A educação escolar como um direito e as medidas socioeducativas de internação: o sujeito de direitos entre dilemas no ambiente escolar

Angelica de Oliveira Furtado, Eliana do Socorro de Brito Paixão

Resumo


Este artigo apresenta parte da pesquisa realizada para dissertação de mestrado em 2019 e se propõe discutir a educação escolar como medida socioeducativa de internação para adolescentes autores de ato infracional, com foco na mediação pedagógica e em dilemas enfrentados pelo educador no ambiente escolar. A pesquisa foi realizada na escola instalada no Centro Socioeducativo de Internação em Macapá/Amapá, com oito adolescentes e nove educadores, foi baseada na abordagem qualitativa, adotando-se a observação participante e estrevistas semiestruturadas para coleta de dados. Entre os principais resultados destacam-se: o adolescente que comete atos infracionais é marcado como ser negativo à sociedade e o processo educacional previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente, como alternativa para mudança de vida, ainda está dissonante do seu propósito, em razão de deficiências na formação docente, a despeito disso os educadores imprimem dedicação e esforço para tornar o processo o menos sentenciador possível.


Palavras-chave


Adolescente infrator; Educação; Medidas socioeducativas de internação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. A escola com que sempre sonhei, sem imaginar que pudesse existir. São Paulo: Papirus, 2013.

ARROYO, M. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de educandos e mestres. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

AZAMBUJA, C. A adolescência. São Paulo: Publifolha, 2014.

BITTAR, E. C. B. Ética, educação, cidadania e direitos humanos: estudos filosóficos entre cosmopolitismo e responsabilidade social. Barueri. Manole, 2014.

BITENCOURT, L. P. Vitimização secundária infanto-juvenil e violência sexual intrafamiliar: Por uma política pública de redução de danos. Rio de Janeiro: Lumen, 2019.

BRANDÃO, C. Educação popular. São Paulo: Brasiliense, 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Institui a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Secretaria de Estado da Educação: CENP, 1996.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Institui o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília-DF. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br > Acesso em: 12 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 6.697, de 10 de outubro de 1979. Institui o Código de Menores. Brasília-DF. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ > Acesso em: 04 fev. 2019.

BRASIL. S E. dos Direitos Humanos. Sistema de Atendimento Socioeducativo – SINASE. Brasília-DF, 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br > Acesso em 23 jan. 2019.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto – Portugal. Porto Editora, 1994.

CANTINI. A. H. A proteção dos direitos da criança e do adolescente no Brasil. Revista Sociais e Humanas. Rio Grande do Sul. v. 21, n. 2. 2008.

CURY, M.; AMARAL E SILVA, A. F. do; MENDEZ, E. G. (Org.). Estatuto da Criança e do Adolescente comentado. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FROTA, M. G. C. Do Código criminal do Império ao Estatuto da Criança e do Adolescente. Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro/Escola de Governo, 2017.

GADOTTI, M. Paulo Freire: Uma biobibliografia. São Paulo: Cortez, 2006.

GATTI, B.A. Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de renovação. Campinas: Autores Associados, 2017.

JESUS, M.N. Adolescentes em conflito com a lei: Prevenção e Proteção Integral. São Paulo: Servanda, 2016.

MARTINS, J. de S. Educação e cultura nas lutas do campo: reflexões sobre uma pedagogia do conflito. In: SEVERINO, A. J. et al. Sociedade civil e educação. Campinas: Papirus, 2016.

MIALARET, G. A formação de professores. Coimbra: Almeida, 2011.

MOLAIB, M. de F. N. Crianças e adolescentes em situação de risco e suas relações com a instituição Conselho Tutelar. 2015.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NOVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 2012.

NUNES, L. de S. Escuta sensível do professor: uma dimensão da qualidade da educação. 2009. 124 f. Dissertação. Universidade de Brasília – UnB, Brasília, DF.

RIZZINI, I. A criança e a Lei no Brasil. Rio de Janeiro, UNICEFCESPI/USU, 2011.

SANTOS, D. F. M. O desenvolvimento das trajetórias do comportamento delinquente em adolescentes infratores. Tese. Universidade Federal do Rio G. do Sul, Porto Alegre, 2015.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais. A pesquisa qualitativa em educação: o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

YIN, R.K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 5. ed. Tradução Christian Matheus Herrera. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16932

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.