Conhecimento de educadoras a respeito dos maus-tratos infantis: identificação e notificação de casos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.17185

Palavras-chave:

Alunos, Comportamentos, Docentes, Maus-tratos

Resumo

O presente artigo tem como intuito analisar a relação existente entre as vítimas de maus-tratos e os comportamentos agressivos de crianças no contexto escolar, avaliando o conhecimento que as docentes possuem sobre a temática. Participaram do estudo cinco crianças, com idade entre 4 e 5 anos, e suas respectivas professoras. Foram utilizados como instrumentos, um Protocolo de Observação Comportamental para as crianças e um Questionário para as docentes, contendo a caracterização dos maus-tratos e seus respectivos encaminhamentos em caso de suspeita de vitimização. Foi constatado que as educadoras conhecem aspectos relativos à temática abordada, porém ainda existe certa dificuldade em lidar com os encaminhamentos adequados. Revela a importância de fomentar projetos de capacitação para os educadores, de modo a favorecer a identificação de vítimas, possibilitando sua redução e consequentemente, a diminuição de comportamentos agressivos na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula de Almeida Guimarães, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Mestranda no  Programa de Pós Graduação em Educação, na linha Processos  Psicológicos em Contextos Educacionais na Universidade Federal do Paraná.

Linie Machado, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Mestranda no  Programa de Pós Graduação em Educação, na linha Processos  Psicológicos em Contextos Educacionais na Universidade Federal do Paraná.

Gabriela Reyes Ormeno, Universidade Federal do Paraná

Graduação em Psicologia, Mestrado em Educação Especial e Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos. Com Doutorado Sanduíche na Universidade Autônoma de Barcelona. Atualmente é Professora do Departamento de Teorias e Fundamentos daEducação no Setor de Educação na Universidade Federal do Paraná. Faz parte de dois grupos de pesquisa impacto da violência no desenvolvimento humano: Prevenção e Intervenção e No grupo processos psicológicos em contextos educacionais.Tem experiência em Intervenções educativas, atuando principalmente nos seguintes temas: prevenção da violência, crianças agressivas no ambiente escolar, mulheres encarceradas e seus filhos quebrando a intergeracionalidade da violência por meio da educação. Pesquisador externo do Laboratório de Analise e prevenção da Violencia (LAPREV/ UFSCAR), do Mestrado em Psicologia Forense da Universidade Tuitui do Paraná. É coordenadora do programa Raising Safe Kids program (APA). Educando crianças em ambientes saudáveis

Referências

ALGERI, S. A violência infantil na perspectiva do enfermeiro: uma questão de saúde e educação. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre; 2005, v.26, n.3, p. 308-315.

ASSIS, S. G.; CONSTANTINO, P.; AVANCI, J. Q. (orgs). Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Ministério da Educação/Editora Fiocruz, p. 260, 2010.

BARROS, A. S.; FREITAS, M. F. Q. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: Consequências e estratégias de prevenção com pais agressores. Pensando Famílias; 2015, v.19, n.2, p. 102-114.

BORREGO, J. L. C.; FRANCO, L. R.; DIAZ, F. J. R.; MOLLEDA, C. B. Violencia en el noviazgo: Revisión bibliográfica. Psicothema; 2009, v.21, n.2, p. 248-254.

BRASIL. Lei 8.069/1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Casa Civil. Presidência da República. Brasília: Diário Oficial da União, 1990.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema de Informações de Agravos de Notificação- SINAN. Banco de dados. Datasus, 2017.

BUSATO, C. A.; PEREIRA, T. C. R.; GUARÉ, R. O. Maus-tratos Infantis na perspectiva de acadêmicos de Odontologia. Revista da ABENO; 2017, v.18, n.1, p. 84-92.

CATARINO, E. M.; ALMEIDA, M. P. A importância do professor da educação infantil no combate a violência sexual infantil. In: Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar, Centro Universitário de Mineiros - Unifimes n. II, Anais; 2017.

DONAT, J.; MOURA, T. C.; CARVALHO, J. C. N.; KRISTENSEN, C. H. Professores e maus tratos – uma revisão teórica sobre reconhecimento, denúncia e capacitação. Rev. Educação, Porto Alegre; 2016, v. 39, n. 1, p. 66-73.

ECKENRODE, J. Prevenção de abusos e negligência na infância. In: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. MacMillan HL. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. Brasil: Ed. Tema, 2004.

GOMEZ, V. R. V.; BAZON, M. R. Associação entre indicadores de Maus-Tratos Infantis e presença de problemas desenvolvimentais em crianças em início de escolarização. Journal of Human Growth and Development; 2014, v.24, n.2, p. 214-220.

MINAYO, M. C. S. A violência social sob a perspectiva da Saúde Pública. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.10, 1994.

MINAYO, M. C. S. Violência e criança, São Paulo: Edusp, 2002.

MINAYO, M. C. S. Violência e Saúde, Temas em Saúde, Rio de Janeiro, 2006.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial da Saúde: trabalhando juntos pela saúde. Geneva: World Health Organization, 2002.

PARANÁ, SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO. Manual de tipificações das violências. In: Oficina de enfrentamento às violências na escola/agentes educacionais I e II, Curitiba, 2014.

PASIAN, M. S. et al. Negligência infantil: a modalidade mais recorrente de maus-tratos. Pensando famílias. Porto Alegre; 2013, v.17, n.2, p. 61-70.

PELISOLI, C.; PICCOLOTO, L. B. Prevenção do abuso sexual infantil: estratégia cognitivo- comportamentais na escola, na família e na comunidade. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. Rio de Janeiro; 2010, v.6, n.1, p. 108-137.

PÍNEA, A. C. F.; RAMOS, M. B.; OLIVEIRA, T. S.; TANAKA, E. D. O. Conhecimento do Educador sobre seu papel perante a criança que sofre de violência doméstica. In: VII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação Especial. Londrina, 2011, p. 2352- 2360.

REIS, D. M.; PRATA, L. C. G.; PARRA, C. R. O impacto da violência intrafamiliar no desenvolvimento psíquico infantil. Psicologia: O portal dos psicólogos, 2018.

ROSA, L. W.; HAACK, K. R.; FALCKE, D. Rompendo o Ciclo de Violência na Família: Concepções de mães que não reproduzem o Abuso Sofrido na Infância com seus Filhos. Revista de Psicologia da IMED; 2015, v.7, n.2, p. 26-36.

SANTOMÉ, L. M.; LEAL, S. M. C.; MANCIA, J. R.; GOMES, A. M. F. Crianças hospitalizadas por maus-tratos em UTI de serviço público de saúde. Revista Brasileira de. Enfermagem; 2017, v.71, n.3, p. 1420-1427.

SCHAEFER, L. S.; BRUNNET, A. E.; LOBO, B. O. M.; CARVALHO, J. C. N.; KRISTENSEN, C. H. Indicadores Psicológicos e Comportamentais na Perícia do Abuso Sexual Infantil. Trends Psychol., Ribeirão Preto; 2018, v.26, n.3, p. 1467-1482.

SILVEIRA, I. A. Frequência e variáveis associadas a casos de violência na infância e adolescência e o papel do estudante de odontologia. (Dissertação de Mestrado em Odontologia). Programa de Pós-Graduação em Odontologia. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

SIQUEIRA, A. C.; ALVES, C. F.; LEÃO, F. E. Enfrentando a violência: a percepção de profissionais da educação sobre a violação dos direitos de crianças e adolescentes. Revista do Centro de Educação. Santa Maria; 2012, v.37, n.2, p. 16.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP), et al. Guia de Atuação frente a maus-tratos na infância e na adolescência. Orientações para pediatras e demais profissionais que trabalham com crianças e adolescentes. 2 ed. Rio de Janeiro, 2001.

UNICEF. As ameaças à sobrevivência e ao desenvolvimento infantil. In: Unicef em ação na América Latina e no Caribe, 2017.

VAGLIATI, A. C. O professor como agente na prevenção e na identificação da violência sexual contra crianças e adolescentes. Unioeste, 2015.

VEGA, L. B. S.; PALUDO, S. S. Exploração sexual e rede de proteção na perspectiva da vítima. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 2015, v. 67, n. 2, p. 47-60.

Downloads

Publicado

22.12.2020

Como Citar

GUIMARÃES, Ana Paula de Almeida; MACHADO, Linie; ORMENO, Gabriela Reyes. Conhecimento de educadoras a respeito dos maus-tratos infantis: identificação e notificação de casos. Dialogia, [S. l.], n. 36, p. 518–531, 2020. DOI: 10.5585/dialogia.n36.17185. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/17185. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos