De espionagem à produção do conhecimento comum e heterogêneo na escola: a participação das crianças na pesquisa em educação

Fernanda Maria Santos Albuquerque, Conceição Gislâne Nóbrega Lima de Salles, Nádia Priscila de Lima Carvalho

Resumo


Apresenta a educação e, em específico, a produção do conhecimento comum e heterogêneo na escola, como direito humano e social, sobretudo, das crianças. Pensa a infância não só como categoria geracional, mas também como condição da experiência e denota a recepção das crianças ao mundo e a experiência como sentidos da educação. Traz uma pesquisa com perspectiva cartográfica realizada junto a 41 (quarenta e uma) crianças e 06 (seis) professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental e destaca fragmentos que enfatizam a diferença entre a espionagem e a produção do conhecimento comum e heterogêneo na escola. Dessa forma, questiona a realização de pesquisas em educação sobre crianças e reflete acerca da produção de conhecimento com as crianças na escola. Aponta outros modos de pensar o acesso à educação e a luta por este direito.


Palavras-chave


Crianças; Direito à educação; Participação em pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. B. de Almeida. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

BRANDÃO, Z. Pesquisa em educação: conversas com pós-graduandos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2012.

BRANDÃO, Z. Direito à Educação e Cidadania Escolar. Boletim CEDES, Rio de Janeiro, v. 1, p. 1-7, 2014.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Seção 1, p. 44-46. Disponível em: Acesso em: 18 jun. 2018.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; ALVES, Nilda. Conversas em redes e pesquisas com os cotidianos. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (org.). Conversas como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância – Ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KRAMER, Sônia. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa. Revista Quadrimestral. São Paulo, FCC, n. 116, p. 41-59, jul. 2002. Disponível em: Acesso em: 16 set. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos do Homem. Adotada e aprovada em Assembleia Geral da ONU no dia 10 de dezembro de 1948. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2020.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana (org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia (org.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2016.

PINTO, M.; SARMENTO, M. J. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: PINTO, M.; SARMENTO, M. J. (org.). As crianças: contextos e identidades. Braga: Universidade do Minho, 1997.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. 2. ed. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2014.

SKLIAR, Carlos. A escuta das diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n35.16936

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.