A comunidade Mumbuca e as plantas medicinais: tecendo aproximações entre saberes tradicionais e ensino de química

Junio Gonçalves de Almeida, Welington Francisco

Resumo


Uma vez que os saberes tradicionais são atribuídos a pequenos grupos ou sociedades que reproduzem historicamente seu modo de vida, apresentando diversos conhecimentos, o objetivo deste trabalho foi identificar os saberes da comunidade Mumbuca acerca do uso medicinal de plantas, a fim de buscar correlações com os conhecimentos químicos e viabilizar atividades de ensino. Realizou-se uma pesquisa etnográfica, com coleta de dados por meio de entrevista com a matriarca da comunidade e registros de campo durante o tempo passado com o povoado. A análise dos resultados aponta para uma diversidade de saberes tradicionais relacionado às plantas medicinais, que vão desde uma variedade de espécies utilizadas até a seleção da planta para preparação de chás e/ou garrafadas. Esses saberes possibilitaram a interrelação com muitos conhecimentos químicos, propiciando a proposição de uma atividade de ensino para uma formação mais integral.


Palavras-chave


conhecimento tradicional; caso investigativo; plantas medicinais; ensino de química

Texto completo:

PDF

Referências


ALCANTARA, R. G. L.; JOAQUIM, R. H. V. T.; SAMPAIO, S. F. Plantas medicinais: o conhecimento e uso popular. Revista de APS, v. 18, n. 4, 2015.

ALMEIDA, R. O. Ajofe e alcoometria: as escolas diante das mudanças socioculturais ligadas à produção de cachaça artesanal na microrregião de Abaíra, Bahia, Brasil. Ciência & Educação, Bauru, v. 18, n. 1, p. 187-214, 2012.

ARAMBARRI, A. M. et al. Leaf anatomy of medicinal shrubs and trees from Misiones forest of the Paranaense Province (Argentina). Boletin de la Sociedad Argentina de Botanica, Buenos Aires, v. 43, n. 1, p. 31-60, 2008.

BENITE, A. M. C. et al. Dai-me agô (licença) para falar de saberes tradicionais de matriz africana no ensino de química. Química Nova, São Paulo, v. 42, n. 5, p. 570-579, 2019.

BRASIL. Lei n° 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 18 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 18 ago. 2021.

BUENO, N. R. et al. Plantas medicinais usadas pelas populações indígenas Kaiowá e Guarani na Reserva de Carapó, Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 19, p. 39-44, 2005.

CAVALCANTE, J. P. R. Regularização territorial do quilombo mumbuca: identidade e memória como fundamento da propriedade quilombola. 141 f. 2018. Dissertação (Mestrado em Direitos Humanos) – Universidade Federal do Goiás, Goiânia, 2018.

CARDOSO, M. B. da C. Saberes ribeirinhos quilombolas e sua relação com a educação de jovens e adultos da comunidade de São João do Médio Itacuruçá, Abaetetuba/PA. 161 f. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

CUNHA, M. C. Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. Revista USP, n. 75, p. 76-84, 2007.

CUNHA, M. C. da. Questões suscitadas pelo conhecimento tradicional. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55, n. 1, p. 439-464, 2012.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

GONDIM, M. S. da C. A inter-relação entre saberes científicos e saberes populares na escola: uma proposta interdisciplinar baseada em saberes das artesãs do Triângulo Mineiro. 2007. 176 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

HAERTER, L.; NUNES, G. H. L.; CUNHA, D. T. R. Refletindo acerca da contribuição da cultura quilombola aos currículos da educação básica brasileira, através da presença da história da África e afro-brasileira. Identidade!, São Leopoldo, v. 18, n. 3, p. 267-278, 2013.

KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T.; FIGUEIREDO, M. C. Diálogo dos saberes: o conhecimento científico e popular das plantas medicinais na escola. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas, p. 1-13, 2011. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R1647-1.pdf. Acesso em: 14 maio 2021.

LOIOLA, A. A. et al. Farmacopéia Popular do Cerrado. Goiás: Articulação Pacari, 2009.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MOREIRA, M. A. Metodologias de pesquisa em ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

NASCIBEM, F. G.; VIVEIRO, A. A. Saberes populares consCiência: uma investigação sobre a medicina popular. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, p. 1-9, 2015. Disponível em: < http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0773-1.PDF>. Acesso em: 14 maio 2021.

PACHECO, L. Pedagogia Griô: a reinvenção da roda da vida. Lençóis: Grãos de luz e Griô, 2006.

PAIVA, A. de S. Conhecimentos tradicionais e ensino de biologia: Desenvolvimento colaborativo de uma sequência didática sobre reprodução vegetal. 2014. 226 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

PARANÁ. Departamento de Direitos Humanos e Cidadania – DEDIHC. Povos e Comunidades tradicionais. Curitiba: Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, 2019.

PINHEIRO, P. C.; GIORDAN, M. O preparo de sabão de cinzas em Minas Gerais, Brasil: do status de etnociência à sua mediação para a sala de aula utilizando um sistema hipermídia etnográfico. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 355-383, 2010.

REGIANI, A. M. Conhecimento tradicional e química: possíveis aproximações. Curitiba: CRV, 2014.

RESENDE, D. R.; CASTRO, R. A. de; PINHEIRO, P. C. O saber popular nas aulas de química: relato de experiência envolvendo a produção do vinho de laranja e sua interpretação no ensino médio. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 151-160, 2010.

SANTOS, M. A.; CAMARGO, M. J. R.; BENITE, A. M. C. Vozes Griôs no Ensino de Química: Uma Proposta de Diálogo Intercultural. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 20, p. 919-947, 2020.

SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial / Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais (2013). I Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/plano_nacional_desen_sustentavel_povos_comunidades_trad_matriz_africana.pdf. Acesso em: 14 maio 2021.

SILVA, C. S. Do griô ao vovô: o contador de histórias tradicional africano e suas representações na literatura infantil. Nau Literária, v. 9, n. 2, p. 1-13, 2013.

SIQUEIRA, M. de L. Agô Agô Lonan – Mitos, ritos e organizações em terreiros de Candomblé da Bahia. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1998.

SOUZA, E. P. L.; ALVINO, A. C. B. BENITE, A. M. C. Ensino de ciências e identidade negra: estudos sobre a configuração da ação docente. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e I Congreso Iberoamericano de Investigación en Enseñanza de las Ciencias, Campinas, p. 1-12, 2011. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R0749-1.pdf. Acesso em: 14 maio 2021.

TOLEDO, C. E. M. de et al. Antifungal properties of crude extracts, fractions, and purified compounds from bark of Curatella americana L. (Dilleniaceae) against Candida species. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, Oxford, v. 2015, p. 1-9, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5585/39.2021.20241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional