Representações sociais de alunos autistas por professores

contribuições para o desenvolvimento profissional e as práticas em Salas de Recursos Multifuncionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/48.2024.26229

Palavras-chave:

alunos autistas; Salas de Recursos Multifuncionais; Teoria das Representações Sociais; Transtorno do Espectro Autista; professores

Resumo

O objetivo do estudo foi investigar representações sociais de alunos autistas por professores que atuam em Salas de Recursos Multifuncionais (SRM) no Distrito de Dabel, em Belém-PA. Compreender o Transtorno do Espectro Autista (TEA) no campo educacional é relevante para a defesa do direito à educação, baseado na educação especial e inclusiva. A Teoria das Representações Sociais foi tomada como referencial teórico-metodológico. A pesquisa foi realizada com 15 professores, por meio de entrevistas semiestruturadas, analisadas com apoio da análise de conteúdo.  O “aluno diferente”, relacionado a “agitado”, “difícil”, “introvertido”, “inteligente”, objetivou a representação social do grupo. Refletir sobre a polissemia das características do aluno com TEA, expressas por professores, pode contribuir para seu desenvolvimento profissional. Promover cursos de formação continuada que vão ao encontro de seus interesses, assim como a garantia de SRM com infraestrutura e materiais para o trabalho docente, são essenciais para promover práticas pedagógicas inclusivas.

CROSSMARK_Color_horizontal.svg

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Caseiro de Oliveira, Universidade Estácio de Sá – UNESA

Doutoranda em Educação

Rita de Cássia Pereira Lima, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Doutora em Sciences de l´Éducation pela Université René Descartes 

Referências

ALMEIDA, G. P. Minha escola recebeu alunos para a inclusão. Que faço agora? Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011.

ALVES, M. D. As representações sociais dos professores acerca da inclusão de alunos com distúrbios globais do desenvolvimento. 2005. 103f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/7113/Dissertacao%20Marcia%20Doralina.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 08 dez. 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELÉM. Secretária Municipal de Educação. Conselho Municipal de Educação. Plano Municipal de Educação do Municipio de Belém: 2015-2025. Belém - PA, 2015. Disponível em: https://www.arroiodopadre.rs.leg.br/leis/legislacao-municipal/leis/2015/lei-1-625-anexo-i. Acesso em: 12 jun. 2022.

BELÉM. Secretária Municipal de Educação. Sistema de Informação de Gestão Acadêmica, 2022. Disponível em: https://novosiga.belem.pa.gov.br/login. Acesso em: 12 jun. 2022.

BORGES, A. A. P.; NOGUEIRA, M. L. M. O aluno com autismo na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2018.

BRAGA, W. C. Azul e de todas as cores: Guia básico para pais e profissionais. São Paulo: Paulinas, 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 7.853, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em: 12 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispões sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. Brasília: Presidência da República, 2008b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6571.htm. Acesso em: 12 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: Presidência da República, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 27 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Manual de Orientação: Programa de Implantação de Sala de Recursos Multifuncionais. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9936. Acesso em: 10 set. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Edital nº 01 de 26 de abril de 2007. Programa de implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília: Presidência da República, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/2007_salas.pdf. Acesso em: 08 dez. 2023.

CANOVAS, D. S. D. Estratégias De Ensino. 1ª ed. São Paulo: GMétodo, 2022.

CHIOTE, B. A. F. Inclusão da Criança com autismo na educação infantil: trabalhando a mediação pedagógica. Rio de Janeiro: Wak, 2015.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: D. Jodelet (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 17-44.

JODELET, D. Representações Sociais e mundos de vida. Paris: Éditions des archives contemporaines; São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Curitiba: PUCRess. Trad. ULUP, L, 2017. 544p. Disponível em:https://www.pucpress.com.br/wpcontent/uploads/2021/11/rep_sociais_mundos_de_vida.pdf. Acesso em: 08 dez. 2023.

LIMA, R. C. P.; CAMPOS, P. H. F. Núcleo figurativo da representação social: contribuições para a educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 36, p. 1-22, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698206886. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/3Q5FGTyMMwvsYqwYC43mdRK/?lang=pt#. Acesso em: 09 out. 2023.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

MINAYO, M. C. S.; COSTA, A. P. Técnicas que fazem uso da Palavra, do Olhar e da Empatia: Pesquisa Qualitativa em Ação. Aveiro: Ludomedia, 2019.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1992.

OLIVEIRA, T. M. P. L.; LIMA, R. C. P. Representações sociais de trabalho pedagógico por professores no Atendimento Educacional Especializado. Revista Cocar, n.19, p. 1-17, 2023. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/5945/3003. Acesso em: 25 out. 2023.

PAPIM, A. A. P. Autismo e aprendizagem: os desafios da Educação Especial. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020. 85f.

RODRIGUES, S. D.; AZONI, C. A. S.; CIASCA, S. M. Transtornos do desenvolvimento: da identificação precoce às estratégias de intervenção.1ª Edição. Ribeirão Preto, SP: Book Toy, 2014.

SÁ, C. P. A Construção do Objeto de Pesquisa em Representações Sociais. Rio de Janeiro. Ed. UERJ. 1998.

SILVA, N. V. P. R. A importância da sala de recurso multifuncional na educação inclusiva: revisão de artigos científicos. Scientia Vitae, v. 12, n. 34, 2021. Disponível em: https://revistaifspsr.com/v12341016.pdf. Acesso em: 09 set. 2022.

TARDIF, M. O trabalho docente. Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

Downloads

Publicado

30.04.2024

Como Citar

OLIVEIRA, Priscila Caseiro de; LIMA, Rita de Cássia Pereira. Representações sociais de alunos autistas por professores: contribuições para o desenvolvimento profissional e as práticas em Salas de Recursos Multifuncionais. Dialogia, [S. l.], n. 48, p. e26229, 2024. DOI: 10.5585/48.2024.26229. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/26229. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê n. 48 “Desenvolvimento profissional de professores e gestores: contribuições para o campo de pesquisa e para a prática