobrevivência e ao desenvolvimento infantil. In: Unicef em ação na América Latina e no Caribe, 2017.

VAGLIATI, A. C. O professor como agente na prevenção e na identificação da violência sexual contra crianças e adolescentes. Unioeste, 2015.

VEGA, L. B. S.; PALUDO, S. S. Exploração sexual e rede de proteção na perspectiva da vítima. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 2015, v. 67, n. 2, p. 47-60.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.17185

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.