Proposta de sequência didática a partir do filme Os vingadores: guerra infinita

Telma Temoteo dos Santos

Resumo


O objetivo deste artigo é divulgar uma sequência didática estruturada a partir do filme Os vingadores: guerra infinita, utilizado como produtor de temas geradores para a disciplina Biologia na educação básica. Partiu-se da motivação do vilão Thanos, que defende a destruição da metade dos seres vivos de todas as galáxias como solução para a escassez de recursos, superpopulações e violência. O trabalho foi desenvolvido com base em Antoni Zabala que define epistemologicamente as sequências didáticas como meio articulador de atividades convergentes em objetivos de aprendizagem. O desenho metodológico compreendeu a análise do filme e pesquisas sobre os temas genética, evolução e biotecnologia. Esta pesquisa explora as potencialidades didáticas do filme como recurso de problematização inicial, sem a pretensão de discutir os pontos científicos corretos ou incorretos nele apresentados. Espera-se que as atividades descritas fomentem discussões metodológicas visando um ensino de ciências orientado para a interseção entre conhecimentos cotidianos e científicos.


Palavras-chave


Ensino de ciências; Ensino de biologia; Sequências didáticas; Filmes no ensino

Texto completo:

PDF

Referências


BERGO, A. C. Darwinismo social e educação no Brasil. 1993. 260f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 1993.

BBC. No Jardim de Darwin. 1 vídeo (57:50). Youtube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qxjhWT0m4Aw. Acesso em: 12 de ago. 2019.

BIZZO, N.; EL-HANI, C.N. O arranjo curricular do ensino de evolução e as relações entre os trabalhos de Charles Darwin e Gregor Mendel. Filosofia e História da Biologia, São Paulo, v. 4, p. 235-257, 2009. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-04/FHB-v04-08-Nelio-Bizzo-Charbel-El-Hani.pdf. Acesso em: 10 de mar. 2019.

BIZZO, N. M. V.; SANO, P. T.; MONTEIRO, P. H. N. Registros escritos do conhecimento mútuo entre Gregor Mendel e Charles Darwin: uma proposta para trabalho em sala de aula com história contrafactual da ciência e didática invisível. Genética na Escola, Riberão Preto, v. 11, p. 294 309, 2016. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_13eb5110148b47fdb310bc5593228597.pdf. Acesso em: 15 de out. de 2019.

BOEHM, C. Projeto liderado por brasileira mapeará genoma de 15 mil pessoas. Agência Brasil, São Paulo, 14 dez. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-12/projeto-liderado-por-brasileira-mapeara-genoma-de-15-mil-pessoas. Acesso em: 02 de mar. 2020.

BOLSANELLO, M.A. Darwinismo social, eugenia e racismo “científico”: sua repercussão na sociedade e na educação brasileiras. Educar, Curitiba, n. 12, p. 153-165, 1996. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n12/n12a14.pdf. Acesso em: 16 de outubro de 2019.

CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D.; CARVALHO, A.M.P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. A necessária renovação do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 2005. 183 p.

CARVALHO, A.M.P. Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2016. 154 p.

CARVALHO, A.M.P.; CACHAPUZ, A.F.; GIL-PÉREZ, D. O ensino das ciências como compromisso científico e social: os caminhos que percorremos. São Paulo: Cortez, 2012. 246 p.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2017.

CASTILHO, T.B.; OLIVEIRA, J.P.; SALES, N.L.L.; OVIGLI, D.F.B. Filmes de ficção científica na educação em ciências: análise de um minicurso voltada à construção de cine-aulas. In: XI ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS (IX ENPEC). Anais: [...]. Universidade Federal de Santa Catarina (SC), julho 2017. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1310-1.pdf. Acesso em: 12 de ago. 2019;

CÔRREA, M.V. O admirável Projeto Genoma Humano. Physis: Revista Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.12, n. 2, p. 277-299, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v12n2/a06v12n2. Acesso em: 12 de ago. 2019.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A.; PERNAMBUCO, M.M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez 2018. 285 p.

DEMO, P. Saber pensar. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2002. 159 p.

FAPESP. Xylella: concluído o genoma da bactéria. 2000. São Paulo, ed. 50. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/xylella-concluido-o-genoma-da-bacteria/. Acesso em: 13 de fev. 2020.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Cortez & Moraez, 1979. 53 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2011. 60 p.

FUTUYMA, D.J. Evolução, Ciência e Sociedade. Sociedade Brasileira de Genética. 2002. E-book. 73 p. Disponível em: https://www.sbg.org.br/sites/default/files/evolucao_ciencia_e_sociedade.pdf. Acesso em: 17 de fev. 2020.

GÓES, A.; AIRES, R. Genética das ervilhas ao genoma humano. Sociedade Brasileira de Genética. 2018. E-book. 233 p. Disponível em: https://www.sbg.org.br/sites/default/files/genetica_ervilhas.pdf. Acesso em: 17 de fev. 2020.

GÓES, A.C.S.; OLIVEIRA, B.V.X. Projeto Genoma Humano: um retrato da construção do conhecimento científico sob a ótica da revista Ciência Hoje. Ciência e Educação, Bauru, v. 20, n. 3, p. 561-577, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000300004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v20n3/1516-7313-ciedu-20-03-0561.pdf. Acesso em: 20 de jul. 2019.

HARRES, M.C.G; SOUZA, A.R. A ficção científica e o ensino de ciências: o imaginário como formador do real e do racional. Ciência e Educação, Bauru, v.14, n.2, p. 271-282, 2008. DOI https://doi.org/10.1590/S1516-73132008000200006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v14n2/a06v14n2.pdf. Acesso em: 20 de jul. 2019.

HARRES, J.B.S. Natureza das Ciências e as implicações para a educação científica. In: MORAES, R. Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. p. 37-68.

LIBÂNEO, J.C.; OLIVEIRA, J.F.; TOSCHI, M.S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012. 543 p.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. Ed. São Paulo: Epu, 2013. 128 p.

MARTINS, R.A. Introdução. A história das ciências e seus usos na educação. In: SILVA, C.C. Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2006. Introdução. p. xxi- xxxiv.

MATSUKUMA, A.Y. Sequenciamento e anotações de parte do genoma da Xylella fastidiosa. 2000. 159 p. Dissertação (Mestrado em Bioquímica) – Instituto de Química, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. DOI 10.11606/D.46.2001.tde-06022009-160615. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-06022009-160615/pt-br.php. Acesso em: 20 de jul. 2019.

PENAFRIA, M. Análise de Filmes - conceitos e metodologia(s). In: VI CONGRESSO SOPCOM, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, 2009. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-penafria-analise.pdf. Acesso em: 12 de jul. de 2019.

PIASSI, L.P.; PIETROCOLA, M. Ficção científica e ensino de ciências: para além do método de encontrar erros em filmes. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 525-542, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v35n3/08.pdf. Acesso em: 20 de jul. 2019.

POZO, J.I.; CRESPO, M.A.G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, 2009. 294 p.

SILVA, T.T. Darwin na sala de aula: replicação de experimentos históricos para auxiliar na compreensão da teoria evolutiva. 2013. 172 folhas. Dissertação (Mestrado em Ensino de Biologia), Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. DOI 10.11606/D.81.2013.tde-25072014-173516. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81133/tde-25072014-173516/pt-br.php. Acesso em: 12 de ago. 2019.

SIQUEIRA, P. B. Análise fílmica da animação “osmose jones” e sua utilização como material complementar no ensino de ciências e biologia. 2017. 39 folhas. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Ciências Biológicas). Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/2912. Acesso em 12 de jul. 2019.

STRAUSS, A.; WAIZBORT, R. Sob o signo de Darwin? Sobre o mau uso de uma quimera. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 68, São Paulo, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-69092008000300009. Acesso em: 12 de ago. 2019.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. 224 p.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18051

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional